Hosóscopo do dia

3 de outubro de 2022, segunda-feira

(23 de outubro a 21 de novembro) - Seu momento astral: procure valorizar os pequenos gestos e a atenção de pessoas próximas. Interesses materiais: bom aspecto trará elemento de ganhos e decisões acertadas no trabalho e nas iniciativas que demandem pensamento rápido e comportamento dinâmico. Vida Íntima: harmonia com íntimos.

Mês Astral: Escorpião sob a regência do Sol em Libra

Agora, o Sol passa a reger a sua última casa do zodíaco, aquela que nos diz de preparação para o renascimento. A décima segunda casa zodiacal é importantíssima para que amealhemos forças para enfrentar os desafios futuros. A tradição popular identifica este período com o chamado “inferno
zodiacal”, vez que nos tornamos mais frágeis e influenciáveis, mais emotivos e sujeitos a influências externas. Mas, isso mostra que o Sol rege um período em que nos confinamos para nos preparar para a explosão da força criadora do primeiro momento de nossas vidas. É um momento importante que faz com que enfrentemos os desafios do amanhã com maior determinação. Agora, há que se ter cuidado com os membros inferiores, especialmente, os pés.

Seu signo
Planetas Regentes: Plutão e Marte.
Elemento na natureza: água.
Anatomia: pernas.
Dia da semana favorável: terça-feira.
Personalidade: O cantor e apresentador de TV, Fábio Júnior que comanda programa na Rede Record e foi, por longo tempo, ator em novelas da Rede Globo, destacando-se como Roberto Matias em Roque Santeiro.
O nativo: Determinado e forte, dono de uma personalidade que o faz o maior realizador dentre todos os seres do Universo, o escorpiano é uma figura que se nota facilmente. Forte, empreendedor, firme ao ponto de se tornar quase uma rocha quando resolve o que fazer, o escorpiano, é um ser especial. Senhor da sexualidade ele faz do amor um sentimento profundo, não instintivo, mas sim com o símbolo do requinte no prazer. Mostra persistência criadora, curiosidade e violência racional. Apaixonado por tudo o que faz, o nativo busca o poder pela realização criativa. É resoluto, apaixonado e implacável. Tem determinação e é o mediúnico que muda.

Últimas notícias

Luciano Bivar consegue se reeleger à Câmara em Pernambuco

O deputado Luciano Bivar, presidente da União Brasil, foi reeleito por Pernambuco com 74,4 mil votos neste domingo (2). Depois de se ver envolvido em uma disputa com o presidente da República, Jair Bolsonaro (hoje no PL), pelo controle do PSL em 2019, ele comandou a fusão da sigla com o DEM.

Rosângela Moro devolve provocação de advogado após ser eleita

Após conquistar uma vaga na Câmara dos Deputados, a advogada Rosângela Moro (União Brasil), mulher do ex-juiz federal Sergio Moro (União Brasil), devolveu uma provocação feita pelo advogado criminalista Augusto de Arruda Botelho, que não conseguiu se eleger deputado federal pelo PSB. No dia 15 de setembro, Botelho afirmou, no Twitter, que havia convidado Rosângela para um debate sobre a Lava Jato em São Paulo.

Léo Índio, sobrinho de Bolsonaro, perde eleição para deputado distrital no DF

FOLHAPRESS - Sobrinho do presidente Jair Bolsonaro (PL) e primo dos irmãos Flávio (Republicanos) e Eduardo Bolsonaro (PL), Léo Índio (PL) não conseguiu um assento na Câmara Legislativa do Distrito Federal. O candidato, que saiu na urna com o sobrenome Bolsonaro e foi exonerado em setembro da assessoria da liderança do PL no Senado por não trabalhar desde março, recebeu um total de 1.

Lula recupera maioria das cidades que deixaram PT em 2018

Para garantir a vantagem no primeiro turno das eleições, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) contou com a retomada de 226 redutos eleitorais petistas que haviam debandado para outros partidos em 2018. Com 99,9% das urnas apuradas até a conclusão desta reportagem, Lula tinha 48,4% dos votos válidos neste domingo (2) e vai para o segundo turno contra Jair Bolsonaro, que tinha 43,2%.

Lula e Bolsonaro têm concentração histórica de votos no 1º turno

O ex-presidente Lula (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL) registraram uma acumulação histórica de votos no primeiro turno ao obterem juntos 91,63% dos votos válidos após apuração de 99,98% das urnas. A polarização supera a verificada em 2006, quando o petista e Geraldo Alckmin (PSB), à época adversários, obtiveram 90,25% dos votos válidos (48,61% e 41,64%).