• Assinantes
  • Autenticação
  • Direitos Humanos

    Instituto Médico Psico-Pedagógico - IMEPP Associação atende crianças e adolescentes com algum distúrbio de comportamento e pessoas com deficiência mental


    Guilherme Oliveira
    Colaboração
    12/04/2007

    Contribuir para o aprendizado de crianças e adolescentes, preparando-os para o mundo e levantar a bandeira da inclusão para as pessoas com algum tipo de deficiência. Assim, o Instituto Médico Psico-Pedagógico (IMEPP), realiza o seu papel em Juiz de Fora desde 1973, uma associação beneficente que trabalha com crianças e adolescentes com algum distúrbio de comportamento e pessoas com deficiência mental.

    A associação atende, atualmente, a 204 crianças e adolescentes da rede municipal de ensino que apresentam alguma dificuldade de aprendizado. No Instituto eles recebem tratamento terapêutico, denominado atendimento especializado, onde eles têm seções de psicoterapia, fonoaudiologia, psicopedagogia e psicomotricidade. Também são atendidas 50 pessoas com alguma deficiência que fazem parte do ensino especializado.

    A chegada de crianças ao Instituto se dá pelo encaminhamento da Secretaria Municipal de Educação e Conselho Tutelar, através da Supervisão de Atenção a Educação na Diversidade. "Se a escola perceber que uma criança está com algum problema, ela encaminha para a secretaria e nós recebemos. Fazemos daqui um centro de convivência, aqui eles se sentem especiais. A diferença não existe e eles nos fazem crescer muito", diz a diretora do Instituto, Ana Maria Vieira Pinto(foto abaixo).

    diretora do IMEPP Há nove anos como diretora, Ana soma experiências nesse meio. "Já estava envolvida com a questão da deficiência mental. Trabalhei 16 anos em uma penitenciária, vi muitos meninos serem presos e percebi que todos eles tinham dificuldade de aprendizado", conta.

    Um fator predominante para esse quadro, segundo Ana Maria, está na falta de "referências", "exemplos", para as crianças atualmente. "A criança não tem um modelo forte, um exemplo. Nem no meio familiar, nem na vizinhança. Aqui, muitas vezes, passamos a ser essa referência".

    Enumerar todos os problemas que afligem esses jovens não é tarefa fácil. Questões como a violência urbana e doméstica, problemas na família, desemprego e fome são alguns dos obstáculos a serem vencidos. "Primeiro temos que resolver a questão da educação, ter a criança na creche, uma ação social efetiva, escolas mais preparadas e toda a população estar voltada para a causa", diz a diretora.

    Nesse contexto de melhoria, a palavra inclusão ganha enorme dimensão. É como afirma a Coordenadora Pedagógica do Instituto, Eveline Moreira, responsável pela área do ensino especializado. "Temos como objetivo que as crianças e adolescentes possam trabalhar com autonomia para que eles não encontrem tantos obstáculos e se sintam mais seguros dentro da sociedade".

    No ensino especial, o aprendizado vai desde a alfabetização até posturas de etiqueta. Eveline reconhece que o processo é lento, porém gratificante. "O processo é lento, mas comemoramos todas as etapas. Desde eles conseguirem tomar banho sozinhos, alimentarem, irem ao banheiro e se alfabetizarem", conta.

    Atualmente o IMEPP conta com 30 funcionários e a coordenadora destaca a filosofia implantada pela associação. "Nossa filosofia é que educar é respeitar o conhecimento intuitivo do aluno. Ou seja, é ensinar coisas da vida diária. Trabalhamos adoçando as diferenças e derretendo preconceitos".

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.