Artigo
Fazer amor é tudo de bom
Quando o orgasmo acontece,
fica muito melhor


:::10/05/2006

As mulheres nem sempre atingem o orgasmo, mas muitas delas, por terem relações estáveis ou algum tipo de insegurança no relacionamento, fingem que sentem ou abrem mão de sentir. Meu Deus! Como é que alguém pode chegar a esse ponto, abnegar de vez do seu direito de prazer, só para ter alguém... ou, dizer que tem!

Simular o orgasmo ou deixar de ter prazer, faz parte da vida de muitas mulheres, há muito tempo. E como sempre, isso acontece porque elas querem agradar seus parceiros. Mas isso ocasiona uma insatisfação muito maior. O parceiro, por mais insensível que seja, é capaz de perceber que sua mulher não chegou lá. Se ele a ama e se importa com isso, o problema passa a ser dos dois. Acredite, a sinceridade é mesmo a solução para todos os problemas. A partir daí, o casal buscará terapia adequada para resolver esta questão. Fingir pode gerar no seu amado uma grande insegurança e abrir a possibilidade de ele buscar uma constatação fora da relação de vocês.

Antigamente as mulheres eram educadas para serem esposas e mães, o sexo era para a maioria das mulheres, só uma obrigação. Com a revolução sexual, as mulheres redescobriram o prazer, mas na maior parte do tempo, acha que ele só acontece na relação a dois. O parceiro é sempre importante, mas nem sempre sabe como agradar ou estimular a mulher. Por isso, o conhecimento do próprio corpo, dos caminhos para o prazer e a comunicação entre os dois são essenciais para uma vida sexual satisfatória.

Muitas mulheres fantasiam tanto a hora do prazer, que acabam ficando em dúvida se já alcançaram ou não o tão almejado orgasmo! "Será que ouvirei sinos? Vou ser diferente depois disso"? Uma barreira muito comum é a expectativa de um prazer incomum.

Outra ilusão é a de que o orgasmo acontece somente com a penetração. Realmente, se você tem alguém, a penetração é tudo de bom, mas o orgasmo é um prazer que, geralmente, se concentra no clitóris e se irradia por toda a área genital. Entretanto, ele não depende exclusivamente do clitóris ou da vagina. Tem mulheres que chegam ao mais delicioso orgasmo com um beijo na boca e a estimulação dos mamilos. Pasmem... O cérebro é o pólo que desencadeia esta sensação. Sendo assim, quem tiver um orgasmo, com certeza saberá reconhecer.

O orgasmo é o resultado das preliminares bem aplicadas. O desejo sexual é o termômetro que se observa o nível e a qualidade de motivação da pessoa para viver estes momentos. O clima de um envolvimento também conta sobremaneira, aumentando ou diminuindo a vontade.

O corpo da mulher excitada passa por alterações e se prepara, para o ato sexual. A vagina se expande e fica mais lubrificada. As coxas, os seios, o abdome e o rosto também recebem aporte sanguíneo. O clitóris fica mais aparente e receptivo à estimulação. Os grandes lábios se retraem e os pequenos se expandem para fora.

A diminuição ou a ausência de alguns desses fatores podem impedir a mulher de ter uma boa relação sexual. A última etapa é a do orgasmo, ou seja, uma resposta reflexa e involuntária à estimulação sexual adequada.

É importante salientar que o cansaço, a insegurança em relação a si própria ou em relação ao envolvimento a dois, a ansiedade perante o sexo e o orgasmo costumam prejudicar a entrega. Todas nós merecemos ter orgasmo. E quanto mais intenso, melhor. Então, mulheres do meu Brasil, nada de fingir, mostrem a eles o que querem e tenham noites inesquecíveis.

Além da questão emocional, a física também conta muito para a qualidade do orgasmo. A mulher que conhece o seu corpo e que gosta dele tem mais facilidade de chegar lá. Segurança sobre seu aspecto físico é tudo de bom, não importa como é, tem que ser feliz com o que tem.

Existe ainda um mito muito interessante sobre a preferência das mulheres quanto ao tamanho do pênis do parceiro. As mulheres menos experientes acreditam que um pênis grande dará a ela orgasmos inesquecíveis. Não é bem assim, um pênis muito grande pode ser até desconfortável. O que pode ser interessante para as mulheres, principalmente para as que não tem controle sobre a musculatura da vagina e não sabem contraí-la, é um pênis com um diâmetro maior, o que possibilitará algum atrito com o clitóris e a ajudará a chegar mais fácil ao orgasmo.

Ainda sobre as contrações, a mulher que sabe como usá-las, que já está familiarizada com as contrações do pubococcígeo, músculo que sustenta também o canal vaginal, poderá usar este conhecimento a seu favor. Ela consegue orgasmos de ótima qualidade mesmo com um pênis normal ou menor desde, é claro, que ele tenha uma boa qualidade e ereção. Varinha quebrada também não faz mágica nenhuma, não é mesmo?

Cai na real, pare de representar o que não está sentindo, se importe mais com você e seja feliz!


Clique aqui e mande sua sugestão sobre esta coluna

Jussara Hadadd é terapeuta holística,
especializada em sexualidade
Saiba mais, clicando aqui!

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.