Reuters/Kai Pfaffenbach - Acompanhe jogo do Brasil contra Sérvia

LUSAIL, QATAR (FOLHAPRESS) - Quando a bola subiu ao ar aos 28 do segundo tempo, Richarlison já sabia o que fazer e começou a ajeitar o corpo. Décimos de segundo mais tarde, ele protagonizaria o mais belo gol já marcado pela seleção brasileira em uma estreia de Copa do Mundo.

O atacante acertou um voleio 11 minutos depois de ter aberto o placar em lance de oportunismo, ao aproveitar rebote na área. Por causa dele, o Brasil derrotou a Sérvia por 2 a 0 nesta quinta-feira (24), no estádio de Lusail, no Qatar.

 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Acessa.com (@acessa.com_)

A partir do momento em que o camisa 9 colocou o Brasil na frente no placar, uma partida complicada se transformou em um massacre. Serviu para contrariar o histórico recente.

A última vez que a seleção havia tido um primeiro jogo sossegado no torneio foi em 1994. O placar de 2 a 0 sobre a Rússia não mostrou o domínio absoluto que o time de Carlos Alberto Parreira teve naquela partida. Depois disso, sofreu contra a Escócia (2 a 1 em 1998), Turquia (2 a 1 com o pênalti inexistente em 2002), Croácia (1 a 0 em 2006), Coreia do Norte (2 a 1 em 2010), Croácia (3 a 1 em 2014 com pênalti que não houve) e Suíça (empate em 1 a 1 em 2018).

A vitória em Lusail evitou que o Brasil igualasse o recorde negativo de 1978, quando chegou a duas estreias consecutivas de Mundial sem vencer.

A seleção sul-americana criou todas as poucas jogadas de perigo no primeiro tempo. Mas foram tão escassas e nenhuma clara. A torcida verde e amarela, que começou empolgada, murchou a partir dos 30 minutos. Apesar das tentativas de atuar em velocidade pelas pontas, com Vinicius Junior e Raphinha, foi com passes rasteiros de Thiago Silva e Casemiro, pelo meio do sistema de marcação sérvio, que a equipe de Tite conseguiu entrar na área.

A dificuldade de criar aconteceu apesar de o treinador ter feito uma opção mais ofensiva. Lucas Paquetá foi o escolhido para o meio-campo em vez de Fred. O volante do Manchester United também sabe sair para o jogo e chegar ao ataque, mas o jogador do Newcastle (ambos da Inglaterra) tem mais características de ataque.

O plano dos europeus era conseguir, de alguma forma, fazer a bola chegar a Tadic, o meia mais habilidoso. Sua função seria fazer o cruzamento par Mitrovic, forte no jogo aéreo. Isso não aconteceu nenhuma vez na partida.

A Sérvia se defendeu com tamanha sofreguidão que seu treinador Dragan Stojkovic vibrou com punhos cerrados quando seus jogadores conseguiram atrapalhar a saída de bola brasileira.

A ironia é que o irascível Stojkovic, quando jogador, tenha sido um armador clássico, cerebral, um dos maiores nomes da antiga Iugoslávia.

As dúvidas que o Brasil mostrou no primeiro tempo desapareceram após o intervalo. A pressão imposta aos sérvios esbarrava ora no goleiro Vanja Milinkovic-Savic, ora na trave, como aconteceu em chute de Alex Sandro.

Apesar do domínio, havia tensão no ar. Raphinha não se encontrou em campo e acabou substituído. Neymar teve partida inconstante.

Richarlison chegou a preocupar a comissão técnica ao sofrer lesão em partida do Tottenham no mês passado. Ele disse nunca ter tido preocupações de que não iria para a Copa. Quando Neymar foi questionado pela postagem de uma foto em que usava shorts da seleção com seis estrelas, foi o camisa 9 quem saiu em sua defesa. Era uma referência a um possível hexa no Qatar.

Por causa de Richarlison a partida se tornou tão fácil que a partir dos 10 minutos finais o estádio começou a esvaziar. Ninguém via como possível uma reação da Sérvia. A estreia brasileira com vitória era um fato consumado.

Nem o artilheiro estava mais em campo, substituído por Gabriel Jesus.

*

BRASIL

Alisson; Danilo, Marquinhos, Thiago Silva e Alex Sandro; Casemiro e Lucas Paquetá (Fred); Rapinha (Gabriel Martinelli), Neymar (Antony) e Vinícius Júnior (Rodrygo); Richarlison (Gabriel Jesus). T.: Tite.

SÉRVIA

Vanja Milinkovic-Savic; Veljkovic, Milenkovic e Pavlovic; Zivkovic (Nemanja Radonjic), Gudelj (Ivan Ilic), Lukic (Darko Lazovic) e Mladenovic (Dusan Vlahovic); Sergej Milinkovic-Savic, Tadic e Mitrovic (Nemanja Maksimovic). T.: Dragan Stojkovi?.

Estádio: Lusail, em Al Daayen (Qatar)

Quando: Às 16h (de Brasília) desta quinta-feira (24)

Árbitro: Alireza Faghani (Irã)

Auxiliares: Mohammadreza Mansouri (Irã) e Mohammadreza Abolfazli (Irã)

VAR: Abdulla Al-Marri (Qatar)

Gols: Richarlison, aos 17' e aos 28' do 2º (Brasil)

Cartões amarelos: Strahinja Pavlovic, Nemanja Gudelj, Sasa Lukic (Sérvia)