Segunda-feira, dia 10 de dezembro de 2007, atualizada às 18h15

Termina o sistema de parceria de agentes de trânsito e policiais militares que funcionava na fiscalização do tráfego


Thiago Werneck
Repórter

O Siat - Sistema Integrado de Atendimento ao Trânsito - durou seis meses e parou de funcionar nessa segunda-feira, dia 10 de dezembro. Agentes de trânsito da Gettran, que trabalhavam em conjunto com a Polícia Militar voltam a atuar de forma separada na fiscalização do trânsito na cidade.

O que motivou o fim do sistema foi um pedido dos agentes de trânsito por segurança no trabalho. O Secretário de Segurança Pública e Defesa Social de Juiz de Fora, Ciro Rodrigues de Oliveira Junior, explica a posição dos trabalhadores. "Eles não têm armas, nem coletes e não estão preparados para uma eventual situação que possa acontecer como, por exemplo, se um dos policiais tiver que cobrir uma ocorrência de emergência", conta.

Mesmo com o fim do Siat, 30 policiais militares mantém a atuação no trânsito podendo aplicar multas e registar boletins de ocorrência. Paralelo ao trabalho da polícia, os 43 agentes vão trabalhar sozinhos, exercendo as mesmas funções. "Na prática, continua o que era antes do Siat e o trabalho de fiscalização não vai ser prejudicado", garante Ciro.

O que muda agora é que os casos sem vítimas devem ser registrados no prédio da PM da Rua Barão de Santa Helena, 481 , no Granbery, ou atendidos apenas pelos agentes da Gettran no local do fato.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.