SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Autoridades do México e do Peru questionaram a proposta de moeda comum lançada pelos presidentes do Brasil e da Argentina.

A ideia da criação da moeda não é substituir as divisas nacionais, como ocorreu no caso do euro, mas sim para transações comerciais entre os dois países ?e outras nações da América Latina que aderirem no futuro, segundo Lula.

Em conferência, o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador afirmou que seu governo "não concordaria por muitas razões".

O ministro da Economia e Finanças do Peru, Álex Contreras, qualificou a proposta de "irrealista"

O chefe do Executivo mexicano disse que desconhece os detalhes da iniciativa proposta após um encontro entre os presidentes do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e da Argentina, Alberto Fernández.

["Mas] Não estaríamos de acordo. Nós temos muitas razões para continuar mantendo o dólar como referência", disse o chefe de Estado em uma coletiva de imprensa.

Ao ser questionado sobre o assunto, o chefe econômico do governo peruano disse que seriam necessárias ter moedas "fortes e estáveis" para atuar com liderança no mercado internacional, conforme informou a Forbes em espanhol. Para, Contreras é preciso ordenar as contas fiscais e reduzir a inflação.

"São necessárias condições econômicas que não estão disponíveis atualmente", afirmou Contreras.

Ele pontuou ainda que, neste caso, o sol ?moeda peruana? é estável e está protegida por um banco central "independente".