SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Cristiano Ronaldo fez um pedido na semana passada aos seus representantes e advogados: o craque português queria começar a Copa do Mundo de 2022 como jogador livre, segundo a reportagem apurou. Depois de alguns dias de polêmicas, impasses e muitas negociações, a rescisão de contrato enfim saiu nesta terça-feira (22).

Por meio de um comunicado oficial, os Red Devils avisaram que o rompimento contratual do camisa 7 foi feito por "mútuo acordo". O veterano jogador tinha ainda cerca de 15 milhões de euros (R$ 83 milhões) para receber pelo restante do vínculo (até junho de 2023). Inicialmente, os ingleses não queriam pagar nada e chegaram a ameaçar nos bastidores um despedimento por justa causa, além de um pedido de indenização.

Quando falou com os jornalistas na última segunda-feira, no CT do Al Shahaniya Club, onde a seleção portuguesa tem treinado no Qatar, Ronaldo já estava ciente da proximidade do acerto para ficar livre no mercado da bola. Até por isso, inclusive, também resolveu participar da coletiva.

Agora desempregado e, consequentemente, com a cabeça mais leve e limpa, o atacante de 37 anos acredita mais do que nunca que uma prestação de sucesso na Copa vai abrir novamente as portas na Europa. Entre junho e agosto, vale lembrar, o goleador acabou recusado publicamente por alguns clubes de peso, entre eles Bayern de Munique e Atlético de Madrid.

Com Cristiano Ronaldo como referência, principal esperança de gols e capitão da equipe, Portugal tem estreia agendada diante de Gana, quinta-feira (24), no Estádio 974, pelo Grupo H.