Profissão: Historiador

O curso de história

A Universidade Federal de Juiz de Fora oferece 60 vagas para o curso de História, distribuídas em dois turnos - o diurno, que tem duração mínima de 4 anos ou 8 períodos e o noturno, a ser concluído em 5 anos ou 10 períodos. Atualmente, são oferecidos a Licenciatura e o Bacharelado, sendo este último opcional.

As aulas são ministradas no Instituto de Ciências Humanas e Letras (ICHL), situado no Campus Universitário e algumas disciplinas pedagógicas, na própria faculdade de Educação. Na Licenciatura, os graduandos em História fazem estágios em escolas conveniadas da rede pública.

Os professores

De acordo com o coordenador do curso de História da UFJF, Ignacio José Godinho Delgado, o Departamento tem se empenhado na política de qualificação profissional estipulada pelo Governo Federal. Como resultado desta corrida por títulos acadêmicos, segundo Ignacio Godinho, o curso de História tem elevado o seu número de doutores. Tanto os professores efetivos quanto os substitutos têm buscado graduar-se em Universidades de outros estados, como a UFF, USP, Unicamp e até mesmo em Hueva, na Espanha. Para Godinho, esta política de graduação, somada à diversidade de centros de pesquisa envolvidos, vem favorecendo um debate intelectual rico dentro da Faculdade de História da UFJF.

Pesquisa

Embora o Arquivo Histórico seja um órgão autônomo e não vinculado à Faculdade, a sua preservação favorece o contato direto dos alunos com a pesquisa destes documentos, além de subsidiar boa parte da produção historiográfica na UFJF. No próprio arquivo, funciona a Revista Eletrônica de História do Brasil que mantém uma lista de discussão sobre a ciência na Internet.

Foi criado, ainda, o Núcleo de História Regional, que publica a revista Locus, já em sua décima edição. Além desta linha de pesquisa, são desenvolvidos trabalhos no Laboratório de História Econômica, projetos na área da História da Arte, da Cultura e Política, tendo como destaque as pesquisas relativas ao período republicano no Brasil.

Os graduandos podem valer-se de bolsas de iniciação científica e treinamento profissional, junto ao Arquivo Histórico e o Centro Murilo Mendes e outros órgão independentes ou não do Departamento de História. Os docentes têm conseguido viabilizar projetos através de bolsas do CNPq e FAPEMIG.

Reforma Curricular

Como a maioria dos cursos da UFJF (e das demais instituições de ensino no País), a Faculdade de História vem realizando um processo de reforma curricular que se encontra em fase final. De acordo com o Coordenador do Curso, o professor Ignacio Godinho, o novo currículo mantém a formação básica nas áreas da História Econômico-Social, Cultural e Política e permite o diálogo multidisciplinar com as demais ciências sociais. Embora o número de disciplinas obrigatórias permaneça superior ao de opcionais ou eletivas, estas passarão a compor uma parcela expressiva do curso.

Outra opção para os vestibulandos de História

Apesar de não existir uma faculdade de História no Centro de Ensino Superior (CES - R. Halfeld, 1179; Centro), o vestibulando interessado em ser professor nesta área pode inscrever-se para as provas do curso de Estudos Sociais naquela instituição. Após o 4º período, depois de cursar um grupo de disciplinas básicas e obrigatórias, o graduando escolherá entre duas licenciaturas - História e Geografia.

De acordo com o coordenador da faculdade de Estudos Socias do CES, Carlos Magno, foi enviado ao Ministério de Educação e Cultura uma proposta de desmembramento das duas habilitações. Mas enquanto se espera a resposta, os interessados poderão contar com esta opção e mais, cursar a habilitação de Geografia sem prestar um novo vestibular.

A faculdade de Estudos Sociais pode ser concluída em um tempo mínimo de 7 semestres (3,5 anos) ou em 4 anos. A grade curricular é composta por 160 créditos - o equivalente a 2.800 horas/aula para cada habilitação.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.