• Assinantes
  • Cultura

    Entrevista com a professora Adenilde Petrina

    Daniela Aragão Daniela Aragão 16/06/2018

    Daniela Aragão: Como se deu sua inserção na militância social?

    Adenilde Petrina: Comecei na década de setenta, quando mudamos para o bairro Santa Cândida. A minha participação na militância social foi por causa das necessidades. Tínhamos necessidade de ter esgoto, água, luz, calçamento, enfim, infraestrutura para a comunidade. A dona Aparecida organizou os movimentos da SPN, e eu comecei a participar com esse intuito de conseguir melhorias. Foi a necessidade que me levou a mim e muita gente para os movimentos. Depois que fomos conseguindo as coisas (isso levou bastante tempo), a militância passou a fazer parte da minha vida e não saí mais. Ajudamos na construção da escola, da igreja. Íamos também aos outros bairros participar de reuniões e mutirões. Naquela época, havia as comunidades eclesiais de base. Reuníamos, também, com outras comunidades para trocar experiências. Nessas lutas de comunidade eclesial de base me formei politicamente.

    Depois passei a fazer parte do movimento negro, da juventude católica, em plena época da ditadura militar e depois veio a catequese. Aqui no bairro batalhamos para conseguir o catecismo para as crianças, pois elas ficavam muito abandonadas. Não tinha muito que fazer, percebia-se que as crianças tinham tendência à tristeza, ao sem sentido. Então criamos a Catequese, com a Sueli do Linhares e outras pessoas que participavam de outros movimentos comunitários de base.  

    Daniela Aragão: Tudo no bairro Santa Cândida? Quando você chegou era um pasto, não é?

    Adenilde Petrina: Sim, no bairro Santa Cândida. Sim, era um pasto de ruas estreitas. Eles não se preocuparam em fazer uma coisa bacana prevendo o crescimento do bairro. Simplesmente, era um pasto, eles passaram trator e foram vendendo os lotes. Toda a infraestrutura foi conseguida a partir da luta dos moradores organizados. Um detalhe, quem puxava a luta eram as mulheres. Noventa por cento das pessoas que lideravam as lutas e que estavam sempre presentes no movimento eram mulheres da Santa Cândida, e isso foi muito bom. Depois, em 1995, o pessoal mais jovem, os meninos da escola Cândido Motta Filho criaram uma rádio escola.  Meu irmão ia lá para poder ajudar a tocar a rádio escola.

    Nas reuniões do grêmio estudantil eles sugeriram criar uma rádio comunitária, pois na época estava pipocando a criação de rádio comunitária. Eles conheceram a experiência de Queimados, que era uma rádio comunitária do Rio de Janeiro e a Rádio Favela. Eles toparam criar e saíram, então, pesquisando no bairro quem queria participar. Muitos toparam, muitos riram na cara dos meninos. Teve uma assembleia no Cândido Motta Filho, com muita gente, que aconteceu no dia 19 de junho. A partir daí, foi criada a Rádio Comunitária Mega FM. Eles conseguiram com o apoio da comunidade e da igreja da Glória. O padre Jayme, entre outras pessoas que estavam envolvidas, ajudou a comprar um transmissor e a rádio entrou em funcionamento no dia 19 de junho de 1997, em regime experimental. As crianças que cuidavam da rádio. Elas brincavam na rua, jogavam “queimada”, depois largavam a bola e iam trocar o disco. Depois que passou a fase de experimentação, eles realizaram uma reunião para decidir a programação e quem faria cada programa. Só com os moradores do bairro, mesmo.

    Daniela Aragão: Como organizaram a programação?

    Adenilde Petrina: Decidiram que a programação da rádio teria que ser plural, com várias linhas de pensamento e tendências musicais. Não faríamos apologia de nada, nem de religião, nem de política.  Todos teriam vez.

    Daniela Aragão: A rádio tinha bom sinal?

