Massagem terapêutica reduz ansiedade e relaxa crianças As crianças também precisam de descanso e merecem uma boa massagem


Marinella Souza
*Colaboração
26/08/2008

Escola, aula de inglês, natação, balé, computação, futebol... ufa! É tanta coisa que a criança moderna tem que fazer que o estresse já chegou até a elas. E para reduzir os efeitos desse mal nos pequenos, uma boa dica é a massagem.

Segundo a terapeuta corporal e esteticista Luíza de França, é uma técnica simples, que usa o deslizamento por todas as partes do corpo, dando mais atenção às regiões que estão mais tensas ou com algum problema, tem um efeito terapêutico e reduz a ansiedade das crianças, trazendo mais concentração.

"As provas, as festas, brinquedos estragados e mesmo os presentes prometidos geram ansiedade em crianças de zero a sete anos, assim como o excesso de atividades que eles têm hoje em dia. O estresse dessas crianças é igual ao do adulto e elas mesmas pedem para relaxar", diz.

Luíza desenvolve o trabalho de massagem corporal em crianças há três anos e garante que além de relaxar, a massagem auxilia também nos problemas de gases, cólicas e insônia, melhorando a qualidade de vida do pequeno.

A massagem começa com uma conversa com a criança, "mesmo com as bem pequenininhas", ressalta a terapeuta. É nessa conversa que ela descobre qual é a necessidade da criança e onde ela precisa relaxar. "É uma tarefa de observação porque perguntando você até consegue tirar alguma informação, mas é o semblante dela que revela o que ela gosta ou não".

Sem contra indicações

Todas as crianças podem fazer, menos as que têm intolerância ao toque ou que estejam com febre ou indispostas. O deslizamento é feito com delicadeza e usando produtos específicos para a pele infantil, que é mais sensível. "São usados produtos especiais, o menos agressivo possível. Normalmente, usamos produtos neutros para evitar prejuízos na pele".

Foto de um quarto azul com uma cama de solteiro com almofadas, três quadros na parede, briquendos e um berço com um bebê de quatro meses Segundo Luíza, crianças com intolerância a esses produtos também podem se beneficiar da massagem terapêutica desde que se dê especial atenção à delicadeza do toque. "Nesses casos é preciso ter muito cuidado para não provocar vermelhidão na pele. Pode ser feito de roupa também, se preferir".

Além do toque, Luíza usa também as cores para ajudar no processo de relaxamento. Ambientes que permitem o uso de cores, como o verde e o azul, que transmitem mais tranqüilidade para a criança. Quando isso não é possível, a terapeuta corporal mentaliza essas cores e a criança fica ali quitetinha. A especialista revela que algumas, mesmo as menores, até dormem ao final da sessão.

Participação dos pais

Luíza ensina que os pais ou cuidadores podem e devem fazer esse tipo de massagem, lembrando sempre de cuidar para que os toques sejam leves, suaves e considerando o detalhe que faz cada criança relaxar.

"Os pais podem acompanhar as crianças nas sessões e também podem, eles próprios, fazer a massagem nos seus filhos. É uma forma de contato especial em que a criança se sente protegida e traz intimidade com quem cuida dela e com o próprio corpo".

Segundo ela, a diferença entre a massagem feita por um profissional e aquela feita pelo pai ou cuidador é o tipo de relação entre as partes envolvidas. Luíza conta que a massagem serve quase como uma terapia mental e, feita por um profissional, a liberdade de expressão pode ser maior, dependendo do tipo de relacionamento que existe entre pais e filhos ou entre cuidadores e crianças.

Benefícios futuros

Para Luíza, o maior benefício da massagem é mesmo a redução da ansiedade. "A criança passa ater um sono tranqüilo, porque atualmente a criança recebe muita informação, é muita mídia, muitas tarefas, brinquedos muito barulhentos, tudo isso gera um estresse".

Além disso, a massagem infantil é também uma forma de prevenção de doenças que antes eram associadas apenas aos adultos, como as lesões por esforço repetitivo, visto que os jogos de computador exigem a repetição de movimentos, provocando dores.

Bebê dormindo no berço A terapeuta acrescenta ainda que, no futuro, uma criança que já está acostumada a uma massagem, vai ter uma alternativa a mais para se livrar do estresse, que é inevitável porque não vai temer o toque da massagem, o que acontece com muitos adultos.

A consciência corporal também é apontada por Luíza como um ganho para a pessoa que foi massageada na infância. "Nós estamos vivendo mais e temos que nos cuidar mais. A pele tem que estar sempre hidratada e os produtos utilizados na massagem criam esse hábito desde cedo. A massagem ajuda a pessoa a observar mais o desenvolvimento do próprio corpo e a lidar melhor com a longevidade", comenta.

*Marinella Souza é estudante de Comunicação Social da UFJF


Dê sua opinião sobre esta matéria.
Envie um e-mail para redacao@acessa.com

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.

Arquivo

Ver mais...