Mulher
Inversão de papéis
Homens assumem tarefas que antes eram realizadas somente pelas mulheres. E as mulheres, vice-versa, topam trabalhar fora
e deixar os filhos por conta do marido

Djenane Pimentel
30/11/04

A psicóloga Ana Stuart fala sobre a inversão de papéis entre pais e mães e o pai de família, Rogério Marioni, conta sua experiência

Ouça! Ouça!

Geraldo, Margarida, Lara e Tomás Sempre fomos levados a crer que Mãe é aquela que fica em casa, cuida dos filhos, alimenta-os e dá carinho. Já o Pai é aquele que trabalha fora todo o dia, mas à noite está lá, para brincar e, muitas vezes, até nos protejer dos tapinhas da mamãe. Mas, há algum tempo esses papéis têm se invertido.

Hoje, não é difícil ver pais que ficam em casa, cuidando dos filhos, enquanto a mãe trabalha fora. Alguns podem até estar desempregados, mas a maioria prefere mesmo é trabalhar por conta própria e assistir, de perto, o crescimento dos pimpolhos.

Este é o caso do trabalhador autônomo, Geraldo Corrêa Rodrigues (foto acima), que além de gostar de mexer com carros antigos também administra o Museu do Rádio, em Juiz de Fora.

Sua esposa, Margarida, trabalha o dia todo em uma escola pública. Como é concursada e possui dois cargos no mesmo emprego, diz que, apesar de sentir falta de ter um pouco mais de tempo para os filhos - Lara e Tomás - tem que pensar duas vezes antes de largar o emprego. "Já fiquei tentada a largar várias vezes, mas não posso me dar a esse luxo", afirma. "Talvez, se o Geraldo não tivesse essa disponibilidade de tempo, eu já tivesse largado", diz.

Para Margarida, deixar os filhos somente com babá ou empregada exige uma dose grande de cuidado e confiança. "Não é fácil. Cada pessoa recebe um tipo de educação e eu discordo de muitas coisas que as vejo fazer", conta. "Mas, com o Geraldo sempre em casa, fico mais tranquila".

Experiência gratificante
Geraldo e Lara Geraldo conta que ter filhos é uma tarefa difícil. Desde que nascem, tornam-se primeiro plano na vida dos pais e sua criação é um investimento diário para o futuro. Dessa forma, logo que chegam ao mundo, os pais tratam de prover o que há de melhor para as crias: cuidam da saúde, educação e ensinam valores para que um dia eles se tornem adultos responsáveis e conquistem sua independência.

Mais velho de cinco irmãos, Geraldo lembra que, como a mãe e o pai trabalhavam muito, ele é quem cuidava da casa e dos irmãos. "E nem por isso deixei de ser homem. Não é vergonha ser um pai presente, estar em casa com os filhos, cuidar deles. Acho que só aprendi e tenho mais a aprender, com toda essa experiência", declara.

Pai presente, até na cozinha
Rogério, Larissa e Matheus Antigamente, trocar fraldas e dar de mamar era visto como coisa de mulher, mas hoje, os homens já rasgaram a velha cartilha e não se contentam mais apenas com o papel de provedor, que a sociedade há tempos definiu. Rogério Marioni que o diga.

Rogério assumiu o comando da casa desde o ano passado, quando ele e sua esposa, Valéria, fecharam o bar, onde trabalhavam juntos. Ela começou a trabalhar fora e ele optou por ficar em casa, trabalhando por conta própria. Além de cuidar dos filhos, ele também está craque nos serviços domésticos: varre, lava, passa, cozinha e ainda diz que gosta!

"É tudo uma questão de necessidade, adaptação e escolha. Optamos por não colocar uma empregada e nós mesmos cuidarmos deles. Eu, que fui acostumado a ter tudo na mão, não sabia fazer nem um café, aprendi a viver de forma diferente", conta. Orgulhoso, o pai lembra ainda que os filhos - Larissa e Matheus - recorrem somente a ele, quando querem qualquer coisa dentro de casa.

Rogério, Valéria e Matheus "As mulheres lutaram para conseguir um lugar no mercado de trabalho, porém acabam pagando um alto preço, às vezes. Mas é uma opção delas, assim como essa inversão de papéis acaba sendo também uma conseqüência disso", destaca.

Rogério acha importante que o machismo seja abolido de vez. "Não faz sentido. A vida a dois implica em nos tornarmos um só, porque imagina se existirem facções dentro de casa? Só o que nos interessa é sermos espelhos para nossos filhos", finaliza.

Papo aberto
Ana Stuart A psicóloga e terapeuta familiar, Ana Stuart, considera que, para um relação onde existe inversão de papéis dar certo, é preciso muita conversa e acordos pré-definidos. "Não é impossível e, se este tipo de relação for bem trabalhada, ela pode se tornar muito bem sucedida, como no caso da família de Rogério", diz. Só que a psicológa alerta: ainda existe muito preconceito, e por parte das próprias mulheres. "Percebo que os homens não estão achando a situação ruim, mas as mulheres, sim, porque elas não estão acostumadas a ver o homem como uma figura passiva e dominada", ressalta.

Segundo ela, muitas mulheres ainda têm uma certa resistência. Podem até admitir a troca, por pura necessidade, mas, no fundo, vão achar que o homem encontra-se acomodado com a situação, o que pode fazer com que o casamento entre em crise, com a perda da admiração e até do tesão. "É lógico que não estou falando de todos. Mas, para quem não admite isso, a única saída é a conversa franca e aberta", finaliza.

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.