Cidade

Tirar carteira em Juiz de Fora Paciência é a palavra de ordem para os candidatos à motorista.
Nervosismo é a principal causa das reprovações

Renato Costa
Colaboração*
16/02/2007

Foto de carros de auto-escola O processo para obter a desejada carteira de motorista exige dedicação, dinheiro e paciência, principalmente, no exame prático de direção. Às vezes, são necessários quatro, cinco ou até mais avaliações para conseguir a aprovação e o fator psicológico é o que mais influencia no desempenho.

O instrutor de auto-escola, Mauro Soares (foto abaixo), confirma que o nervosismo é o principal vilão dos candidatos. "A maioria dos erros é por não olhar nos espelhos ou esquecer de ligar a seta e, em boa parte das vezes, acontece porque o aluno fica nervoso", diz.

Sobre a dificuldade de aprovação nos exames, Mauro ressalta que o esforço vale a pena. "Quem tira a carteira em Minas tem mais chances de conseguir um emprego, se o critério de desempate for a habilitação. Quem contrata tem certeza de que o motorista foi exigido", afirma.

Um dos examinadores do Detran diz que o estado psicológico do candidato também é avaliado no momento do exame. "Não tem com separar a parte emocional da habilidade de dirigir de quem avaliamos. Se o aluno sabe dirigir mas demonstra muito nervosismo ele ainda não está pronto para dirigir, pois pode até causar um acidente quando estiver dirigindo sozinho", explica.

A preparação
Mauro Soares, instrutor de auto-escola Mauro comenta que o número de aulas práticas exigidas (15 horas) é muito pouco. "Acho que em vez de 30 aulas teóricas e 15 práticas, deveria ser ao contrário. O número é insuficiente para preparar um aluno para o exame prático", conta.

O instrutor diz que depende muito do aluno o número de aulas para estar pronto, mas que a ansiedade em fazer o exame atrapalha. "É melhor que ele faça mais aulas e esteja melhor preparado para o exames do que ser reprovado várias vezes", conclui.

A fiscal de posturas Stefânia Beloti confirma o fato. "Embora não tenha sido aprovada no meu primeiro exame, vi que 15 aulas foram insuficientes para me preparar. Fiz cerca de 50 até o exame", conta. Já Ana Paula Monteiro acha que 15 horas já foram suficientes para ela. "Embora tenha feito mais algumas aulas extras, acho que o exigido pelo código de trânsito foi suficiente para mim", diz.

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.