Cidade

Recursos para estragos da chuva Caixa Econômica libera 1,5 milhão para minimizar os impactos da chuva com elaboração de plano de drenagem em Juiz de Fora

Renata Cristina
Repórter
22/01/2007

Cerca de R$ 1,5 milhão foi liberado, na tarde desta segunda, dia 22 de janeiro, pela Caixa Ecônomica Federal ao município de Juiz de Fora. Os recursos vão ser destinados a dois projetos que visam minimizar os impactos da chuva na cidade. Entre eles, estão o Plano Geral de Drenagem de Juiz de Fora e a terceira etapa do Programa de Revitalização Urbana e Recuperação Ambiental do Córrego Yung, no bairro Linhares.

Segundo o secretário de Planejamento e Gestão Estratégica, José Maurício Gomes, a criação de um Plano Diretor de Drenagem vai permitir um mapeamento de toda a Bacia do Paraibuna, controlando as áreas de risco e minimizando problemas ocasionados pelas chuvas, como os transbordamentos. "Vamos levantar tudo o que existe na região e fazer um plano de ação", esclarece.

Plano de Drenagem
Esta é a primeira vez que um Plano de Drenagem é elaborado em Juiz de Fora. A previsão é de que o trabalho seja realizado em conjunto pela Secretaria de Planejamento e Gestão Estratégica (SPGE), pela Agência de Gestão Ambiental de Juiz de Fora (Agenda JF) e pela Cesama.

O valor de R$ 564.197 foi encaminhado pelo Comitê para Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul (Ceivap). A Prefeitura entrará com um recurso de R$ 140.803.

De acordo com o Prefeito Alberto Bejani, as áereas mais críticas, que necessitam de estudos específicos no que diz respeito a rede fluvial, começam a ser investigadas o quanto antes, para que seja elaborado um plano de prevenção. "Estaremos trabalhando para que no futuro não aconteça o mesmo".

Já a terceira etapa do Programa de Revitalização do Córrego Yung prevê uma drenagem nos pontos mais críticos do leito, evitando as enchentes constantes nas ruas Diva Garcia e Itália. Para este projeto, foram liberados R$ 975 mil do Governo Federal e mais R$ 195 mil pela Prefeitura. A previsão é de que as obras tenham início dia 24 de janeiro (quarta).

As obras emergenciais devem começar na mesma data, com R$ 1 milhão, provenientes de recursos municipais. Estão incluídos na lista de prioridade da Defesa Civil e SPU os bairros Vila Esperança I e II, Dom Bosco, Vila Olavo Costa e Teixeiras, nas proximidades da Deusdethi Salgado.

Sistema Nacional de Defesa Civil
Além do anúncio dos planos de ação, Juiz de Fora passa a integrar o Sistema Nacional de Defesa Civil. A medida visa interligar o Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad) com as agências estaduais, municipais e outros órgãos integrantes do Sistema Nacional de Defesa Civil.

Para a primeira fase deste programa, o Governo Federal liberou cerca de R$ 11 mil em equipamentos que vão permitir implementar um sistema de alerta e alarme na Defesa Civil de Juiz de Fora. "Juiz de Fora está entre as 23 primeiras cidades do país a receber equipamentos", explica o sub-secretário de Defesa Civil, Sérgio Rocha (foto ao lado).

Com aparelho de fax, microcomputador pessoal, GPS, no break, câmara digital, microcomputador de mesa, entre outros itens doados à instituição, haverá um mapeamento das áreas de riscos na região e materiais em situações de desastres.

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.

Iâe Marcellinha Rodrigues: nossa as professoras manda procurar oque acontece e não tem nada de mais aqui