    Adenilde Petrina: Sim, pegava 70 por cento da cidade. Como aqui é morro. Curiosamente, tinham alguns pontos aqui pertinho que não pegavam. Em São Benedito não pegava, na Vila Alpina também, não. Por causa das montanhas que atrapalhavam o sinal. Foram escolhidos os programas, tinham mais de trinta e cinco. Quem cuidava era a molecada, os adultos só podiam ir à noite.

    Daniela Aragão: Você fez parte da elaboração dos programas?

    Adenilde: Não, foi a comissão. Meu irmão, o grêmio estudantil do Cândido Motta Filho, o Antônio Torres e a Aparecida. A princípio eu ia à rádio só para limpar. A maioria eram meninos e homens e não tinham essa noção. Eu ia quando acabavam as transmissões, meia noite. Depois comecei a atender ao telefone. Daí comecei a perceber o alcance da rádio na comunidade. Antes a gente marcava uma reunião, levando convite para o bairro inteiro e só apareciam entre vinte a trinta pessoas. Uma reunião marcada pela rádio “bombou”. Tinha quase cem pessoas. Então, comecei a participar da rádio e não saí mais, até ela ser fechada, em 2007, definitivamente. Era muito interessante porque a gente tinha um critério de levar informação, formação e conscientização. Um dos pilares da rádio é que ela teria que ser fonte para a fraternidade. Então, todo funcionamento da rádio era nessa direção. Por exemplo, tínhamos reuniões de dois em dois meses, para colocarmos para as pessoas novas que chegavam os objetivos da rádio.

    Conseguimos manter esses objetivos. Todas as pessoas que participavam da rádio eram muito jovem, menino de quatorze, dezesseis anos, aprenderam tanto sobre rádio e comunicação que até hoje sabem. Foram alfabetizados na comunicação. Eles sabem “direitinho” o que a mídia hegemônica faz, quem é ela e quais são seus interesses.

    Daniela Aragão: Isso foi auxiliando na formação de um pensamento crítico e consciente. Um pensamento não dominado.

    Adenilde Petrina: Exatamente. Tínhamos a colaboração da Claudia Lane, que com a ajuda das alunas dela, fazia um programa de mulher. Reuníamos a cada dois meses, no seminário, em um sítio em que estudávamos o dia inteiro. Tinha palestra o dia todo sobre rádio e os nossos objetivos. Saíamos com as arestas aparadas. Isso foi muito importante para as pessoas se formarem. Hoje, elas têm uma visão crítica sobre a comunicação no Brasil. Os próprios moradores ficavam mais informados.

    Daniela Aragão: Vocês escolhiam o repertório?

    Adenilde Petrina: No dia da reunião perguntávamos quem queria fazer o programa. Um dizia, eu quero fazer sertanejo e ele tinha que conhecer o material. Um dizia que queria fazer programa de música clássica porque gostava de Beethoven. Outro ia fazer rock and roll, outro heavy metal, extreme rock.

    Tinham todas as tendências do rock. Tinha blues, jazz, programa “voz d’África”. Percebemos que a visão que as pessoas tinham da África era muito rasa. Nós éramos negros e não conhecíamos a história do continente de nossos ancestrais. O programa “Voz d’África” foi criado com o auxílio de um estudante de Angola, depois quando voltou para o seu país, outros aqui da comunidade deram continuidade ao programa encabeçado por ele. Também tinha programa de saúde, de fitoterapia, com o senhor João Alberto, que era especialista em chás e doenças que podiam ser curadas com chá. Assim era a rádio, muito versátil e com uma programação muito rica. Isso foi muito bom para a população do bairro e até hoje muita gente sente falta. Foi muito importante, pois os moradores passaram a refinar o conhecimento sobre a música e sobre a formação. O DJ Nonô, que era um dos responsáveis pela rádio, falou que teríamos que falar sobre o que pensávamos e acreditávamos, pois se um dia a rádio fosse fechada nós não iríamos ficar com remorsos.

