• Assinantes
  • Autenticação
  • Cultura
    Sábado, 28 de janeiro de 2017, atualizada às 10h40

    Bloco Meu Concreto tá Armado completa 11 anos de folia pelas ruas do São Mateus

    Angeliza Lopes
    Repórter
    foto

    Sem inscrições, abadás e camarote. Quem quiser fazer parte do Meu Concreto tá Armado é só chegar. Afinal, como afirma o integrante Antonio Moreira, o bloco acontece na rua, por isso é um evento público. O nome não deixa enganar quem são seus principais integrantes! Há 11 anos, os estudantes das Faculdades de Engenharia e Arquitetura da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) fundaram a agremiação para que pudessem curtir um pouco do Carnaval em Juiz de Fora, antes de voltarem para suas cidades. Nos últimos anos a folia ganhou mais adeptos, até de outras cidades da região.

    Moreira explica que o bloco possui forte caráter cultural. Por isso, além da banda do Concreto, que é a 'Bateria Nota 3', o grupo sempre abre espaço para as manifestações culturais da cidade. “Temos uma proposta de Carnaval que vem se mantendo durante os anos, que é promover a interação com o município, desfilando pelo bairro São Mateus”. Neste ano o desfile será no dia 18 de fevereiro, com saída da Praça Jarbas de Lery Santos, sentido rua São Mateus, Padre Café e retorno para a praça. A organização ainda não definiu o horário.

    O nome criativo foi escolhido após votação. Integrantes sugeriram várias opções e 'Meu Concreto tá Armado' foi o vencedor da eleição. “Acho que esse era o mais publicável (rs)”, brinca Antonio. No primeiro ano o bloco desfilou pela antiga Avenida Independência, na altura da orla – espaço onde funcionavam vários bares, inclusive o saudoso Bar do Piriá – O Rei da Asa de Frango, que foi um dos primeiros 'botecos' de Juiz de Fora.

    O enredo deste ano do Concreto ainda não está definido, mas, segundo o integrante, a ideia é que seja um tema que proponha alguma reflexão sobre a situação atual que o país está vivendo. O único homenageado até hoje pelo bloco foi o Oscar Niemeyer no ano do seu falecimento.

    Independente e ousado, o grupo saí sem ensaios com sua Bateria Nota 3. “Todos os anos se esforçando para não subir nem um décimo da nota. Nem abaixar. Vendemos camisas e armamos o 'buteco' para levantar fundos para o bloco, mas o evento e o espaço são públicos”, reforça.

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.