• Assinantes
  • Zona Pink
    Sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015, atualizada às 10h05

    Transgêneros, travestis e transsexuais poderão usar nome social na UFJF

    Da UFJF

    O Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) aprovou, por unanimidade, o uso do nome social para estudantes e servidores da instituição. Para solicitar a mudança nos documentos institucionais, estudantes e servidores deverão fazer o requerimento através da Central de Atendimento. A decisão foi tomada na quarta-feira, dia 25, e será implementada a partir de resolução do reitor.

    Em documentos de identificação, como as carteirinhas, chamadas de frequência acadêmica, dentre outros, transsexuais, travestis e transgêneros passam a ser reconhecidos com seu nome social no lugar dos nomes civis. Os nomes sociais são usados quando uma pessoa não se identifica com sua identidade sexual ou de gênero.

    De acordo com a pró-reitora de Apoio Estudantil e Educação Inclusiva, Joana Machado, é uma decisão importante para o combate de violência simbólica, além de contribuir para o enfrentamento da evasão, um grande problema para esse grupo de alunas e alunos. A rotina acadêmica com um nome que remete a um gênero com o qual o estudante não se identifica pode motivar a desistência do curso.

    O coordenador de Diversidade Social da Diretoria de Ações Afirmativas, Renato Nunes, ressalta os constrangimentos vivenciados por esses discentes e servidores, que tendem a diminuir com o uso do nome social. "O gênero e a sexualidade precisam ser melhor discutidos. Quem estuda essas questões, e aqui na universidade temos alguns professores, sabe o quanto que é difícil". E destaca um exemplo simples: "o aluno ou a aluna trans vai ao RU com a sua carteirinha. Seu nome é um e sua aparência não condiz com o nome civil. Isso gera problemas".

    A iniciativa surgiu a partir do caso de um aluno trans que solicitou a mudança, mas foi impedido por falta de regulamentação interna. O Coletivo Duas Cabeças, que discute as diversidades sexuais e de gênero na universidade, iniciou um abaixo-assinado e a campanha "#UFJF pelo nome social". Com a adesão da comunidade acadêmica e 958 assinaturas, o grupo apresentou a demanda à Diretoria de Ações Afirmativas. A solicitação foi feita em dezembro, no fim do último semestre, e a decisão foi bastante comemorada pelo Coletivo nas redes sociais.

    A resolução irá respaldar a mudança de nome no âmbito interno da instituição. No caso de servidores, poderão ser alterados os cartões de acesso, ramais de telefone, e-mails, crachás e cadastro nos sistemas eletrônicos, dentre outros. Já para os estudantes, além da carteirinha, há a possibilidade de uso do nome social em diários de classe, cadastros, fichas, formulários, divulgação de notas, divulgação de resultados de processos seletivos internos (como o de bolsas), atas de dissertações e teses, chamadas orais nominais para verificação de frequência e participação nas atividades acadêmicas, e em solenidades como entrega de certificados, colação de grau, premiações e eventos similares.

    A ressalva é quanto aos processos seletivos de ingresso, concursos, diplomas, históricos escolares e outros certificados para uso externo, os quais continuarão sendo emitidos com nome civil. O parecer da Procuradoria destacou que o nome tem uma função pública e quem tem competência para legislar e regulamentar o uso nestes casos é a União.

    As situações que, por ventura, não estiverem previstas pela resolução serão analisadas pela Diretoria de Ações Afirmativas.

    Com informações da UFJF.

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.