ACESSA.com

Busca:     


Solene isolamento

Fausto Matto Grosso - Janeiro 2020
 



Esta semana o mundo olha para Davos. É a cidade mais alta da Europa, com 1560 metros de altitude e 11 mil habitantes. Nessa comuna suíça do Cantão Grisões, reúnem-se lideranças empresariais e políticas, pioneiros digitais e personalidades públicas, todas preocupadas com os problemas globais. São esperadas grandes decisões que podem afetar a vida de todos. Já se disse que o Fórum Econômico Mundial “é onde os bilionários dizem aos milionários o que a classe média sente” (Jamie Dimon, do banco JPMorgan).

Mas não é a apenas isso. Cerca de um terço dos participantes é da sociedade civil — grupos que fazem campanha sobre pobreza e desigualdade, meio ambiente e direitos humanos, além da academia e da mídia.

Tudo começou em 1971, quando o engenheiro e economista Klaus Schwab teve uma ideia não convencional. Era a “teoria das partes interessadas” segundo a qual uma empresa deve atender a todas as partes interessadas, não apenas seus acionistas, mas também seus funcionários, fornecedores e a comunidade da qual faz parte. A visão para esse “capitalismo de partes interessadas”, socialmente responsável, se tornou o princípio norteador do Fórum Econômico Mundial.

Entre os grandes temas do encontro de 2020, constam: futuros saudáveis, meios de salvar o planeta, tecnologia para o bem, sociedade e futuro do trabalho, e economias mais justas. Eis um rol de questões globais que nenhum país pode resolver sozinho e que demanda instâncias e acordos multilaterais.

Anualmente, de maneira simétrica a Davos, os movimentos sociais realizam, em Porto Alegre, o Fórum Social Mundial, que acontecerá neste mês de janeiro, também com pautas globais.

Todos os últimos presidentes brasileiros buscaram a vitrine de Davos: Fernando Henrique, Luiz Inácio, Dilma e Temer. Lula compareceu três vezes. Bolsonaro compareceu em 2019, acompanhado dos ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Paulo Guedes (Economia), Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) e um de seus filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Em 2020, a representação será terceirizada apenas para Paulo Guedes. O chanceler Araújo deixará de comparecer, para prestigiar a Conferência Hemisférica Antiterrorismo, em Bogotá, na Colômbia, travando a sua guerra fria particular. Mas pelo menos dois pré-candidatos presidenciais de oposição marcarão presença: Luciano Huck e João Dória.

Não sei quais razões tem o presidente Bolsonaro para não estar presente, mas provavelmente devem estar ligadas ao seu desgaste internacional em questões críticas, como meio ambiente, direitos humanos e cultura, bem como pela sua constrangedora subserviência ao presidente Trump. Seguramente, não é uma personalidade bem vista internacionalmente.

Na sua estreia mundial, no Fórum de 2019, sob grande curiosidade, Bolsonaro fez a abertura do evento. Em um pronunciamento tímido de menos de 10 minutos, quando tinha disponíveis 45 minutos, o presidente afirmou à elite econômica mundial que seu Governo não teria “viés ideológico” e, ainda, que o Brasil iria incentivar os negócios levando em conta o meio ambiente. Em um ano de governo, a verdade se impôs.

Revelou-se isolacionista, imitando Trump. Mostrou-se negacionista, não aceitando que as ações predatórias dos homens sejam responsáveis pela destruição do planeta. Dá constantes sinais de simpatia pelo autoritarismo. Enfrentou a inteligência da comunidade científica, menosprezando seus ensinamentos. Sintetizando, optou pela contramão da história e da civilização.

É possível, também, que queira evitar um incomodo e provável encontro com a “pirralha” Greta, o “incendiário” Leonardo diCaprio e o “idiota, cretino e mal casado” Macron, todos brilhando no palco iluminado.

---------

Engenheiro e professor aposentado da UFMS

---------

Roteiros para a tragédia brasileira
Quem está cuidando disso?



Fonte: Especial para Gramsci e o Brasil.

  •  
Av. Barão do Rio Branco, 2390/601 - Centro - 36.016-310 - Juiz de Fora - MG - Fone: (32)2101-2000 | (32)3691-7000 | (32) 3512-0000