    Daniela Aragão: Vocês guardaram? Tem acervo disso, material em áudio? Você comentou comigo que a importância dessa rádio impulsionou várias pesquisas de mestrado e doutorado.

    Adenilde Petrina: Verdade. Teve muito Tcc, muitas dissertações de mestrado e tese de doutorado. Isso começou a ocorrer já durante a vigência da rádio. O primeiro doutorado foi da professora Claudia Lane. Ela acompanhou durante os dois anos os trabalhos da rádio, para poder fazer a tese dela. Depois vieram outras pessoas. Tenho aqui todas as teses. Foi muito rica e produtiva essa parceria. Uma pena quando a rádio acabou. Falamos tudo o que podíamos, nunca negligenciamos informação. Então, a rádio terminou, mas ficamos com sentimento de dever cumprido. Conseguimos levar informação, formação e ser ponte para a fraternidade. Muita coisa aconteceu nas comunidades a partir da chegada da rádio.

    Daniela Aragão: Poderia destacar uma?

    Adenilde Petrina: A organização do movimento hip hop. A cultura nasceu aqui dentro da rádio. A juventude tomou conta da rádio e os jovens começaram a gostar da cultura hip hop. Tinham vários programas de rap. O rap, por si só, é uma música que informa e conscientiza as pessoas. Juntando com as coisas que eles traziam da comunidade deles e o que liam sobre a cultura hip hop. Os programas de rap passaram a ser veículo de informação, conscientização e participação, pois a rádio ficava cheia nesses dias. Vinha gente de Nossa Senhora das Graças, Nossa Senhora Aparecida. Tudo gente novinha. Tinha o programa “Conexão do rap”, apresentado pela Thaís, que tinha treze anos. Ela e o Erê, que tinha uns dezessete anos. Eles comandavam o programa com a manipulação de todos os equipamentos. Aparecia muita gente para conversar, trocar ideia. Foi um período de muita riqueza.

    Daniela Aragão: E vocês se expandiram também para a abordagem de temáticas relacionadas a comportamento e sexualidade não é?

    Adenilde Petrina: Com certeza. Tinha também o movimento gay de Minas, o MGm. Eles faziam um programa chamado “Diversidade”. Isso foi bom para a comunidade que foi perdendo o preconceito. A Mc Xuxu quando veio para cá era Leandro, ainda não tinha assumido. O programa deles deu coragem dela se assumir. Uma das coisas que aconteceu de bom foi a redução da homofobia, os meninos antes tinham ódio de homossexual. A partir do programa os jovens da comunidade passaram a respeitar e entenderam que os homossexuais eram pessoas como eles. De repente, acabou aquele ranço. Até hoje isso é muito importante para o bairro e para o próprio coletivo “Vozes da rua”. A gente conserva aquela lição de que somos todos iguais e que temos que defender os mais frágeis. A maioria dos que faziam a rádio era negra. Nós defendíamos o fato do negro ser contra o racismo e contra a discriminação. Por isso, não discriminávamos os outros. Por isso, não discriminávamos os homossexuais. Se não queríamos ser discriminados, como podíamos descriminar os homossexuais? Essa era a ideia de que tínhamos que lutar por todas as pessoas perseguidas.

    Daniela Aragão: E você também é professora de história.

    Adenilde Petrina: Comecei trabalhando no Bairro Santo Antônio, em 84, depois fui para bairro Teixeiras e para o Cesu do Centro. Eu já tinha asumido mais responsabilidades na rádio e era mais perto para eu chegar em casa.

    Daniela Aragão: Pelo fato de ser professora de história certamente você pode levar todo esse conhecimento para eles.

    Adenilde Petrina: Com certeza. Difundia os conhecimentos. Falávamos sobre os personagens históricos negros, a formação do país. Tinha um programa chamado “voz do morro”. Os estudos de história contribuíram muito para a formação desse jornal da rádio, que era diferente. Falávamos sobre a situação da Palestina, por exemplo, contávamos desde a história de Abraão até chegar até a criação do estado palestino. Então fundamentávamos a história para que as pessoas entendessem o porquê das ocorrências atuais.

