Ácido hialurônico deixa mulheres mais jovens O pescoço é a primeira parte do corpo a denunciar a idade e o ácido hialurônico surge como uma excelente forma de atenuar os sinais do tempo

Marinella Souza
*Colaboração
27/11/2008

Não tem jeito o tempo passa e a pele sente mesmo. Marcas de expressão e rugas são sempre combatidas com cremes e os mais diversos tratamentos para o rosto. Mas o que a maioria das mulheres esquece é que o pescoço é a parte do corpo que mais entrega os anos de experiência.

A contadora e professora Vânia Campos Mazetti sabe bem disso. Olhando fotos de família percebeu o quanto estava envelhecida ao reparar as marcas em seu pescoço. "A idade chega e a gente tem que cuidar mesmo", diz.

A médica especialista em medicina estética Adriana Ritti explica que com o avançar da idade e a ação da gravidade, a espessura da derme dessa diminui provocando rugas, manchas, flacidez, acúmulo de gordura embaixo do queixo e ressecamento já que o pescoço apresenta poucas glândulas sebáceas.

A sorte é que a medicina evoluiu bastante e hoje já existem muitos tratamentos à disposição para que as mulheres possam manter rosto, pescoço, colo e mãos sempre bonitos, saudáveis e - o melhor- jovens. "Antigamente não tinha muito tratamento, mas agora são muitas opções e o resultado é ótimo", comemora Vânia.

Além do tratamento domiciliar com cremes hidratantes e tensores à base de demae, vitaminas A, E e C, uréia, nicotinamida e muitas outras substâncias que estimulam a produção de colágeno, algumas técnicas surgem como uma salvação para as indesejáveis rugas e marcas de expressão no pescoço.

A ação do ácido hialurônico

Foto de Adriana Ritti O ácido hialurônico é a bola da vez nesse quesito. Trata-se de uma substância que já está presente em nosso organismo, mas que com o passar do tempo sofre uma queda considerável na produção.

Essa substância é responsável por conferir a beleza, o viço e o turgor da pele humana. "É um esqueleto que serve para segurar as fibras elásticas e colágenas, dando sustentação à pele", explica a médica.

Adriana comenta que 56% do ácido hialurônico do nosso corpo concentra-se na pele. O restante está nos tendões, ligamentos e músculos. Por isso, a queda na produção se faz sentir nitidamente na pele, em especial no pescoço.

Para aplicar a substância é utilizada uma seringa muito fina, não provoca alergias e a única contra-indicação é a gravidez. "O ácido hialurônico natural absorve a água do organismo. Ao aplicá-lo, a água é carreada para aquele local, a pele recebe uma hidratação profunda, recupera o viço, o turgor, a elasticidade e a maciez. Além disso, reduz as linhas finas e pequenas rugas", ensina.

Em uma semana já se pode perceber a diferença e o efeito dura, em média, um ano. No entanto, Adriana recomenda duas a três aplicações no ano, com intervalo mínimo de 30 dias entre elas. "Isso garante um resultado melhor", diz. Todas as mulheres, a partir de 25 anos, podem fazer o tratamento, desde que já apareça algum sinal de pele desvitalizada ou ressecada.

Vânia está prestes a se submeter à primeira aplicação do ácido hialurônico e está muito otimista. "A gente precisa manter o corpo para melhorar a auto-estima, é uma questão de cuidado com a gente mesmo. As rugas no pescoço incomodam muito. É uma região que a gente não presta muito atenção, mas quando se dá conta do estrago tem que dar um jeito", declara.

Foto de pescoço
   antes do tratamento Segundo Adriana, situações como a de Vânia são muito comuns no dia-a-dia do consultório. "A queixa é muito grande. As pessoas têm que entender que é importante tratar da face, mas sem esquecer do pescoço, do colo, das mãos e do lóbulo da orelha", ressalta.

Outro aspecto para o qual a médica chama a atenção é para a necessidade de proteção que envolve usar protetor solar todos os dias, evitar exposição excessiva ao sol e manter uma alimentação saudável.

Outros tipos de tratamento para o pescoço

Peeling de cristal: esfolia e faz um atrito na pele, aumentando a absorção dos produtos que serão aplicados.

Carboxiterapia:injeção de gás carbônico medicinal na pele, estimulando a formação de colágeno.

Intradermoterapia facial: tratamento injetável com agulhas muito finas de aplicação de medicamentos tensores.

Toxina botulínica: relaxa a musculatura do pescoço (músculo plastina) e o resultado é percebido 72 h depois. Dura de seis a sete meses e é a mais eficaz, segundo a médica especialista em medicina estética Adriana Ritti.

*Marinella Souza é estudante de Comunicação na UFJF

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.

Arquivo

Ver mais...