Separação: homem também chora

Ao contrário do que dizem, os homens também sofrem quando o casamento chega ao fim, principalmente, quando o motivo é traição

Marinella Souza
*Colaboração
01/12/2007

Não tem jeito, quando o assunto é separação o sofrimento é inevitável para todas as partes envolvidas. Mulheres e crianças são sempre os que mais sofrem quando um casamento chega ao fim, certo? Errado. Os homens também compartilham dessa dor.

Engana-se quem pensa que o chamado 'sexo forte' não se altera quando o divórcio se torna uma realidade. Eles apresentam um sofrimento muito semelhante ao da mulher, porém, segundo a psicóloga Maria Lúcia Beraldo, vivem a situação sob um outro ângulo.

"Ao contrário da mulher, que dá uma conotação mais sentimental ao casamento, quando decide se casar, o homem vê a mulher como um novo projeto de vida e quando isso não dá certo, a frustração é muito grande", garante Maria Lúcia.

Foto de Maria Lúcia Beraldo A psicóloga explica que o homem passa por um período de 'luto' em que se revolta com a mulher que não soube amá-lo o suficiente, com a sociedade que a todo tempo lhe cobra um casamento perfeito e com ele mesmo que também contribuiu para a falência dessa relação.

O protético, Edilson Dias, foi casado por dez anos e há quatro se separou. Ele conta que foi um período muito difícil."Meu casamento já não estava bom, mas quando ela decidiu que não dava mais, meu mundo caiu. Fiquei sem chão, meio perdido, foi uma fase muito dolorosa para mim", recorda.

Além disso, ao sair de casa, o homem não abre mão só da relação amorosa, mas do convívio com os filhos, com os amigos em comum, da cumplicidade de um casal, enfim, ele se divorcia de tudo. E esse divórcio lhe causa muita estranheza, ele sente que perdeu a sua identidade de homem casado.

Segundo Maria Lúcia, a própria sociedade exclui o homem divorciado de seu convívio. "Ele deixa de ser convidado para festas, os amigos se afastam e a sensação de vazio permanece porque na verdade, o casamento é uma grande âncora social", diz.

Foto Edilson Dias Sem filhos, Edilson não sentiu muito essa parada na vida social. "Para não me verem sofrer, meus amigos e minha família estavam sempre inventando algo para eu fazer. Sem o apoio deles, não teria conseguido superar", garante.

Pesquisas apontam para o fato de que homens e mulheres enxergam o casamento de maneiras diferentes. Enquanto elas buscam um relacionamento amoroso, eles querem a construção de uma família. Quando a relação se deteriora, a mulher busca alternativas para melhorá-la, já o homem se acomoda quando a família está funcionando bem.

Para Maria Lúcia, o homem se ampara na postura machista do adultério para manter o status do casamento. "Se a mulher é uma boa esposa, a casa está sempre limpa e as crianças bem educadas, não há porque se separar. Para se satisfazer sexualmente, ele pode recorrer a uma outra (ou várias) mulher(es), sem precisar sair de casa", relata.

Segundo a psicóloga, um casamento não dá certo por dois motivos: ou o casal é inábil para lidar com os conflitos naturais de um relacionamento ou o casamento foi uma decisão impulsiva e não deveria ter acontecido, em ambos os casos, é frustrante. "Ou o homem se frustra por não conseguir resolver seus problemas conjugais ou por não ter sabido escolher" - explica Maria Lúcia.

O outro lado da traição

Em relação à traição, Maria Lúcia afirma que as reações são muito parecidas, mas que os homens ainda têm uma postura bastante machista. Sua percepção lhe mostra que a aceitação da escapadela feminina depende muito do que está em jogo e da criação que esse homem teve.

Foto de Maria Lúcia Beraldo Sendo o casamento uma empresa, se o aspecto financeiro não for afetado e indivíduo não for extremamente machista, a traição é aceita por eles, assim como o é por elas. Mas, se por outro lado, o machismo é muito forte na personalidade, a traição toma outras conotações.

"Saber que a mulher está transando com outro dá um sentimento de invasão de privacidade, mesmo que ele já não sinta mais desejo pela esposa. Na maioria das vezes, aceitar isso é tão difícil para eles, quanto é para elas aceitar que seu marido está apaixonado por outra", avalia Maria Lúcia.

Mas a psicóloga pondera que a traição pode ter o poder de juntar o casal novamente. "Não estou fazendo apologia da traição, mas é comprovado que saber que o cônjuge desperta o desejo de outra pessoa, pode fazer com que homens e mulheres repensem as próprias atitudes". Mas isso é relativo, depende das pessoas envolvidas, pois, ao mesmo tempo em que altera a libido e ajuda a restabelecer a relação, ela pode despertar uma enorme raiva.

As relações amorosas são um território sem lei, não há regras prontas que garantam a felicidade e a harmonia de um casamento. Embora os estereótipos sejam mantidos, as reações e os sentimentos dependem muito da história de vida de cada um.

*Marinella Souza é estudante de Comunicação Social da UFJF

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.