    Daniela Aragão: A rádio encerrou a sua programação em 2007. Vocês não sentem falta?

    Adenilde Petrina: Muita, mas com a situação que vivemos neste país...

    Daniela Aragão: Eu gostaria que você falasse sobre a tua atuação como mulher e negra, e se há distinção dentre os feminismos. Como você vê isso?

    Adenilde Petrina: No geral. O feminismo surgiu com as mulheres brancas dos Estados Unidos. Segundo a Angela Davis, elas juntaram as mulheres negras para fortalecer o movimento. Assim que elas conseguiram os objetivos deixaram as pautas, nunca tocaram nas pautas das mulheres negras. Como se as negras não existissem. Por exemplo, as mulheres brancas não queriam ficar só em casa, elas queriam ter acesso ao mercado de trabalho, então, era a luta delas para entrar no mercado de trabalho. A negra já trabalhava desde pequenininha, nas fazendas, nas casas dos senhores. Então, havia essas diferenças. As mulheres negras começaram a ver que as demandas delas eram bem diferentes das demandas das mulheres brancas. As mulheres brancas não estavam preocupadas com as demandas das mulheres negras.

    Daniela Aragão: Seria o “feminismo branco”?

    Adenilde Petrina: Com certeza. No feminismo branco ou acadêmico, as preocupações das mulheres são outras. Na periferia as mulheres negras são contra, obviamente, ao machismo, a discriminação, a violência contra a mulher. A mulher negra além de todas essas questões ainda tem que lutar contra o racismo.

    Daniela Aragão: Elas já têm esse impedimento primário da cor.

    Adenilde Petrina: Exatamente. Na periferia também há um diferencial grande. Por exemplo, se você for fazer uma ficha numa loja, dependendo do bairro de periferia que você mora eles não te aceitam. Por exemplo, eu fui numa reunião no bairro Monte Castelo e tinha uma mulher da Vila Esperança,  ela se quisesse comprar, por exemplo, um sofá, tinha que mentir. Ela tinha que pedir alguém para poder dar o seu endereço e telefone. Depois ela iria à casa da pessoa buscar a compra. Eles não vão à Vila Esperança, da mesma maneira as mulheres do “parque das águas”, que é um condomínio do “Minha casa Minha vida”, elas tem vergonha de falar que moram lá. No Santa Cândida é a mesma coisa. Em bairro de periferia as pessoas sofrem muita discriminação. A Maria Carolina de Jesus bem dizia, “a favela é o quarto de despejo da cidade”. A gente sente na pele isso.

    Daniela Aragão: São reivindicações que possivelmente não passam pelas mulheres brancas.

    Adenilde Petrina: Uma vez fui a um encontro de mulheres. Isso, há muito tempo. Não voltei mais, pois achei um absurdo. Agora as escritoras feministas negras estão dando um ponto de vista diferente a partir da própria experiência vivida. As africanas, as americanas, a exemplo da Audry Lord. Elas falam do silenciamento, pois a mulher negra pobre foi silenciada a vida inteira. O silêncio adoece. Eles falam da San Journe, que virou nome de um satélite que a Nasa mandou para fiscalizar os planetas . Então, ela, a DSil Jorne teve que provar que era mulher, por causa do rosto dela e do corpo. Nesse encontro da universidade uma professora falava, eu tenho que pensar, tenho que descobrir o que é ser mulher. Tenho que descobrir qual é o meu ser e minha função na sociedade, dizia que sua angústia era muito grande. Ela toda angustiada porque não tinha descoberto o que é ser mulher. Quando ela perguntou pra gente nós respondemos, como vamos perguntar como é ser mulher se não temos nem tempo pra isso. Primeiro, para ter tempo a essa reflexão é preciso que se tenha alguém que lave, passe, cozinhe e ajude a cuidar dos seus filhos para que lhe sobre tempo. A gente não tem isso.

