• Assinantes
  • Autenticação
  • Tecnologia

    Com Softex Agrosoft, a expressão "celeiro do mundo" será coisa do passado

    Saiba o que é o Softex 2000 e como tem sido o desempenho do Núcleo da região de Juiz de Fora. Conheça os principais projetos e os planos para 99 do programa que é referência em agroinformática no país.

    25/01/99

    Os softwares GV Farm System, Pro Doctor e Dentalpro são as evidências do sucesso do Softex Agrosoft. O Núcleo Regional do Softex 2000, situado na Faculdade de Engenharia da Universidade Federal de Juiz de Fora (Campus Universitário), foi implantado em 1993. Desde então vem incentivando a área formada pelo triângulo JF, Lavras e Viçosa a desenvolver todo seu potencial no ramo da informática. O enfoque do Softex Agrosoft é o agronegócio, sem descartar, no entanto, o apoio a outros setores.

    A escolha pela agroinformática não foi por acaso, está relacionada ao perfil da região que conta com mais 380 especialistas no domínio do conhecimento agropecuário e agro-industrial. Como o objetivo é incentivar a produção de software para o agrobusiness no país, o Softex Agrosoft têm firmado convênios com universidades federais, prefeituras e fundações de Lavras e Viçosa e realizados várias feiras e encontros nacionais.

    Atualmente, o Softex Agrosoft oferece suporte técnico, mercadológico e financeiro a 30 empresas. Os recursos são oferecidos, anualmente, através das Chamadas Regionais. Os candidatos devem apresentar um Plano de Negócios e os projetos de software que demonstrarem potencial para o mercado global recebem o incentivo das instituições mantenedoras do Softex 2000. Como os critérios de seleção são variáveis e não há datas fixas para as chamadas, quem estiver interessado deve acessar o site da entidade (www.agorsoft.com.br). Com o objetivo de estimular novos empreendimentos em instituições de ensino técnico e superior de Ciência da Computação e áreas afins, o CNPq criou, dentro do Softex 2000, o Núcleo Gênesis - Geração de Novos Empreendimentos de Software e Serviços. São fornecidos recursos para treinamento, consultoria, bolsas e equipamentos.

    Seguindo essa linha de raciocínio, a proposta do Softex Agrosoft para 1999 é a implantação de três centros de formação empreendedorística em informática na região de atuação do Núcleo. O projeto, orçado em R$300 mil,será viabilizado pelo Governo de Minas, através da Fapemig, e do Grupo Cataguazes-Leopoldina.

    O novo modelo prevê três fases que visam reunir o interesse de estudantes motivados para o desafio; competência acadêmica existente nas instituições hospedeiras e a experiência empresarial existente no local. Em cada um dos estágios, o aluno é estimulado a interagir com o mundo real dos negócios, recorrendo a soluções por meio de parceiras de empresas de informática da região.

    Dos 20 candidatos que serão selecionados para participar da primeira etapa, apenas 6 serão classificados. (Para mais informações acesse o site da instituição - www.agrosoft.com.br. Na home page, você pode conferir também duas publicações do Núcleo: a versão online da revista Agrosoft e o Boletim Online semanal.


    Saiba o que é o Softex 2000

    O Programa Nacional de Software para Exportação (Softex 2000) foi criado pelo CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - em fevereiro de 93. Até o final de 1996, foi mantido com recursos do governo federal. No início de 97, a gestão foi confiada a uma entidade civil sem fins lucrativos, formada por 12 membros: Sociedade Brasileira para a Promoção da Exportação de Software (Softex).

    Naquele ano, foram inauguradas as linhas de financiamento de longo prazo da FINEP, CNPq, SEBRAE e BNDES. Dos 189 planos de negócios para exportação analisados pela Sociedade Softex, 40 receberam aprovação e aplicação de recursos. Cada uma delas recebeu em 1998 até R$ 650 mil, para pagar em 30 parcelas, com 12 meses de carência e o compromisso de iniciar a comercialização no mercado internacional no prazo de 1 ano.

    Transformar o país em um centro de excelência na produção e exportação de software é a meta da Sociedade Brasileira para a Promoção da Exportação de Software. A expectativa é que no prazo máximo de 24 anos o Brasil seja muito mais do que o "celeiro do mundo" e figure entre os cinco maiores produtores e exportadores mundiais de software.

    As metas específicas da Sociedade incluem capacitação de pessoal; alavancar o padrão internacional de qualidade e produtividade em software no Brasil; dispor de fundos para estimular negócios voltados a produção e exportação de software e reduzir os custos brasileiros para produção e exportação de software.

    Alguns desses planos já se tornaram realidade. O estabelecimento de novos paradigmas de desenvolvimento das exportações é uma delas. São exemplos da mudança de mentalidade das empresas a inserção competitiva no mercado global e a criação de pequenas e médias empresas ágeis com focos em nichos do mercado global. Antes da implantação do Programa, as exportações brasileiras não chegavam a US$ 100 mil, atualmente são comercializados mais de US$15 milhões por ano.

    Núcleos Regionais e Escritórios Internacionais

    A Sociedade Softex conta com 20 Núcleos Regionais Softex. Estes centros de apoio gerencial e mercadológico às empresas associadas, oferecem laboratório de desenvolvimento de software, biblioteca técnica, acesso à Internet, treinamento e consultoria.

    Obedecendo a regras gerais, cada núcleo segue sua vocação regional, disponibilidade de recursos e visão de suas lideranças. Enquanto uns implementaram incubadoras de empresas outros se aperfeiçoaram em seguimentos do mercado, como o Núcleo de Juiz de Fora que se aperfeiçoou no setor de agronegócio.

    Para promover a exportação dos softwares no exterior, a Sociedade conta com os Escritórios Internacionais Softex, localizados nos EUA, China, Argentina, Alemanha e Espanha. Dentre as funções do escritório estão pesquisas de mercado; assessoria jurídica; organização da participação em feiras e rodas de negócios internacionais; identificação de consultores, distribuidores, parceiros e investidores.


    GV Farm System

    O software de gerenciamento de propriedades rurais produzido pela Vale Verde Assessoria Agropecuária e Informática, sediada em Juiz de Fora. O projeto do engenheiro agrônomo Abel Leocádio Fernandes e do analista de sistema Luiz Antônio Belletti Rodrigues foi o único no setor de software agropecuário aprovado em 97 na chamada Nacional do Softex. Com o apoio do Softex Agrosoft foi possível a participação da Vale Verde em várias feiras internacionais, que resultou em excelentes negócios para a empresa.

    Pro Doctor e Dental Pro

    Softwares produzidos pela empresas parceiras Serta e Tecnoway com o apoio do Softex Agrosoft. São destinados, respectivamente, aos setores médico e odontológico. O primeiro já conta com 3, 5 mil usuários e outro com 900. Ambos serão traduzidos para o espanhol e esperam abarcar potencial de 180 mil médicos e 15 mil dentistas.

    Colaboração Emilene Campos,
    estudante do 8º período
    da Faculdade de Comunicação da UFJF

    .

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.