Notícias

Pol?cia Civil identifica suspeito de encomendar assassinato de camel?

Siga o Acessa.com no Google News
Sexta-feira, 20 de janeiro de 2012, atualizada às 11h50

Polícia Civil identifica suspeito de encomendar assassinato de camelô em Juiz de Fora

Da Redação
Suspeitos de assassinar camelô são presos

As investigações da Polícia Civil de Juiz de Fora apontam a participação de cinco suspeitos do homicídio do camelô morto no Centro na última terça-feira, 17 de janeiro. O mandante do crime seria um jovem de 21 anos, preso em Montes Claros, e o motivo do crime seria acerto de dívida do tráfico de drogas. O homem teria encomendado o homicídio a dois menores, um de 15 anos e outro de 14 anos, que contaram com a ajuda de um homem de 21 anos e outro que já foi identificado.

A delegada da 7ª Delegacia de Polícia Civil de Juiz de Fora, Mariana Veiga, aguarda o laudo de necropsia para confirmar a quantidade de disparos que vitimaram o camelô, assim como a gravação do crime realizada por câmeras de uma agência bancária. As imagens serão encaminhadas à perícia técnica e ajudarão na identificação dos atiradores e possível participação de outros envolvidos.

O suposto mandante está preso em Montes Claros devido a mandados de prisão decorrentes de homicídios praticados em Juiz de Fora e é apontado como um dos principais traficantes da região do bairro Santo Antônio. Um dos adultos que participaram do crime teria assumido o controle do tráfico após a prisão e também tem passagens pela polícia por tráfico de drogas e homicídio, assim como os adolescentes que vieram de Montes Claros para praticar o crime.

Os dois adolescentes e um homem de 21 anos foram presos logo após o homicídio e chegaram a atirar contra uma viatura da polícia. O homem teve a prisão em flagrante ratificada pelos crimes de homicídio, tentativa de homicídio e corrupção de menores e foi encaminhado ao Ceresp. Os adolescentes foram apreendidos e encaminhados para a Vara da Infância e encontram-se no Centro Sócio Educativo em Juiz de Fora. A participação de um terceiro adolescente, de 17 anos, não foi comprovada e ele foi liberado.

Sexta-feira, 20 de janeiro de 2012, atualizada às 11h50

Polícia Civil identifica suspeito de encomendar assassinato de camelô em Juiz de Fora

Da Redação
Suspeitos de assassinar camelô são presos

As investigações da Polícia Civil de Juiz de Fora apontam a participação de cinco suspeitos do homicídio do camelô morto no Centro na última terça-feira, 17 de janeiro. O mandante do crime seria um jovem de 21 anos, preso em Montes Claros, e o motivo do crime seria acerto de dívida do tráfico de drogas. O homem teria encomendado o homicídio a dois menores, um de 15 anos e outro de 14 anos, que contaram com a ajuda de um homem de 21 anos e outro que já foi identificado.

A delegada da 7ª Delegacia de Polícia Civil de Juiz de Fora, Mariana Veiga, aguarda o laudo de necropsia para confirmar a quantidade de disparos que vitimaram o camelô, assim como a gravação do crime realizada por câmeras de uma agência bancária. As imagens serão encaminhadas à perícia técnica e ajudarão na identificação dos atiradores e possível participação de outros envolvidos.

O suposto mandante está preso em Montes Claros devido a mandados de prisão decorrentes de homicídios praticados em Juiz de Fora e é apontado como um dos principais traficantes da região do bairro Santo Antônio. Um dos adultos que participaram do crime teria assumido o controle do tráfico após a prisão e também tem passagens pela polícia por tráfico de drogas e homicídio, assim como os adolescentes que vieram de Montes Claros para praticar o crime.

Os dois adolescentes e um homem de 21 anos foram presos logo após o homicídio e chegaram a atirar contra uma viatura da polícia. O homem teve a prisão em flagrante ratificada pelos crimes de homicídio, tentativa de homicídio e corrupção de menores e foi encaminhado ao Ceresp. Os adolescentes foram apreendidos e encaminhados para a Vara da Infância e encontram-se no Centro Sócio Educativo em Juiz de Fora. A participação de um terceiro adolescente, de 17 anos, não foi comprovada e ele foi liberado.

-
Sexta-feira, 20 de janeiro de 2012, atualizada às 11h50

Polícia Civil identifica suspeito de encomendar assassinato de camelô em Juiz de Fora

Da Redação
Suspeitos de assassinar camelô são presos

As investigações da Polícia Civil de Juiz de Fora apontam a participação de cinco suspeitos do homicídio do camelô morto no Centro na última terça-feira, 17 de janeiro. O mandante do crime seria um jovem de 21 anos, preso em Montes Claros, e o motivo do crime seria acerto de dívida do tráfico de drogas. O homem teria encomendado o homicídio a dois menores, um de 15 anos e outro de 14 anos, que contaram com a ajuda de um homem de 21 anos e outro que já foi identificado.

A delegada da 7ª Delegacia de Polícia Civil de Juiz de Fora, Mariana Veiga, aguarda o laudo de necropsia para confirmar a quantidade de disparos que vitimaram o camelô, assim como a gravação do crime realizada por câmeras de uma agência bancária. As imagens serão encaminhadas à perícia técnica e ajudarão na identificação dos atiradores e possível participação de outros envolvidos.