    Daniela Aragão: a mulher da periferia vive a vida da patroa e tenta arrumar um tempo para a sua “pequena vida”...

    Adenilde Petrina: A mulher da periferia levanta, na sua casa, vai fazer almoço, mandar seus filhos para a escola. Depois, chega em casa às sete horas da noite, pois tem que servir o jantar e limpar a cozinha; tem que buscar os filhos que estão na rua; buscar o marido que está com o chifre cheio de cachaça no botequim; arrumar a casa a casa e deixar a comida pronta para os filhos, no dia seguinte. Então, não tem tempo para pensar. Por isso que nunca fazemos essa reflexão, só pensamos que temos que trabalhar para ajudar na vida, na sobrevivência das pessoas. E algumas famílias acham que é uma maravilha quando sobra comida da janta e nos dão para levar. Falam “hoje você vai ter jantar”.

    Daniela Aragão: Eu vi umas mulheres negras domésticas dando depoimento sobre isso. A patroa deu os restos que não lhe serviam e o resto era bacalhau. Agora uma questão vista sobre pontos distintos, o direito ou não ao aborto. Quantas meninas pobres não sabem o que estão carregando.

    Adenilde Petrina: isso é outra coisa. Elas não são informadas, a família não tem conhecimento. A mãe, às vezes, não tem tempo para informar. É muita demanda diferente. Às vezes, o filho para a menina da periferia é uma aquisição, pois ela não tem nada. Ela tem um filho, ela se sente orgulhosa. Elas nunca tiveram uma boneca, uma cama só delas, um quarto, mas tem um filho.

    Daniela Aragão: Eu nunca havia pensado sobre essa maternidade vista como uma única forma possível de “posse”.

    Adenilde Petrina: Sim. Com os meninos a mesma coisa. Eles não têm nada. O boy tem carro, bicicleta, danoninho, alguém pra fazer as coisas pra ele. “Eu não tenho nada, mas sou pai”. É muita diferença.

    Daniela Aragão: Na rádio vocês tinham esses esclarecimentos?

    Adenilde Petrina: Sim. Conversávamos sobre a conjuntura nacional. A situação do país na época que estavam ocorrendo várias transformações. Aí a gente via como podia contribuir. Então, a rádio foi uma faculdade. Aprendemos a sermos críticos.

    Daniela Aragão: Eu gostaria que você falasse um pouco sobre as discussões, sobre teóricos como Fanon. Como surgiu isso?

    Adenilde Petrina: Isso surgiu dentro de um grupo de cultura hip hop. Vinha muita gente da universidade pra cá e os meninos ficavam embasbacados porque sabiam tudo. Eram alunos da Facom que vinham conversar com os meninos, participar de grupo para estudar certos temas. Aí os meninos pensavam, “eles sabem tudo, vão ser engenheiros, médicos, jornalistas”. “E nós, o que a gente é?” Começaram a se perguntar muito sobre isso. Daí eu falei, vocês devem se descobrir por si mesmos. Quem que a gente é.

    Normalmente, o pessoal da academia chegava como o anjo trazendo a luz. O que nós não sabíamos e o que a gente achava que deveria aprender. Um encontrou um livro de escritos do Gramsci e nesse livro ele falava sobre o intelectual orgânico. Ele chegou dando um tapa no livro e dizendo “já sei, nós somos intelectuais orgânicos”. Nós então propusemos um estudo sobre o que era o intelectual orgânico pra gente não dar mancadas. Aprofundamos no estudo, na leitura e começamos a difundir a ideia. Daí os meninos começaram a se afirmar, “sou intelectual orgânico, agora tenho moeda pra trocar”. Começamos a entender que o intelectual orgânico aprende com a experiência de vida, com a vida que ele leva em determinado lugar e se torna capaz de refletir. A gente nem sonhava imaginar que seriamos capazes de pensar de refletir sobre nossa experiência e fazer teoria sobre ela. A gente a partir desse momento tinha moeda para trocar com os playboys.

