Casa
Guerra aos cupins!
Pragas urbanas invadem casas e construções e exigem o trabalho de profissionais especializados para serem combatidas

Deborah Moratori
25/06/03

De repente, não mais que de repente, você encontra num cantinho da sua casa aquele pozinho marrom... E logo pensa: "cupins à vista! Praga!"

Praga, isso mesmo, porque combater um exército de devoradores de madeira não é uma tarefa fácil, muito pelo contrário. Uma batalha ainda está pela frente. E não adianta apelar para soluções caseiras, ouvir conselhos das vizinhas, fazer promessa... Não existem receitas simples ou fórmulas milagrosas para o controle de cupins.

"Controlar cupins é tarefa para profissionais especializados", aconselha Antônio Carlos Fernandes, Chefe da Seção de Controle e Vigilância de Populações Animais Urbanas do Departamento de Zoonoses da Prefeitura.

E o sucesso no combate dessa praga depende diretamente do nível de conhecimento sobre a biologia e comportamento da espécie. Fernandes, que também é proprietário da empresa de controle de pragas urbanas, Controlprag, explica que o controle caseiro geralmente não elimina os insetos porque não se faz a aplicação correta nos móveis infestados dos cupinicidas à venda no mercado.

Investigação minuciosa
"É preciso entender como o cupim age. Às vezes as pessoas encontram os túneis que os insetos escavam e aplicam o inseticida lá. O que elas não sabem é que esses túneis podem já não ser mais habitados por cupins. Encontrar o pozinho deixado por eles é o primeiro passo, mas não adianta aplicar o produto neste local. Quando ataca uma madeira, o cupim deposita uma espécie de cera que fecha o túnel que está escavando. Depois de um tempo, o inseto remove a cera para se livrar do pó e tampa o buraco novamente. Dessa forma o produto não encontra o inseto", alerta.

O procedimento correto para se aplicar o cupinicida, de acordo com Fernandes, é localizar o pozinho e bater na madeira para identificar a extensão do túnel escavado. "Exatamente no ponto onde as batidas não produzirem mais um som oco é que se deve aplicar o produto. Para isso a pessoa deve fazer um furo minúsculo na madeira. Só assim o cupinicida encontra o inseto".

De qualquer forma, o mais correto é procurar um profissional especializado. "O controle exige técnicas específicas e a manipulação de produtos químicos altamente tóxicos exige muito cuidado. Além disso, depois da utilização uma pessoa sem conhecimento pode deixar a embalagem vulnerável ao alcance de crianças e animais domésticos", completa.

Fique de olho!
O primeiro passo para controlar uma infestação é fazer uma boa inspeção para:

  • encontrar indícios de atividades de cupins e brocas
  • identificar os insetos ou detectar sinais que permitam identificar o grupo de insetos responsável pelo problema
  • reconhecer as estruturas atacadas e determinar a extensão da infestação

    De posse dessas informações e conhecendo o comportamento de cada espécie, o profissional vai saber em que locais o tratamento deve ser efetuado e quais serão os produtos mais indicados e as formas de aplicação para controlar os insetos.

    Há várias maneiras de identificar se a sua casa está sofrendo um ataque de cupins. Esteja atenta aos indícios das atividades desse inseto!

    Conheça aqui as pistas deixadas por cada espécie

    Osso duro...
    Entre os insetos que podem estar atacando a sua casa, existem os cupins de madeira seca e os cupins subterrâneos. Em Juiz de Fora, de acordo com o químico responsável pela dedetizadora K-Barata, Wander Luiz Furiatti, os cupins de madeira seca são os mais comuns. "Os cupins subterrâneos aparecem mais em bairros como o Aeroporto e São Pedro", esclarece.

    De qualquer forma, as duas espécies são de difícil combate. "E não adianta aplicar querosene nos móveis, porque essa técnica não vai eliminar completamente a infestação. Os cupinicidas em forma de aerosol podem melhorar o problema, mas para a eliminação total da praga, é necessário um tratamento especializado".

    Furiatti explica que para o tratamento de um guarda-roupa de cinco portas, por exemplo, são gastas de cinco a oito horas para o profissional aplicar o produto para a imunização do móvel. "Além disso, o ideal é que o cômodo em que se encontra a peça seja isolado por no máximo 20 dias por causa do cheiro forte", acrescenta.

    Para o tratamento das colônias de cupins subterrâneos existem duas técnicas. A utilizada atualmente, segundo Antônio Carlos Fernandes, à base de injeção de produtos químicos, consiste em aplicar o inseticida ao redor do imóvel para a proteção do mesmo e buscar a fonte de infecção. O chefe da Seção de Controle e Vigilância de Populações Animais Urbanas revela que um novo tipo de tratamento já está sendo aplicado para o combate dos insetos.

    Inimigo dentro de casa
    "É um sistema de iscagem que utiliza iscas contendo produtos químicos. Colocadas em lugares estratégicos, essas iscas são levadas para dentro do cupinzeiro pelos próprios cupins destruindo-o lentamente". As iscas servem de alimento para a rainha que, dessa forma, é esterilizada. Assim, a estrutura social que depende de ovos férteis vai sendo aos poucos destruída.

    Vale lembrar que os cupins nem sempre são os responsáveis pela destruição de móveis e objetos. A broca - uma espécie de besouro que se alimenta de madeira, mas, ao contrário dos cupins, não vive em colônias - também pode ser a causa do problema.

    Em qualquer um dos casos, os especialistas alertam: não tente você mesmo combater essa praga, porque quem não entende do assunto é incapaz de fazer um diagnóstico correto. Por isso não corra o risco de usar cupinicidas ou inseticidas encontrados no mercado. Você pode, em vez de resolver o problema, apenas mascará-lo. Com o passar do tempo, os insetos se tornam resistentes ao produto o que vai dificultar ainda mais combater os cupins e brocas. Em toda e qualquer situação, o melhor a fazer é procurar as empresas especializadas.

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.