DOHA, QATAR (UOL-FOLHAPRESS) - Neymar vai ser capitão da seleção brasileira na Copa do Mundo do Qatar? O técnico do Brasil, Tite, diz que não. Mas isso não importa: com a braçadeira ou não, o camisa 10 é uma das presenças com maior liderança do elenco.

Quando o treinador mostrou sua sala na sede da CBF ao UOL e explicou como cada item de decoração se relacionava com seu trabalho, ele mergulhou nos conceitos de liderança.

"Não precisa de tarja para ser capitão. Essa lei não é representativa. Quando eu coloquei e fiquei algumas vezes modificando [o capitão da seleção], ela tem esse cunho. Ser respeitado e ter liderança, tem diversas formas de liderar. Uma, por exemplo, é saber se manifestar com a imprensa", diz Tite.

Ele conta que, quando começou a carreira, treinava em frente ao espelho as entrevistas que daria. O objetivo era fazer com que o que ele pensasse fosse transmitido da melhor maneira possível. Para Tite, no comando da seleção desde 2016, essa é uma das dificuldades de Neymar.

"Capacidade de comunicação é um dos atributos de liderança. Ele (Neymar) é um dos líderes. Ele tem uma naturalidade muito maior, mas tem uma dificuldade com vocês (jornalistas) de externar. Quando ele está no ambiente, com a molecada, ele é o primeiro a fazer assim (abraçar) com os jovens, talvez pela identificação. Não estou falando para fazer dele algo. Estou falando a verdade. No bastidor, ele tem um outro talento. É que se manifestar aqui, estar em frente da imprensa, é difícil, cara", defendeu.

Confira os trechos da entrevista:

PERGUNTA - Neymar vai voltar a ser capitão da seleção brasileira?

TITE - Liderança: não precisa de faixa para ser capitão, ela é mais representativa. Quando eu fiquei algumas vezes modificando [a tarja de capitão da seleção], é porque ela tem esse cunho, de ser respeitada e de dar liderança. Agora, existem diversas formas de liderar. Uma é saber se comunicar com a imprensa. Capacidade de comunicação é um atributo de liderança. Tem gente que tem muita dificuldade, que rala. Eu treinava no início na frente do espelho e treinava o que eu ia responder.

Lá no Caxias, lá no Veranópolis. Quando eu tinha de fazer um comentário, eu treinava e repetia. E olhava no espelho para ver se minha linguagem corporal estava condizente. E eu dizia: 'Pô cara, eu preciso melhorar'. Fiz curso de dicção, de oratória, e fiz leituras. Essas construções todas fazem parte desse conjunto.

Ele [Neymar] é um dos líderes. Tem uma naturalidade muito maior, mas tem dificuldade com vocês [da imprensa] de externar isso. Mas quando está no ambiente de seleção, ele é o primeiro a fazer assim com os jovens [faz o gesto de abraçar]. Talvez tenha essa identificação. Não estou falando para fazer dele algo. Estou falando a verdade. No bastidor, ele tem um outro talento. É que se manifestar, estar em frente da imprensa, é difícil, cara. É muito difícil. E às vezes a gente não consegue traduzir em palavras o que a gente pensa.

P. - Você está dizendo que Neymar é diferente do que é mostrado pela imprensa. Ele evoluiu?

Tite - Todas as manifestações anteriores que tu fizeste, nós nos manifestamos a respeito. Por que não vem uma pergunta agora sobre o momento de paz em que ele está? Por que não fomentar e incentivar esse ciclo em que ele está fazendo tudo correto? Então, que bom ele continuar nesse momento. Não estou dizendo que não devemos olhar o passado. Porque, sim, eu olho meu passado e todos aprendemos na vitória e na derrota. Eu não estou retirando todos esses fatores. Mas vamos incentivar o bom. Ele está jogando muito? Está. Eu me omiti de falar em algum momento dos problemas? Não. Teve uma entrevista coletiva em que tive 24 perguntas e eu fiquei 17 delas respondendo sobre o problema que estava acontecendo sem ter confirmado. E o problema não confirmado não partiu. Então, a gente precisa de cuidado. Esses recortes que cada um tem. Eu tenho, mas esse recorte é bom. Vamos fomentar o bom. Continue assim, continue se preparando antes, continue tendo desempenho em alto nível. Corrige aquela bicicleta para ela não dar no pau, que ela entre. Quando eu conto uma história, não é para gerar sensibilidade para quem está assistindo. Não é para comover ninguém, me fazer de super-homem ou para me idolatrarem. É para gerar conexão com alguém que está do outro lado e que também vai saber que aqui existe uma série de dificuldades, acertos e erros humanos, como todos têm. Em cima desse contexto todo, também de evolução dele e de maturidade. Aconteceu esses fatos todos passados? Foi dada a capitania, foi tirada a capitania e eu me manifestei no momento? Foi. Agora ele merece elogio. Agora ele merece reconhecimento.

P. - E quem mais merece reconhecimento? Como você avalia quem merece uma vaga na seleção?

Tite - Nosso trabalho é fazer uma avaliação completa. É injusto você fazer a avaliação de um atleta nos seus melhores momentos. Temos de fazer uma avaliação integral e depois associar seus melhores momentos. Depois, acompanhar a mídia e os comentários. Mas é preciso fazer na integridade. Quando viemos para cá, foi colocado que precisávamos acertar [a casa]. Mas eu digo: não vim acertar a casa. Eu vim saber qual ideia seria passada para nosso desenvolvimento. Para isso, é preciso ter uma comissão técnica em tempo integral.

Parei de usar a palavra merecimento porque é merecimento ao nosso entender, não no sentido categórico. Não sei se é pretensioso... Para que a gente possa ter informações para saber se ele merece na sua integridade. Para isso, precisa estar aqui o tempo inteiro, acompanhando o tempo inteiro. Precisa acompanhar, ter embates. Dentro daquela sala [de trabalho], não tem sacanagem, não tem corrupção, não tem troca de favor, não tem pressão de empresário. Ali tem um julgamento do atleta em sua performance. Tem análise da pessoa, do atleta, do ser humano. É essa que nós buscamos.

P. - Ser técnico da seleção é seu emprego dos sonhos?

Tite - O emprego dos meus sonhos era ser atleta profissional. E o destino redirecionou. Hoje, sim [ser técnico da seleção é o emprego dos sonhos]. Antes, não. Talvez a frustração de ter parado antes, de ser o ex-atleta, tenha me levado a canalizar para esse outro lado que eu não imaginava.

P. - Quando terminar o ciclo da seleção, qual o parâmetro para dizer: foi bom?

Tite - É lógico, é matemático: só um vence. Aí fica a pergunta: quer dizer que todos os outros não foram bons? Que não têm mérito? Só um veículo de comunicação, medido pelo seu ibope, mostra que ele é qualificado? Qual o desempenho? Qual o processo? Existem avaliações quantitativas, mas existem outras avaliações. E a maior delas é qualitativa. Do trabalho em um contexto todo. Aquilo que eu busco é um processo de quatro anos, porque uma seleção te permite ter quatro anos de trabalho. Um clube permite um ano. Gosto de parafrasear o [colunista de O Globo, Carlos Eduardo] Mansur: um trabalho de três meses ou um trabalho de meio ano não é nem bom nem ruim. Ele é incompleto. E eu fico sem referências. Inclusive próprias. Em uma relação de grupo, você pode até errar, mas se for um cara leal e falar pela frente, tu não vai me atingir. Tem de ter respeito. Respeito e confiança atrelados. Não precisa ter muito mais...