Quinta-feira, 1 de novembro de 2018, atualizada às 9h

Vereador Adriano Miranda aciona MPMG para questionar reajuste da passagem de ônibus 

Jorge Júnior
Editor

Nesta quarta-feira, 31 de outubro, o vereador Adriano Miranda (PHS) entrou com uma ação no Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) questionando o aumento da passagem em Juiz de Fora. A ação foi protocolada na 13ª Promotoria.

Em sua página no Facebook, ele afirmou que "como representante público, neste momento não posso me calar diante do anúncio do aumento abusivo da passagem de ônibus, um reajuste de 8% que representa o dobro da inflação", justificou.

Segundo Adriano, "os juiz-foranos estão realmente cansados de sofrer com a falta de linhas, atrasos, ônibus sujos, sem manutenção e um wi-fi que não funciona. Todas essas contrapartidas não estão sendo entregues à população como prometidas. É para defender os seus direitos, que entramos na Justiça hoje para pedir a imediata suspensão do aumento da tarifa de ônibus em nossa cidade".

Também nesta quarta-feira, a Prefeitura de Juiz de Fora publicou o decreto autorizando o reajuste da passagem para R$ 3,35 e de R$ 5,02, para o bilhete único, a partir de segunda-feira, 5. O texto ainda justificou: "a atualização do preço da passagem é o único meio capaz de assegurar a continuidade, boa qualidade dos serviços público prestados aos usuários e o equilíbrio econômico-financeiro do sistema".

A Settra informou, por meio de sua assessoria, "que possui uma supervisão de Fiscalização de Transporte que rotineiramente trabalha para garantir um bom desempenho do ônibus. Em 2018, até o início de outubro, foram quase 400 autuações aplicadas pelos os mais diversos motivos. Além disso, a fiscalização será intensificada nas próximas semanas. Em relação ao documento do vereador, a Prefeitura não teve acesso ao conteúdo e assim que for entregue oficialmente será analisado e as providências pertinentes serão tomadas".

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.