Segunda-feira, 23 de novembro de 2020, atualizada às 10h

Festival de Música Colonial e Antiga terá concerto de flauta doce e cravo  

Da redação

O repertório italiano para flauta doce e cravo é destaque no concerto que Inês d’Avena e Claudio Ribeiro apresentam nesta segunda, 23 de novembro, no 31º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga. Gravada especialmente para a edição virtual do evento, a apresentação será exibida pelo canal do Centro Cultural Pró-Música no YouTube. O programa reúne obras de Martino Bitti, Francesco Durante e Alessandro Santini, compositores cujos trabalhos integram as pesquisas realizadas atualmente pela dupla brasileira na Itália.

O evento, realizado pela Pró-reitoria de Cultura e pelo Centro Cultural Pró-Música, da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), se estende até 30 de novembro, sempre via plataformas virtuais. As transmissões acontecem diariamente a partir das 19h, com palestra do professor de Música da UFJF, Rodolfo Valverde, destinada a fazer uma contextualização histórica dos programas dos concertos. Em seguida, às 20h, as apresentações são transmitidas.

Os músicos brasileiros estão em Veneza, em sua segunda residência artística, durante a qual se dedicam exclusivamente à pesquisa e à performance do repertório italiano para flauta doce e cravo e para cravo solo.

O programa inclui uma sonata de Martino Bitti (1655/6-1743), uma “toccata” de Francesco Durante (1684-1755) e outra sonata de Alessandro Santini, autor sobre o qual nada se sabe. A apresentação é aberta com a “Sonata V”, composta em 1711 por Bitti, que trabalhou como violinista para o grão duque Cosimo III e para o príncipe Ferdinando de Medici. Suas oito sonatas para flauta doce e baixo foram publicadas em Londres, em 1711 e 1712, pela famosa editora de John Walsh. “O estilo das sonatas é um tanto particular para um autor italiano do começo do século XVIII, ainda se utilizando de danças como Allemanda, Sarabanda e Giga, muito mais comuns nesse período na França”, ressalta Inês.

Já Durante foi um dos principais compositores do barroco napolitano, tendo sido professor de vários outros compositores do período, entre eles Pergolesi e Paisiello. A “toccata” em dó menor encontra-se em um manuscrito na British Library e, segundo a pesquisadora, representa bem o estilo napolitano da primeira metade do século XVIII.

Seis sonatas manuscritas de Santini – até onde se sabe são suas únicas composições – encontram-se na coleção da Fundação Querini Stampalia, em Veneza, em uma cópia limpa e bem escrita, num estilo já tendendo ao barroco tardio (estilo galante), típico do repertório de flauta dos anos 30 do século XVIII. O programa do concerto apresenta a “Sonata Sesta”, que, por ser a última da coleção, finaliza a obra com um conjunto de variações, prática comum nas coleções instrumentais do período.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.