    Daniela Aragão: Essa descoberta da identidade como “intelectual orgânico” é de uma beleza comovente.

    Adenilde Petrina: Uma emoção grande mesmo. A partir daí eles ficaram com a autoestima boa e começaram a se perceber de igual para igual. Valorizar a vivência deles. Agora o cara não vai chegar teorizando.

    Daniela Aragão: Quantos desses estudantes leem a teoria, mas não possuem a noção mínima do que seria a vivência daquilo que refletem.

    Adenilde Petrina: Daí, o interessante foi que movemos os alunos da universidade que conosco começaram a entender que apesar de lerem um montão de livros era importante a vivência na periferia.

    Nós não precisamos e temos condição real de falar. A história do Fanom foi porque o coletivo foi chamado para participar de uma mesa redonda sobre violência. A partir do momento em que a violência começou a crescer em Juiz de Fora. Fizeram uma mesa na OAB e o tema era violência. Sugeriram-me que eu não falasse em estatística, algo que os demais iriam abordar. Decidi então contar a história da violência e a partir daí comecei a ler “os condenados da terra” em que o Fanon conta a história do colonizador e do colonizado. A cidade negra, que é a periferia, onde a maioria das pessoas que moram são negras e a cidade branca que é o centro, tudo muito arrumadinho em que o lixo é diferente do nosso lixo aqui da periferia. Mostrando que, às vezes, a violência, as brigas de gangue você não sabe quem é o causador da situação. Você briga com quem está mais perto de você. O Fanon era um psicólogo e sabia bem.

    Daniela Aragão: O “Peles negras, máscaras brancas” também é maravilhoso. Essa tentativa de encobrir através do estereótipo da visão do branco sobre o negro.

    Adenilde Petrina: Com certeza. Então, foi assim que a gente começou. Temos uma ação que começou, em 2003, na rádio, que é o “Agosto Negro”. Fizemos visitas a várias escolas da periferia para falar sobre determinado assunto. O primeiro tema que nós discutimos foi a informação. O África Bombat  veio ao Brasil e falou que o quinto elemento na cultura hip hop era a informação. Normalmente, a gente aprendeu, que a cultura hip hop tem quatro elementos, o break, a dança, o grafite, as artes plásticas, o dj que é o cérebro da cultura e o happer que é o Mc, o mestre de cerimônia que apresenta a comunidade, as ideias. Aí, agregou mais um elemento que é a informação. É você conhecer sobre os elementos da cultura, sobre o país em que você vive, a cidade, o lugar que você está. Quando você conhece, tem informação, é como se você cimentasse um tijolo. Passamos nas escolas levando o quinto elemento, que era a informação. Depois nas palestras a gente realizava uma apresentação cultural em que os meninos dançavam e cantavam rap.

    Em 2014, fizemos sobre o genocídio da juventude negra. Gostaria de destacar, quando o pessoal do hip hop começou a discutir sobre o genocídio dos negros, ninguém do movimento negro deu importância, aqui, na cidade. Nós percorremos várias escolas falando nas periferias sobre o genocídio. No ano passado em novembro os movimentos negros descobriram o genocídio e fizeram um debate sobre o genocídio da juventude negra. Nós ficamos assim bem surpresos, eles estão descobrindo a roda (risos).

    Daniela Aragão: Fale sobre a visita do Eduardo Facção...

    Adenilde Petrina: Aconteceu em 2013, O Eduardo Facção central veio aqui a convite do coletivo para lançar um livro seu que se chama “a guerra não declarada na visão de um favelado”. Ele falou que nas periferias do Brasil inteiro havia uma guerra, um genocídio do jovem negro, que morria mais negro jovem no Brasil que na guerra da palestina, nas guerras do Oriente Médio. Ele começou a perceber e a teorizar sobre a questão das chacinas, do genocídio do negro nas periferias do Brasil. Ano passado estudamos a Audry Lord e o tema foi linguagem e opressão. Ela diz que a mulher negra é tão oprimida que ela se autocondena no silêncio. Você deve usar a linguagem, a ação para sair do silêncio. O silêncio mais triste é quando você morre e acabou tudo. É preciso colocar para fora o que você sente e o que você vê para você se libertar.

