Juiz de Fora - MG

Aeroporto Regional
Obras devem começar em agosto deste ano
Apesar de ainda haver muita especulação em torno da implantação do novo Aeroporto Regional, sua construção deve começar em agosto deste ano, quando está previsto o início das obras de terraplanagem, como informa o vice-presidente do Aeroclube de Juiz de Fora e um dos quatro membros da Comissão formada pelo Governo Estadual e Ministério da Aeronáutica, Walter José Lopes Loures (foto abaixo).

Flávia Machado
16/05/2001


Área em que deverá ser construído o aeroporto
O local escolhido fica na MG-353, entre os municípios de Rio Novo e Goianá, a mais ou menos 45 minutos do Centro de Juiz de Fora. Segundo Walter Loures, “foi o lugar mais próximo à cidade que encontramos, atendendo às disposições técnicas exigidas para sua construção.”

A área definida para a construção do aeroporto fica bem em cima da rodovia, que terá que ser desviada. Serão necessárias obras para o asfaltamento de novos trechos na MG-353 até Juiz de Fora, além de melhorar os antigos. Porém, mesmo com todas estas dificuldades de viabilização do aeroporto, que acabam encarecendo os custos, os técnicos da Comissão afirmam que não havia alternativa melhor, mesmo porque a região da Zona da Mata é predominantemente montanhosa.

Cerca de 35 pequenas e médias propriedades particulares serão desapropriadas, numa área de 315 ha, equivalente a, mais ou menos, 300 campos de futebol. A área fica a uma altitude de 400 metros.

Os motivos para a viabilização de um novo aeroporto são muitos, como explica Walter Loures. Sua construção tem como principal objetivo a retomada do desenvolvimento das cidades da Zona da Mata e região, já que sua capacidade será superior à do Aeroporto da Serrinha e está voltada também para aviões de grande porte e de carga. “O Aeroporto Regional está sendo construído visando atender a demanda e o desenvolvimento da região por, pelo menos, mais 20 anos”, enfatiza.

De acordo com Walter, a implantação do novo aeroporto é uma necessidade, já que não existe possibilidade de expansão do Aeroporto da Serrinha, por diversos fatores. Como ele esclarece, o espaço físico é limitado, em função da topografia da região, muito montanhosa. As condições climáticas também são desfavoráveis, devido à altitude, cerca de 1.000 metros, com alta nebulosidade, principalmente no inverno. O que faz com que o Aeroporto opere com uma certa deficiência, causando atraso e cancelamento dos vôos.

Em fevereiro de 2000, o Ministério da Aeronáutica entregou um parecer técnico ao Governo Estadual, posicionando-se favorável à construção do aeroporto no local escolhido pela Comissão.

Agora, o Plano Diretor Aeroportuário, que está sendo elaborado pelo Ministério da Aeronáutica, deve ser entregue até junho de 2001. Nele, estarão as diretrizes básicas para a implantação e desenvolvimento do novo aeroporto. No entanto, como explica Walter Loures, a Comissão, por parte do Governo Estadual, realizou estudos paralelos aos do Ministério, para acelerar todo o processo de construção. Por exemplo, estudos cadastrais, topográficos, geotécnicos, de licenciamento ambiental, elaboração do projeto básico de infra-estrutura, entre outros.

Logo que o Plano Diretor estiver concluído, começam as licitações para a escolha das empresas responsáveis por cada área de implementação do aeroporto. Algumas licitações que têm de ser feitas são para o licenciamento e o impacto ambiental provocados, para a elaboração do projeto básico de infra-estrutura, para o projeto executivo, para as construções, tais como terminal de cargas e de passageiros, além de outras.

A estimativa do custo total dos investimentos deve ficar em torno de R$ 50 milhões. A maior parte da verba será do Governo Estadual e o restante virá do Governo Federal, através do Ministério da Aeronáutica. As obras de terraplanagem estão previstas para começar em agosto e irem até novembro de 2001. A intenção do Governo é que a inauguração seja até abril de 2002.

A Comissão é formada por dois representantes do Governo Estadual e dois do Ministério da Aeronáutica. Walter José Lopes Loures é representante do Governo Estadual, juntamente com o diretor aeroviário da Secretaria de Transportes e Obras Públicas de Minas Gerais, Ricardo Brito.

O superintendente do Aeroporto da Serrinha, Maurício Campos de Oliveira, foi procurado pela redação do JFService para esclarecer possíveis benefícios e prejuízos que a implantação de um novo aeroporto poderia causar ao funcionamento do atual. No entanto, ele alegou não estar acompanhando o processo de viabilização do Aeroporto Regional e que não se sentia capaz de falar sobre o assunto. A única consideração feita, a este respeito, é de que ele acredita que o Aeroporto da Serrinha vai continuar operando, mesmo com a construção do regional.

Atualmente, o Aeroporto da Serrinha opera com cinco linhas comerciais diárias para São Paulo. Três delas feitas pela TAM, com capacidade para 50 passageiros por vôo, e duas pela Rio-Sul, com capacidade para 30.


Turismo e economia
A Câmara de Negócios de Turismo da Zona da Mata está organizando o I Fórum de Desenvolvimento Turístico e Econômico do Sítio Aeroportuário da Zona da Mata, que acontece dia 22 de junho, em Rio Novo. O evento tem a parceria da Fiemg, do Sebrae/MG e das Prefeituras de Rio Novo, Goianá, Coronel Pacheco e Piau, além da Agência de Desenvolvimento do Circuito do Queijo. O objetivo do evento é conscientizar as comunidades envolvidas sobre as oportunidades que o sítio aeroportuário vai gerar para o turismo regional. A abertura será às 9h, com a presença de diversas autoridades.


Arquivo
geral

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.