Especial 100 anos de Imigração Japonesa

Método japonês ensina a estudar Sem limite de idade, método ensina o aluno a dominar disciplinas,
ser autodidata e a aprender com os erros


Priscila Magalhães
Repórter
14/07/2008

A professora Beatriz Maria Tasca (no vídeo) saiu das salas de aula e há 15 anos utiliza um método japonês para orientar alunos de todas as idades.

Ela dava aula de ciências e matemática e percebia as dificuldades dos estudantes, principalmente em disciplinas que exigiam cálculo. "Eu via que eles acertavam o raciocínio e erravam a conta. Ficava pensando se não havia uma maneira de fazê-los aprender" .

Ela enfatiza que, atualmente, não é professora. "Meu papel é orientar". Através do método, ela ajuda os alunos a dominar matérias, como matemática, português e inglês, e não somente a decorar. O objetivo é que o aluno vá além de sua série escolar, se tornando adiantado. "Ser adiantado não significa que o aluno vai tirar nota 100 em tudo. É dominar conteúdo e ter disciplina" , explica.

O fato de existirem orientadores, e não professores, deixa evidente um dos objetivos do método: fazer com que o estudante seja autodidata. Esse ponto é trabalhado através do próprio material. "Ele ajuda a aprender, pois é todo exemplificado". Beatriz explica que quando o aluno não sabe resolver determinado exercício, ela só mostra como se faz em último caso. Primeiro, ele tenta descobrir sozinho, utilizando os exemplos do próprio material. "Isso o estimula a encontrar as respostas".

Etapas

Foto de material de português O curso acontece de forma progressiva e a orientadora garante que o aluno vai aprendendo sem se dar conta. O curso de matemática vai do estágio "7A" até a letra "O". O de Português começa no "4A" e segue até o "J", quando o aluno se forma. Cada estágio é formado por blocos, que são os assuntos estudados.

Para estudar com o método, o primeiro passo é fazer uma prova de nivelamento, chamada teste de diagnóstico. Para os alunos que estão cursando o ensino médio ou a faculdade e para aqueles que já têm um nível de aprendizado mais avançado, o teste aplicado é o que corresponde à 4ª série. Os estudantes de 5ª a 8ª fazem o teste que corresponde à 3ª série. A partir desse resultado, ele começa a freqüentar as aulas.

Foto de material de matemática O método trabalha com metas. Elas são definidas levando em consideração o teste de diagnóstico. "Temos uma tabela que indica, a partir do ponto de partida, o estágio que o aluno deve atingir e em quanto tempo isso deve acontecer". Os exercícios dos blocos servem de teste. Através deles, a orientadora sabe se o aluno pode passar para o próximo ou se precisa estudar mais.

Concluídos os blocos de um estágio, o aluno passa por uma outra prova, chamada teste de assimilação. Nesta prova, Beatriz vê se ele domina o conteúdo. Dominar o conteúdo não significa somente saber o que o exercício pede. É necessário que o aluno resolva as questões em um tempo máximo já determinado. "Levamos em consideração o número de questões corretas e o tempo que ele gastou para solucioná-las".

Foto de material de inglês Apesar de parecer um processo de aprendizagem longo, por causa do grande número de estágios, a orientadora diz que os alunos completam, todos eles, entre um e dois anos. A cada 20 dias, eles costumam passar um estágio. Apesar de citar tempo, ela diz que tudo depende de cada um, levando em consideração a capacidade e o nível de concentração. "É um método para aprender a estudar, não adianta querer correr".

Quanto mais cedo a pessoa começa as aulas, melhor. Crianças a partir de dois anos podem praticar e não há limite de idade. "As crianças têm mais capacidade de assimilar coisas, mas todos são capazes, é só exercitar o cérebro. Tenho alunos idosos". Por isso, o método também é aconselhado para quem quer um emprego público. "Não ensinamos matemática financeira, mas com o domínio da matemática, a pessoa estuda o que quiser".

Além de se tornar um aluno avançado, dominar disciplinas e ser autodidata, o estudante ainda aprende a autocorreção. "Eles aprendem com os próprios erros e isso é muito importante". Beatriz cita outros benefícios do método, como aprender a ter responsabilidade, já que eles mesmos são responsáveis por passar as notas para o boletim e ter uma capacidade maior de concentração e compreensão. "Há também os ensinamentos para a vida, pois ele aprende a ser um bom cidadão. A educação é o alicerce".

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.