Inverno é tempo de ter mais atenção com os bichinhos

Assim como os seres humanos, cães e gatos precisam ficar protegidos do frio para evitar gripes e dores nos ossos

Marinella Souza
Repórter
Atualizada em
11/07/2019

O inverno chegou e já passou da hora de se prestar atenção nos  animais de estimação. Assim como os seres humanos, cães e gatos precisam de cuidados especiais porque ficam mais expostos aos fatores causadores da gripe.

A veterinária Mara Lúcia Assis dos Santos explica que os cuidados são muito semelhantes àqueles que previnem essas doenças nos humanos. E, caso não sejam tomadas as devidas precauções, uma gripe simples pode evoluir para uma pneumonia. Além disso, o tratamento da gripe é complicado, à base de antibiótico e pode durar cerca de um mês.

"A gripe nos animais se propaga muito rápido, então aqueles animais que já têm mais facilidade de desencadear a doença normalmente merecem uma atenção extra. Principalmente se houver mais animais na casa, porque o vírus passa de um animal para o outro com muita facilidade", comenta.

E não é só a gripe que agride os bichos durante os dias mais frios do ano. "Alguns animais tendem a ter problemas nos ossos e no inverno essas dores se agravam". Como os animais não podem reclamar da dor, é importante observar o comportamento deles e levá-los ao veterinário assim que algum tipo de alteração for observado.

Focinho quente, sinal de alerta

Se perceber que o cachorro está com o focinho quente e seco, fique atento: ele provavelmente está com febre. A febre pode ser causada por diversos motivos, mas durante o inverno é comum alguns cães apresentarem esse sinal por terem contraído gripe canina, que pode ser prevenida com vacinação.

Os sintomas mais comuns, além da febre, são espirros, tosse persistente e, até mesmo, coriza. Por isso, é importante ter cuidados com o cachorro no inverno. Além de levar o cãozinho ao veterinário para um diagnóstico exato, você deve isolá-lo dos demais cães para evitar um possível contágio. Confira abaixo os principais cuidados:

Os cuidados

Para evitar que o cãozinho ou o gatinho sofra nesse inverno, alguns hábitos devem ser modificados. O mais importante deles é o banho. "Tem muita gente que dá banho toda semana. No inverno esse intervalo deve ser maior. A cada 15 dias é o ideal", orienta.

AléFoto de gatinha amamentando filhotesm disso, o banho deve ser dado em um local fechado, tomando cuidado para tampar os ouvidos do animal, para não entrar água. Outra dica é não deixar o animal secar ao vento. O uso do secador é fundamental para garantir o bem-estar dos animais e mantê-los longe da gripe. Também não é aconselhável tosar o animal. Isso só deve ser feito no verão, quando o excesso de pelo faz aumentar o calor. Nos dias frios, só mesmo a tosa higiênica deve ser mantida.

Uma dica muito bacana é a vacina contra a gripe. "Existem dois tipos: a bronco e a pneumodog, que são muito eficazes para os cães. Os gatos têm um tipo especial de gripe e o combate a ela também é feito através de uma vacina própria".

Se o seu amiguinho pertence a uma raça de pelagem curta, como o fox paulistinha, o basset e o buldogue francês, por exemplo, é aconselhável o uso de roupinhas de algodão ou de lã (se ele não for alérgico). Os de pelagem mais comprida, como o yorkshire, o poodle e o lhasa apso não têm essa necessidade, mas a veterinária alerta que isso depende do temperamento do animal.

"Alguns animais de pelo curto têm alergia ou ficam irritados quando colocam roupa, então, vesti-los pode ser pior. Ao mesmo tempo, alguns animais de pelo comprido sofrem mais com o frio e até gostam das roupinhas, mesmo que, originalmente, não precisem dela, já que o próprio pelo serve como proteção contra o frio". Mara acrescenta ainda que os gatos dificilmente se adaptam às roupinhas, justamente por conta da quantidade de pelo.

Foto de casinha azulOutra coisa a ser feita é aquecer bem o local onde o animal vai dormir. Se ele dorme dentro de casa, acrescentar mantas ou cobertores na cama é muito bom. No caso dos animais maiores, que dormem do lado de fora da casa, devem ser abrigados em casinhas ou caixas bem aquecidas, porque o sereno noturno faz muito mal à saúde deles.

Também por conta do sereno, os passeios noturnos devem ser evitados. "O ideal é aproveitar o sol da manhã, até as 10h e, quando houver, depois das 16h. Ou seja, os mesmos cuidados que temos com a gente", ensina Mara.

Em relação à alimentação e à ingestão de água, Mara diz que não sofre muita alteração. "Alguns comem um pouco mais por causa do frio, mas não requer um cuidado extra quanto a isso."

Os textos são revisados por Madalena Fernandes

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.