Educação

Educação no trânsito pode começar na escola Instituições de ensino de JF apostam em educar as
crianças para o trânsito desde o maternal

Thiago Werneck
Colaboração
22/06/2007

Quem já não se irritou no trânsito pela falta de educação de algum pedestre ou motorista? Para amenizar a situação, garantir segurança das crianças e promover a cidadania, algumas escolas de Juiz de Fora apostam em educar os pequenos, cada vez mais cedo, para normas de conduta no trânsito que muitos adultos sequer têm conhecimento.

Ensinar as crianças à atravessar na faixa de pedestres e à respeitar as sinalizações são os principais aprendizados. A professora Magda Torres (foto abaixo) explica que no colégio em que ela dá aula, desde o maternal até a oitava série, os alunos têm contato direto com exemplos de educação no trânsito. "Temos um bimestre em que ressaltamos esse tipo de atividade e, durante o ano, relembramos posturas e regras, através de textos, músicas e atividades", explica.

A forma de tratar o assunto varia de acordo com a idade das crianças. Magda conta que, desde os três anos, eles já podem aprender algumas noções. "A gente trabalha nessa faixa etária com visualização das cores dos sinais e de figuras. A criança que passa por aqui no primário, chega no ensino fundamental já com a base formada sobre educação no trânsito", relata.

Foto da Magda As crianças trabalham em projetos de teatralização e dramatização. Essas fórmulas são utilizadas para envolver os alunos nos projetos. "Nessa idade, eles se dispersam muito fácil. Por isso, criamos historinhas, fazemos teatro para envovê-los no assunto e formar uma base na cabeça deles de como agir quando vão atravessar a rua, por exemplo", destaca Magda.

Segundo a professora, o ponto máximo do projeto é quando um guarda de trânsito vai até a escola conversar com as crianças. "Essa parte é muito bacana: o guarda leva as crianças para o pátio da escola e simula uma rua no local. Lá ele brinca com as crianças criando várias situações hipotéticas que podem acontecer no trânsito. Elas adoram e aprendem muito com isso", observa.

Já para os "crescidinhos", o assunto começa a ficar mais sério. Poesias, notícias de jornais, cartilhas, trabalhos e projetos são realizados e analisados na escola. "Em todas essas etapas, o mais importante é promover o respeito ao motorista e ao pedestre. Se você trabalhar com a criança, ela vai se tornar um adulto mais educado", destaca Magda.

Foto do Rodrigo, diretor do colégio Em outra escola da cidade, as dificuldades na travessia dos alunos, para entrar no Colégio, deram início a uma importante idéia: o projeto monitores do trânsito. A partir dessa novidade, o diretor de ensino da escola, Rodrigo Mendonça, passou a dar orientações sobre as normas do trânsito, em conjunto com agentes da Gettran.

Segundo Rodrigo, o objetivo é oferecer segurança aos alunos e promover a cidadania. "Percebemos que muitas crianças atravessavam fora da faixa, correndo na rua, correndo perigo de serem atropeladas. Por isso, idealizamos esse projeto. A partir dele, fizemos trabalhos de conscientização e educação no trânsito. Em reunião com os pais apresentamos o projeto e pedimos que eles também nos ajudassem dando algumas dicas em casa", conta.

Foto do do funcionário da escola atuando como gaurda de trânsito A campanha de conscientização no trânsito foi muito discutida com os alunos. O resultado é que eles passaram a respeitar as normas de trânsito. Rodrigo explica que depois do primeiro mês, as dicas e orientações de educação no trânsito passam a ser mais esporádicas. "A gente fez um campanha forte e, agora, voltamos a tocar no assunto, quando percebemos que eles começam a relaxar e desrespeitar as normas do trânsito. A questão é mais de cultura mesmo, só com o passar do tempo é que essas crianças podem incorporar de vez essas orientações", destaca Rodrigo.

Enquanto os alunos mais velhos recebem cartilhas e orientações dos agentes de trânsito, a escola tem o objetivo de levar as crianças do primário a transitolândia. "Nosso projeto em educação no trânsito ainda é embrionário. Estamos começando a entrar nessa área, para que nossos alunos saíam daqui exercendo sua cidadania no trânsito da cidade", completa Rodrigo.

*Thiago Werneck é estudante de Comunicação Social da Universidade Federal de Juiz de Fora

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.