O suposto mandante está preso em Montes Claros devido a mandados de prisão decorrentes de homicídios praticados em Juiz de Fora e é apontado como um dos principais traficantes da região do bairro Santo Antônio. Um dos adultos que participaram do crime teria assumido o controle do tráfico após a prisão e também tem passagens pela polícia por tráfico de drogas e homicídio, assim como os adolescentes que vieram de Montes Claros para praticar o crime.

Os dois adolescentes e um homem de 21 anos foram presos logo após o homicídio e chegaram a atirar contra uma viatura da polícia. O homem teve a prisão em flagrante ratificada pelos crimes de homicídio, tentativa de homicídio e corrupção de menores e foi encaminhado ao Ceresp. Os adolescentes foram apreendidos e encaminhados para a Vara da Infância e encontram-se no Centro Sócio Educativo em Juiz de Fora. A participação de um terceiro adolescente, de 17 anos, não foi comprovada e ele foi liberado.

Sete máquinas de caça-n?queis são apreendidas no bairro JK - Juiz de Fora/MG
Notícias

Sete máquinas de caça-n?queis são apreendidas no bairro JK

Siga o Acessa.com no Google News
Quarta-feira, 27 de agosto de 2014, atualizada às 11h52

Sete máquinas de caça-níqueis são apreendidas no bairro JK

Eduardo Maia
Repórter
Caca Niqueis

A Polícia Civil apreendeu sete máquinas de caça-níqueis em uma casa localizada na rua Murilo de Andrade Abreu, bairro JK, Zona Norte de Juiz de Fora, no fim da tarde da última terça-feira, 26 de agosto.

Após receber uma denúncia anônima de que no local funcionava um ponto de fabricação das máquinas, os policiais chegaram até a residência, mas foram impedidos pelo morador de entrar na residência.

De acordo com a titular da 7ª Delegacia Distrital da Polícia Civil em Juiz de Fora, Ione Maria Moreira Dias Barbosa, foi emitido um mandado de busca e apreensão pela Justiça, solicitando a entrada na casa. "Tivemos acesso a vários instrumentos utilizados para a fabricação. São placas-mãe, peças congêneres, sete prompters que fazem parte das máquinas de caça-níqueis.  Infelizmente, levamos cerca de uma hora para conseguir o mandado judicial e há suspeita de que neste período tenha sido tirada a maioria do local", lamentou.

O proprietário do imóvel foi conduzido à Delegacia, onde prestou depoimento e foi liberado na manhã desta quarta-feira, 27 de agosto. Segundo a delegada, ele assinou um termo de compromisso e responderá judicialmente.

Quarta-feira, 27 de agosto de 2014, atualizada às 11h52

Sete máquinas de caça-níqueis são apreendidas no bairro JK

Eduardo Maia
Repórter
Caca Niqueis

A Polícia Civil apreendeu sete máquinas de caça-níqueis em uma casa localizada na rua Murilo de Andrade Abreu, bairro JK, Zona Norte de Juiz de Fora, no fim da tarde da última terça-feira, 26 de agosto.

Após receber uma denúncia anônima de que no local funcionava um ponto de fabricação das máquinas, os policiais chegaram até a residência, mas foram impedidos pelo morador de entrar na residência.

De acordo com a titular da 7ª Delegacia Distrital da Polícia Civil em Juiz de Fora, Ione Maria Moreira Dias Barbosa, foi emitido um mandado de busca e apreensão pela Justiça, solicitando a entrada na casa. "Tivemos acesso a vários instrumentos utilizados para a fabricação. São placas-mãe, peças congêneres, sete prompters que fazem parte das máquinas de caça-níqueis.  Infelizmente, levamos cerca de uma hora para conseguir o mandado judicial e há suspeita de que neste período tenha sido tirada a maioria do local", lamentou.

O proprietário do imóvel foi conduzido à Delegacia, onde prestou depoimento e foi liberado na manhã desta quarta-feira, 27 de agosto. Segundo a delegada, ele assinou um termo de compromisso e responderá judicialmente.

-
Quarta-feira, 27 de agosto de 2014, atualizada às 11h52

Sete máquinas de caça-níqueis são apreendidas no bairro JK

Eduardo Maia
Repórter
Caca Niqueis

A Polícia Civil apreendeu sete máquinas de caça-níqueis em uma casa localizada na rua Murilo de Andrade Abreu, bairro JK, Zona Norte de Juiz de Fora, no fim da tarde da última terça-feira, 26 de agosto.

Após receber uma denúncia anônima de que no local funcionava um ponto de fabricação das máquinas, os policiais chegaram até a residência, mas foram impedidos pelo morador de entrar na residência.

De acordo com a titular da 7ª Delegacia Distrital da Polícia Civil em Juiz de Fora, Ione Maria Moreira Dias Barbosa, foi emitido um mandado de busca e apreensão pela Justiça, solicitando a entrada na casa. "Tivemos acesso a vários instrumentos utilizados para a fabricação. São placas-mãe, peças congêneres, sete prompters que fazem parte das máquinas de caça-níqueis.  Infelizmente, levamos cerca de uma hora para conseguir o mandado judicial e há suspeita de que neste período tenha sido tirada a maioria do local", lamentou.

O proprietário do imóvel foi conduzido à Delegacia, onde prestou depoimento e foi liberado na manhã desta quarta-feira, 27 de agosto. Segundo a delegada, ele assinou um termo de compromisso e responderá judicialmente.