• Assinantes
  • Esporte

    A queda de rendimento do Baeta

    Matheus Brum Matheus Brum 20/04/2017

    Com quatro derrotas em quatro jogos do Hexagonal Final do Módulo II do Campeonato Mineiro, as chances de acesso do Tupynambás estão indo embora. Porém, o que aconteceu com o time que foi segundo lugar no Grupo A, e classificou jogando um belo futebol?

    Neste texto, tento elencar alguns problemas que tenho visto no time, nos últimos jogos.

    1º - Entrada do Ademilson
    Pode parecer controverso, mas, a entrada do atacante, fez com que o time tivesse uma queda de rendimento. Com todo o respeito que é devido ao Adê, já que ninguém se torna o maior artilheiro da história do Estádio Municipal Radialista Mário Helênio a toa, mas, o estilo de jogo dele não combina com o do Baeta. Mesmo com um vigor físico invejável aos 41 anos, sua presença faz o ataque ficar mais parado. Preso entre os zagueiros, os pontas precisam ser mais incisivos e abrir espaço entre os laterais e zagueiros. Porém, não é isso que é visto nos jogos. Os atacantes de velocidades (Ygor, Igor Santana e Tony), tem procurado chegar na linha de fundo e fazer cruzamentos na área, que não tem funcionado. Tanto que, em quatro jogos, Adê só marcou um gol, de pênalti, na derrota para o NAC.

    Quando Balotelli formava trio de ataque com Igor Soares e Tony, o time perdia em referência, mas ganhava na velocidade, jogadas em triangulação e na chegada dos meias ao ataque. Tanto que Marcelo Brandão cansou de perder ótimas oportunidades. O exemplo maior de como este esquema funcionava, foi na vitória, de virada, contra o Betinense, por 3 a 1. Ao sair atrás do placar, a equipe recuperou o placar em 20 minutos.

    Confesso que tanto eu, quanto outros colegas da imprensa, pedíamos um centroavante no time titular. Porém, reconheço que o esquema de jogo com ataque móvel e veloz é mais interessante.

    2º - Descompactação

    Com a entrada de Adê, a equipe tem ficado descompactada em campo. Com as linhas de defesa, meio e ataque espaçadas, as jogadas curtas não acontecem. Assim, os jogadores abusam dos lançamentos longos e jogadas individuais.

    Na primeira fase, era comum ver os meias chegando ao ataque e finalizando. Como disse acima, Brandão cansou de perder gols na grande área ou proximidades. Assim como ele, outros atletas tiveram chances de marcar.

    Se não acertar o posicionamento das linhas, continuaremos vendo jogos fracos, poucas chances de gols e um time abusando de ligações diretas. Com os jogadores mais próximos, tabelas, triangulações e passes em profundidade vão sair com mais naturalidade.

    Outro ponto negativo é a falta de finalizações de média e longa distância. Na Segundona, ano passado, Juninho levava perigo nestes chutes. Porém, com a saída do meia, ninguém consegue suprir esta carência.

    3ª – Falhas defensivas

    Se um time faz poucos gols, a defesa precisa dar suporte para segurar o placar. Contudo, isso não tem acontecido no Módulo II. São 18 gols sofridos, em 14 jogos. Média de mais de um gol por partida. E as falhas do sistema defensivo tem relação com os dois problemas que citei. Como o time tem jogado descompactado e com um centroavante, os laterais tem sido a válvula de escape. Desta forma, mais espaços são abertos nas costas dos camisas 2 e 6. Quando o adversário tem jogadores rápidos pelas pontas, um furdúncio tem sido visto em campo.

    Com as laterais abertas, a zaga “bate cabeça”, já que é mais exigida. A bola área e a saída de jogo tem sido um problema. Washington, principalmente, tem sido o pivô de algumas falhas. Tanto que acabou barrado para a entrada de Thales, no confronto contra o Boa.

    Os volantes precisam dar um suporte maior aos zagueiros, para passar mais confiança. Pinguim tem um papel fundamental neste processo. Tanto para recompor, como um terceiro zagueiro, mais adiantado, como o responsável por fazer a transição da bola entre defesa e meio de campo.

    Acompanhando o trabalho do Lúdyo, sei que os problemas serão arrumados. O fato do time estar jogando duas vezes por semana dificulta um acerto, já que os treinamentos são reduzidos. A participação no Módulo II deste ano vai ser fundamental para poder entender como funciona o campeonato e ajudará na montagem da equipe no ano que vem. Infelizmente, as chances do acesso são quase nulas.

    Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e, desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Atualmente é redator/editor do site Coluna do Flamengo, repórter esportivo da Rádio Catedral 102,3 FM e colunista da Rádio Muriaé. Já passou pela TV Alterosa, Programa Mosaico e Rádios CBN-JF e Cultura, Santos Dumont.

    Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opiniao dos autores nao necessariamente expressa a linha editorial e a visao do Portal ACESSA.com

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.