Cidade

Juizforanos protestam mais uma vez Mais de 30 entidades comandaram o protesto em frente à Câmara Municipal para pressionar o Legislativo a afastar Bejani



Priscila Magalhães
Repórter
14/04/2008

Uma manifestação reuniu cerca de 30 entidades e chamou a atenção de quem passava em frente à Câmara Municipal na tarde desta segunda-feira, 14 de abril. Dessa vez, o objetivo é pressionar o legislativo a afastar o prefeito Alberto Bejani, preso na última quarta, 09, até que todos os processos contra ele sejam julgados.

Para o ator Gueminho Bernardes, não só a prisão por desvio de verbas deve ser investigada, mas outros atos também devem ser levados em conta. "Ele anunciou obras que ainda nem tinham sido começadas, como o restaurante popular e teve gastos com publicidade". Segundo ele, em ano eleitoral, o candidato à reeleição não pode gastar mais que a média dos três anos anteriores em publicidade. "Se isso for constatado, ele deve perder a elegibilidade".

Para o presidente do Partido dos Trabalhadores (PT) em Juiz de Fora, Rogério Freitas, o prefeito não tem condições morais para reassumir o cargo se for solto. Ele ainda classificou a crise como a maior vivida pela Prefeitura e enfrentada pela Câmara. "A Casa nunca se viu nessa situação de extrema responsabilidade. Ela deve pedir o afastamento do Prefeito até que as investigações da CPI cheguem ao final".

Se Bejani for solto, não há impedimento para que ele reassuma o cargo, como já havia dito o procurador geral do município, Leon Gilson Alvim. O impedimento só pode acontecer se a Câmara votar a favor. "A cidade sofreu um desgaste nacionalmente. Cabe ao Legislativo tomar providências", completa Gueminho.

Impeachment

Para que o impeachment de Bejani aconteça, é necessário que o relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), incriminando o Prefeito, receba o voto de 2/3 da Câmara, o que representa 13 vereadores. "Agora, o órgão mais importante é a Câmara, já que ela tem o poder de afastar o Prefeito, instaurar a CPI e votar pelo impedimento", explica Rogério.

Foto da manisfestação Foto da manisfestação Foto da manisfestação

Segunda a vereadora e líder do governo, Rose França, a indicação dos nomes para formar a CPI vai acontecer nesta terça, 15 de abril. A partir daí, a comissão tem 45 dias para concluir as investigações. "Se for comprovado, o prefeito vai sair e, se isso acontecer, tem que perder o direito de voltar à política, mas ninguém deve ser condenado antes de ser julgado. ", diz a vereadora.

Para fechar o cerco aos vereadores, o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) em Juiz de Fora, Péricles de Lima, diz que um placar vai ser colocado na porta da Câmara no dia da votação do relatório. O nome de todos os vereadores vai aparecer no placar. "É uma forma de sabermos qual deles está do lado dos juizforanos e quem está do lado do Prefeito e de costas para nós".

Assinaturas

No ato contra a corrupção na política, que aconteceu no último sábado, 12, foram coletadas mais de mil assinaturas a favor do impeachment de Bejani. Para a juizforana Maria Carlota, o ideal seria que o Prefeito deixasse o cargo.

A cientista social Juliana Magaldi diz que espera a instauração da CPI e o afastamento preliminar de Bejani até que foque esclarecida a origem do dinheiro e o real envolvimento dele no esquema. "Confio na Câmara, mas acho que tem muitos vereadores envolvidos".

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.