    Daniela Aragão: Agora então faço um link que tem tudo a ver com o que aconteceu com a morte da Marielle. O que você tem a dizer sendo mulher, militante, negra?

    Adenilde Petrina: Há muito tempo os líderes populares vem sendo assassinados. Uma coisa que a gente faz no coletivo, estudamos muito história. Se você hoje quiser saber o que está acontecendo no Brasil você tem que voltar ao Brasil colônia, pois as raízes estão lá. Esse ódio que a elite tem do preto, do pobre, que está se manifestando nos governos de oposição do PT, do Lula e tudo mais. Estudamos o Raimundo Faoro, o estado brasileiro é patrimonial, é patrimônio de alguém. Patrimônio da Casa Grande e tinha a senzala, onde ficavam os escravos. Vira e mexe os senhores da Casa Grande distribuíam algumas migalhas para o pessoal das senzalas, os escravos. Quando os escravos tentavam transformar essas migalhas em direitos vinha a repressão. O que aconteceu com a rádio, a rádio foi uma migalha que a elite deu, que o congresso deu. Quando tentamos transformar isso em direito veio a repressão, a Anatel , a polícia federal fechando um monte de rádio no Brasil e condenado as pessoas.

    Daniela Aragão: Também o crescimento da conscientização e do poder de fala do oprimido.

    Adenilde Petrina: A rádio deu voz ao excluído. Você quer ver um cara analfabeto fazendo programa de sertanejo, um menino de quatorze anos falar sobre clássico e sobre jazz. Aqui na favela a gente não imaginava que tivesse alguém com um refinamento tão grande que gostasse de jazz. Eu aprendi a gostar de jazz, eu era operadora do programa jazz Itagi e eu era operadora de voz. Aprendi a gostar de blues e de jazz ouvindo o Itagi fazer o programa. Então assim, tudo surgiu de lá. O medo que eles tinham do escravo avançar, principalmente, depois do que aconteceu no Haiti, os escravos conseguiram o fim da escravidão. O que estamos passando hoje é resultado do que nós já somos. O Brasil é um país colonial, ainda. O estado não é nosso, não é do povo. O estado é de uma elite e uma elite muito ignorante e muito burra. Uma elite que não sabe dividir, não sabe fazer democracia. Esse ódio surgiu porque o povo da periferia começou a melhorar de vida, comer melhor, frequentar aeroporto, comer bife de capa de filé.

    Começou a dar melhorias. Aí veio o medo da classe média branca. Aí, aprendemos lendo Karl Marx que a classe média é a pior, pois quer ser igual a elite e tem medo de nós, lá embaixo. A gente está chegando e eu falo mesmo que a classe média é uma classe esquizofrênica, ela tem medo dos que vem de baixo. Ela está entre o medo e o desejo. O desejo de ser igual a elite e nunca vai conseguir ser . Querem ver a gente sempre no fundão da fábrica. Tudo o que está acontecendo agora é a colônia falando, o Brasil colonial falando. A elite não saiu da casa grande, nós estamos saindo das senzalas, estamos indo para os quilombos, que é um espaço de liberdade. A favela é um quilombo.


    Fotos: Eliane Gomes

    Fotos: Eliane Gomes

    Daniela Aragão é Doutora em Literatura Brasileira pela Puc-Rio e cantora. Desenvolve pesquisas sobre cantores e compositores da música popular brasileira, com artigos publicados em jornais como Suplemento Minas de Belo Horizonte e AcheiUSA. Gravou, em 2005, o CD Daniela Aragão face A Sueli Costa face A Cacaso.

    Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.