Cultura
Axé Criança
Grupo afro-brasileiro reúne canto, dança e interpretação em prol da consciência negra


No mês do folclore, o grupo Axé Criança se prepara para uma série de apresentações. Veja uma parte do documentário que conta a história do grupo

Ouça! Ouça!

*Colaboração:
Renata Silva
16/08/04

Axe Criança Um conjunto que canta, dança, intrepreta e leva ao público a emoção. O grupo afro-brasileiro, Axé Criança, é composto por 70 integrantes com faixa etária de quatro a 18 anos e tem como identidade a marca expressiva da cultura negra.

Toda a vibração do Axé teve origem a partir de um problema social: "as meninas negras do bairro Ipiranga, que sofriam com a repetência escolar", conta a presidente do grupo, Helena de Oliveira. No ano de 1997, membros da comunidade resolveram criar a Organização Não-Governamental, com o apoio do padre Guanair, vice-presidente da ONG.

Helena explica que o objetivo inicial do grupo é conscientizar essas crianças do valor da cultura negra, através de oficinas de artesanato e artes, além de reuniões e debates. O projeto foi se estruturando e alçou vôos mais altos e, hoje, conta com uma gama de voluntários que disponibilizam aos participantes aulas de teatro, dança, canto, música, além de reforço escolar, orientação psicológica e pedagógica.




Segundo a psicóloga, Eneida Lopes, atuante no grupo, toda essa assistência permite romper as dificuldades dessas crianças e construir uma identidade positiva nelas. Ela acredita ainda na formação de cidadãos conscientes.

Por dentro do Axé
O som do grupo é baseado em batuques, atabaques e percussão, típicos da música afro. As canções de Daniela Mercury são as preferidas das meninas, que ensaiam coreografias cada vez mais elaboradas. "Crença e fé", "Canto da Cidade", "Elegibô", "Madagascar Olodum" e "Eu Sou Negão" são algumas das canções interpretadas pelo grupo. Há espaço ainda, para um figurino exclusivo baseado em temas afro.



O Axé já se apresentou em eventos de representatividade social, como o Forum Social Regional e o Forum Municipal. Já esteve na Assembléia Legislativa de Minas Gerais e também em Brasília. Uma grande emoção da banda, foi se apresentar no Cine-Theatro Central, em Juiz de Fora. "O teatro é belíssimo e sempre sonhamos em fazer um show lá. Chorei do início ao fim", conta Helena, com lágrimas nos olhos.

Nem só de música vive o homem
Axe Criança Desde o início, a presidente da ONG garante que o projeto mexeu com toda a comunidade.

Entre as conquistas mais marcantes, ela destaca a retirada de algumas meninas de escolas especiais, para escolas normais. "Na verdade, elas tinham a auto-estima baixa. A partir do momento que colocamos na cabeça delas que eram pessoas iguais as outras, isso mudou", ressalta. Hoje, elas convivem normalmente com outras crianças e participam das apresentações do grupo.

Outro fato marcante, foi a mudança de conduta de alguns meninos, que segundo ela, eram "trombadinhas". "Eles iam à feira roubar. Porém vimos neles um ser humano e hoje, não praticam mais esses atos".

O Axé Crança participa ainda de eventos que envolvem a conscientização da cultura negra, como palestras, seminários e passeatas. Atualmente, as crianças estão se preparando para a Semana da Consciência Negra, que será comemorada em novembro.

Leia mais sobre outros grupos folclóricos de Juiz de Fora

  • Grupo de Dança Tarantolato
  • Grupo Folclórico Luís de Camões
  • Grupo Báladi
  • Grupo Amalé

    *Renata Silva é estudante do 7º período
    da Faculdade de Comunicação da UFJF

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.