Terceira Idade "...a gente não quer só comer,
a gente quer comer, quer fazer amor..."

 

Repórter: Ana Maria Reis
23/10/2000

Certamente você já ouviu alguém dizer que a vida começa aos 40. Mas será que ela pára aos 60? Para os 2.800 inscritos no programa Pró-Idoso da Associação Municipal de Apoio Comunitário (Amac), a resposta a esta pergunta é negativa. Nos bailes, eles se revelam, namoram, trocam de namorado e os que têm a chance de encontrar pela segunda, terceira ou quarta vez sua alma gêmea nesta vida acabam se casando.

 

 


Com a palavra, os velhinhos:

Onice de Souza Cezário Franco, 76 anos
Geraldo Neves Costa, 76 anos

 

Eles enviuvaram e tomaram rumos diferentes. Ela ficou em casa, cuidando da família e esperando um novo amor. Ele foi tentar, entre um namorico e outro, esquecer a solidão. Foi em um dos bailes promovidos pelo Pró-Idoso que se conheceram. "Disse a uma amiga que gostaria de me casar novamente e ela me respondeu que me apresentaria a um viúvo supimpa." Dito e feito. Onice e Geraldo namoraram 1 ano e estão casados há 3.
"Foi o casamento dos meus sonhos, entrei na Igreja de longo cor-de-rosa, chapéu e a festa foi maravilhosa. Temos como recordação um álbum com 300 fotografias." Eles se derretem em elogios, acreditando terem nascido um para o outro. "Fomos muito felizes em nosso primeiro casamento. Mas a vida continua...", fala Geraldo que não tinha filhos até encontrar uma vida familiar com Onice e apoio nos seus 5 filhos.

Maria da Conceição Pereira, 73 anos

 

"Não sou de namoro", freia, literalmente, os velhinhos mais saidinhos do Pró-Idoso. A declaração é da viúva Maria da Conceição que, apesar do pudor, é uma das mais animadas. Se por um lado não quer saber de novos parceiros (ela se casou duas vezes e teve 5 filhos), não recusa um convite para dançar. "Alguém para me conquistar tem que ser muito do meu agrado. Não aconteceu ainda", argumenta a pé-de-valsa, que diz ser muito assediada. "Durante as paqueras, eles falam que sou muito bonita e simpática."

A vida não pode parar

Mas não é só de festa que vivem estes velhinhos, eles suam a camisa para se manterem em forma (fazem ginástica adaptada diariamente pela manhã) e encontram no trabalho voluntário uma forma prazerosa de se sentir útil.

"Todas as atividades têm como objetivo a elevação da auto-estima destes idosos, que durante uma vida inteira sofreram com a repressão e tornaram-se pessoas passivas. Freqüentando as reuniões, bailes e palestras, eles desenvolvem sua postura crítica. Esta ousadia pode estar contribuindo para que estes idosos se encontrem abertos a novos relacionamentos", relata a assistente social do Pró-Idoso, Magda Cristina Ferreira.

Sexo ainda após seis décadas de vida

E em um relacionamento de terceira idade, onde se encaixa o componente sexual? Viagra à parte, o desejo mantém-se vivo após seis, sete, oito décadas de vida, se isto, logicamente, for imprescindível à pessoa. "A sexualidade é um termômetro da forma de ser. Se alguém é aberto para o sexo, também será para outros aspectos da vida", atesta o sexólogo e psicoterapeuta Octávio Viscardi Filho.

Assim, a vida sexual de um casal na terceira idade pode ser plena e feliz se eles conseguirem encarar a velhice e o ato sexual com a mesma traqüilidade.

O que muda no organismo

Certas diferenças físicas influenciam a vida sexual a partir dos 50 anos. Vasos sangüíneos, nervos, musculatura vão sendo afetados. Perdem a elasticidade e a circulação do sangue no organismo não flui tão naturalmente.

Tudo isto vem afirmar que não é o desejo que acaba e, sim, a vontade de procurar o sexo. "Nos homens, o período refratário (espaço de tempo entre uma ereção e outra) tende a aumentar significativamente. Nas mulheres, a diminuição da elasticidade e o processo de ressecamento da vagina tornam a penetração incômoda", avalia o sexólogo Octávio Viscarde Filho.

Terapia sexual

Durante as últimas décadas, a ciência confirmou a suspeita fisiológica de que sexo faz bem. Uma boa resposta sexual favorece todas as outras áreas de atuação humana, como o trabalho, relacionamento familiar e com os amigos, além da criatividade. E isto continua vigorando entre os que têm mais de 50.

Se o idoso entrou na terceira idade, ciente das modificações orgânicas que ele sofrerá, ele tem pouco com o que se preocupar. Embora o fôlego não seja o mesmo, de acordo com o sexólogo Octávio Viscardi, o desejo depende mais da saúde mental, fantasia e alegria de viver, que da musculatura enrijecida.

Durante as sessões de terapia que buscam o prazer na terceira idade, os medicamentos costumam ser coadjuvantes. "O orgasmo está numa dimensão cerebral, por isto o mais importante é fazer com que o corpo desenvolva o seu potencial de toque e de ser tocado", comenta Viscardi.

No entanto, remédios como o Viagra para os homens e a reposição hormonal para as mulheres são estratégias bem vindas.

 

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.