Direitos Humanos

Dia Contra a Discriminação Racial Ativistas do movimento negro de Juiz de Fora comentam sobre a importância de se discutir a igualdade racial e opinam sobre o preconceito na cidade


Fernanda Leonel
Repórter
21/03/2007

Nesta quarta-feira, dia 21 de março, o mundo todo comemora o Dia Contra a Discriminação Racial. Ativistas de Juiz de Fora prometem não deixar a data passar em branco e reafirmam a importância de se discutir a igualdade entre as raças.

Todos os entrevistados foram unânimes em dizer que em na cidade tem-se a impressão que o preconceito é bem aceito, e que grandes questões só acontecem na África, por exemplo, mas que é preciso "acordar" para a realidade e aceitar que coisas horríveis acontecem com a classe negra aqui também. Mais perto do que as pessoas possam imaginar.

"Aqui também não se dá emprego porque a pessoa é negra, aqui se desconfia do negro andando a noite sozinho, aqui os PMs dão 'batida' em mais negros que brancos. Tudo acontece. E é por isso que o movimento negro trabalha tanto e tem tanta coisa para se preocupar", analisa José Geraldo Azarias, mais conhecido como Zaca (foto abaixo), e coordenador do Centro de Referência da Cultura Negra (Cerne), de Juiz de Fora.

Para o ativista do movimento negro local, o dia é muito importante a partir o momento que serve para a reflexão da questão que é "de todos, e não de um segmento da sociedade".

Para Zaca um dos principais embates na questão do preconceito está no fato que a grande maioria das pessoas considerarem que o racismo ou a discriminação é um problema de quem sofre com isso. "O movimento negro sofre com a velha história do 'o problema não é meu'", complementa.

A juizforana, que é mestre em etno-história pela Universidade Estadual de São Paulo, Rita Félix (foto) e também autora do livro "O negro: sobrevivência, conflitos e movimento" concorda com o ativista. Para ela, o Dia Contra a Discriminação é importante na medida que amplia o debate e pode lembrar os juizforanos que essa é uma questão de toda a sociedade.

Rita afirma que já passou da hora dessa situação ser revertida, já que em todos os períodos históricos da história do Brasil é possível perceber uma desigualdade muito grande entre as duas etnias. Só que, segundo a historiadora, a diferença principal está em como os negros "reagiam" a determinadas situações.

"No período da escravidão, o racismo era legitimado pelo sistema: o sistema escravizava e o escravo nunca foi tratado de igual para igual. Porém, a gente via um posicionamento diferente dos negros, eles não foram omissos e apáticos diante da sua problemática. O escravo sempre fazia algo para tentar mudar a situação que lhe era imposta", enfatiza.

Para Rita, a conclusão que se pode chegar nesse dia 21 de março é que a luta só vai ser concretizada quando todos resolverem abraçar a causa, porque segundo a pesquisadora, no Brasil, assim como em Juiz de Fora, o preconceito não é camuflado: é escancarado mesmo.

"É só você transitar por instituições e locais onde ficam as pessoas mais privilegiadas para a gente procurar onde é que estão os negros. Vê se eles estão trabalhando como serviçal ou se estão sendo subalternos. Vá até um restaurante de classe. Muitos só tem negros na cozinha, porque nem garçons negros muitos restaurantes querem ter", resume Rita.

Um dos membros fundadores do Grupo Agente Pastoral dos Negros, Renato Demétrio Filho (foto), também comentou sobre o assunto. Para o líder comunitário a data é de fundamental importância para a reflexão e análise do preconceito, mas não deve ser encarada como uma comemoração.

"É triste a gente pensar que precisa botar no calendário algo que teria que ser encarado naturalmente, que é um direito de todos, indiscutivelmente. As pessoas deveriam pensar nisso todos os dias e ter a igualdade em mente sempre", comenta.

 

Porque o dia 21 de março?
No dia 21 de março de 1960, na cidade de Joanesburgo, capital da África do Sul, 20 mil negros protestavam contra a lei do passe, que os obrigava a portar cartões de identificação, especificando os locais por onde eles podiam circular.

 

No bairro de Shaperville, os manifestantes se depararam com tropas do exército. Mesmo sendo uma manifestação pacífica, o exército atirou sobre a multidão, matando 69 pessoas e ferindo outras 186. Esta ação ficou conhecida como o Massacre de Shaperville. Em memória à tragédia, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu 21 de março como o Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial.

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.