• Assinantes
  • Autenticação
  • Mulher

    Eu vou continuar contando

    Jussara Hadadd Jussara Hadadd 13/09/2018

    Quando decidi viajar sozinha, pensei que melhorar meu inglês seria tudo de bom. É mais difícil um pouco a essa altura da vida, mas nem de perto impossível. Ficar em uma casa de família, fazer intercâmbio como uma adolescente – que é um estado da minha alma às vezes – e tantas outras mil e uma justificativas para vir fizeram parte das escolhas para realizar um projeto antigo.

    Quando não se consegue mesmo providenciar tudo sozinha ou com a ajuda da família, uma agência de intercâmbio pode até ajudar um pouquinho, mas tenha em mente que vai gastar mais e isso não significa que será bem atendida. Percebi que a primeira intenção da agência, óbvio, é lucrar e se você ficar satisfeito é melhor porque assim eles vão consolidando suas marcas. E muita gente se diz satisfeito por puro comodismo. Contudo, a aventura de pesquisar bem o lugar para onde se quer ir, ter em mente seus objetivos e realiza-los é uma emoção à parte, então, tente planejar e realizar o máximo que puder por sua conta. Nem sempre o que parece mais fácil é melhor.

    E foi assim que fui morar em Queen’s Park na casa de um senhor viúvo, aposentado, honesto, de coração grande, sempre disposto a me ajudar com os trajetos e com o meu inglês. A casa não é muito nova, são três andares de uma escada fininha até meu quarto, mas por ter pesquisado muito durante um ano o que queria viver em Londres, pude escolher sozinha a melhor localização. Só para ilustrar, um dia pude ir em casa pegar um agasalho entre o final da aula e o início do espetáculo que fui assistir – Les Misérables, de Victor Hugo, uma paixão que cultivo há anos. Fui de metrô e sabia o que estava fazendo. Estudo no centrão de Londres e moro em um bairro perto e agradável. O problema que tive com a agência de intercâmbio foi esse, eles queriam me alocar em uma residência cerca de uma hora e meia de trem da escola. Fala sério! Como eu poderia abrir mão de ir a Notting Hill ou a Abbey Road a pé quando eu quisesse?

    Onde você deseja estar? Muitas vezes, a preguiça atrapalha bastante você saber disso. A preguiça oferece sempre os piores resultados, acreditem. Não se conhecer bem e não saber bem o que quer para si também. Passe a reparar o quanto você se sujeita a situações ruins quando não consegue escolher o melhor para você. Arregace as mangas, pois ser feliz dá trabalho.

    Para minha surpresa, nessa semana encontrei aqui mulheres do mundo todo. Não, não eram adolescentes, eram mulheres maduras, casadas, divorciadas, viúvas e mães de filhos que já partiram em busca de suas próprias vidas. Todas com mochila nas costas, algumas com idade asilar. Tenho saído com elas para jantar, fazer compras, tomar um café e estou maravilhada em vê-las aqui. Se tem brasileiras? Vocês nem podem imaginar quantas. Está faltando vocês.

    Agora está chegando a hora de deixar Londres, deixar os amigos que fiz e continuar minha jornada. Se estou voltando? Que nada! Estou neste momento em um trem quase bala rumo a Paris, vou atravessar o Canal da Mancha submersa.

    Você tem medo? Quantas coisas boas e lindas você deixou de fazer em sua vida porque sua cultura plantou o medo em você? Quanto tempo mais você pretende ficar aí dentro dessa caverna olhando todo dia para aquilo, aquela única coisa que você considera segura e confortável? Você sente culpa em deixar alguma coisa ou alguém para trás? Cheque se está tudo em ordem e se realmente o que é de sua responsabilidade estiver em ordem, não pense duas vezes. Não transfira a culpa da sua falta de coragem, não atribua essa culpa a outras pessoas ou circunstâncias. Vai!

    Estou com o coração apertado. Semana passada minhas amigas espanholas e italianas, foram embora. No fim de semana fizemos um almoço em casa. Tínhamos aqui outro hóspede da República Checa que cozinha super maravilhosamente bem. Fui pra cozinha londrina, falei, cozinhei e na mesa do almoço, sentamos em seis nacionalidades diferentes. Seu inglês não é bom? E sua capacidade de amar? Ah, ela é boa? Então está tudo certo. Austrália, Itália, Praga, Inglaterra, Brasil, cada um de um canto tentando uma forma de viver com alegria. Rimos demais. E eu? Eu chorei de novo. Meu amigo 'chef' foi embora para Mônaco outro dia, minha amiga italiana também. Meu querido homestay ficará sozinho aqui. Chorei, chorei.

    Agora, saio de Londres e volto a Paris e Portugal. Vou rever uns amigos, conhecer a família lusitana que me espera com muito carinho, ir ao casamento de uma amiga portuguesa que fiz em 2013 e termino essa caminhada em busca de mim mesma no bom coração das pessoas pelo mundo, dentro de mim e nas minhas superações conhecendo Amsterdam. Ainda ontem, tomei um café em Covent Garden com um amigo brasileiro que chegou de lá aqui em Londres e me disse ter “hipongas demais” lá.  Sério? Em Amsterdan? Adoorei! Meu berço, pensei.

    Jussara Hadadd
    Terapeuta holística, especializada em sexualidade
    Saiba mais clicando aqui.

    Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.