• Assinantes
  • Autenticação
  • Educação
    Quarta-feira, 2 de outubro de 2013, atualizada às 17h00

    Mensalidades de escolas particulares podem aumentar 12% em 2014

    Laura Lewer
    *Colaboração
    aumento

    As mensalidades das escolas particulares de Minas Gerais podem ficar até 12% mais caras em 2014. O anúncio do reajuste, que deve variar entre 6% e 12%, foi feito nessa quarta-feira, 1º de outubro, pelo Sindicato das Escolas Particulares do Estado (Sinep/MG).

    De acordo com o presidente do Sinep/MG, Emiro Barbini, cada escola tem uma planilha extensa de custos, na qual 70% da receita corresponde a folhas de pagamento e encargos sociais. Inclusos na planilha, também estão a conservação, limpeza e os custos da parte pedagógica e espaço físico que oferece para seus alunos.

    Entenda o reajuste

    Todas as escolas são livres para fazer suas planilhas orçamentárias de acordo com as necessidades, o que faz com que o reajuste varie de instituição para instituição. "Não há uma Lei que estabeleça um limite para o reajuste. O que acontece é que, quando vivemos uma situação econômica como a que estamos passando, tudo é muito incerto. O próprio salário mínimo pesa muito no valor da planilha, pois é com ele que os funcionários serão mantidos. Essa incerteza faz com que as escolas tenham uma dificuldade muito grande em prever o que vai acontecer e definir seu reajuste", afirma o presidente. 

    Ainda segundo Barbiri, a planilha deve ser afixada com antecedência de, no mínimo, 45 dias do início das aulas. No caso de 2014, o limite é 18 de dezembro, já que as atividades começam no dia 3 de fevereiro, mas o prazo poderá causar ainda mais dificuldades para as escolas. "A base de aumento dos professores só é feita no dia 1º de abril de 2014, o que vai obrigar as instituições a estimarem os custos das planilhas nesse sentido, sem terem certeza dos valores. Uma estimativa errada pode comprometer economicamente tanto a escola, que pode ter prejuízos, quanto as pessoas, que podem pagar mais do que deveriam." Uma vez afixada, a planilha não pode ter seus valores alterados durante o ano, independente do que aconteça na economia do país.

    Quando se trata de Minas Gerais, Barbiri afirma que o reajuste previsto chega a ser menor que o de outras partes do país, como São Paulo, que deve ter aumento de até 14%. 

    O Portal ACESSA.com tentou contato com o Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino (Sinepe/Sudeste), mas não obteve retorno.

    *Laura Lewer é estudante do 6º período de Jornalismo do CES/JF

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Publicitário

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.