Plano de racionamento de energia elétrica
Consumidor pode pagar caro se não economizar

Flávia Machado
maio/2001

As medidas anunciadas no último dia 18 de maio, pela Câmara de Gestão da Crise de Energia Elétrica (CGCE), para o plano de racionamento nas regiões Sudeste, Centro-oeste e Nordeste, entram em vigor a partir de 1º de junho.

Os temidos apagões ainda não foram descartados e é provável que aconteçam. O que está sendo discutido agora, é como o Governo pretende colocar em prática as medidas anunciadas. As distribuidoras de energia elétrica afirmam que não têm condições de cortar a luz de todos os usuários que não cumprirem a meta de reduzir o consumo em, pelo menos, 20%. Além disso, a sobretaxa estipulada está sendo considerada abusiva e incostitucional, segundo os órgãos de defesa do consumidor. Nesta edição:


O que você pretende fazer para economizar energia elétrica na sua casa?
      Não uso energia elétrica em casa
      Nada. Não vou economizar
      Vou trocar lâmpadas
      Vou tomar banhos mais rápidos
      Vou usar menos os eletrodomésticos
      Vou tirar os aparelhos eletrônicos da tomada quando não estiver usando
      Vou usar fontes alternativas de energia
   

ATENÇÃO: o resultado desta enquete não tem valor de amostragem científica e se refere apenas a um grupo de visitantes do JF Service.

Como fica a conta de luz do consumidor residencial

Os consumidores residenciais, que gastam até 100 Kwh por mês, estarão isentos da redução obrigatória de 20%, ou seja, ficarão fora do racionamento.

Quem gasta mais que 100 Kwh por mês, terá que reduzir 20% do gasto médio relativo aos meses de maio, junho e julho do ano passado. Até 200 Kwh vai permanecer a tarifa atual. Os consumidores que gastam mais de 200 Kwh pagarão mais. Na faixa entre 201 Kwh e 500 Kwh a sobretaxa será de 50% na tarifa. Acima de 500 Kwh, o acréscimo será de 200%.

A receita da sobretaxa será utilizada para pagar o bônus para quem economizar além do estipulado. O bônus para o consumo de até 100 Kwh será de R$ 2 para cada R$ 1 economizado. Para os que gastam acima de 100 Kwh, o bônus será de R$ 1 para cada R$ 1 economizado.

E tem mais: quem não cumprir as cotas de consumo estabelecidas estará sujeito a cortes no fornecimento de energia por três dias, em caso de primeiro descumprimento. Se houver reincidência, o corte será dobrado, ou seja, seis dias.

Explicando melhor, todos que gastam acima de 100 Kwh por mês terão que economizar, obrigatoriamente, 20%. Se isto não acontecer, as sobretaxas serão diferentes para cada faixa estipulada pelo Governo. Até 200 Kwh a tarifa permanece a mesma. De 201 Kwh a 500 Kwh, o acréscimo será de 50%, e acima de 501 Kwh, a sobretaxa será de 200%.

A primeira resolução baixada pela Câmara de Gestão, para forçar a economizar energia, aconteceu na última quarta-feira, dia 16, e já começou a ser implantada. De acordo com ela, todas as cidades das regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste terão que reduzir o fornecimento de eletricidade para carga de iluminação pública em pelo menos 35% até 30 de junho de 2001. O consumidor rural terá de reduzir em 10% seu consumo médio.

Fazendo as contas da economia

Quem gasta acima de 100 Kwh por mês vai ter que economizar 20% na energia elétrica consumida. A base para os cálculos começa na análise das contas dos meses de maio, junho e julho de 2000. Ou seja, para que o consumidor saiba quanto tem que reduzir é necessário fazer algumas continhas. Com as contas em mãos, some as três e faça a média aritmética (divida também por três). O resultado obtido será a sua média de consumo, menos 20%.

Check-up elétrico

Antes de começar a economia doméstica, vale dar uma conferida na instalação e nos aparelhos elétricos da sua casa, para investigar se não existe algum curto-circuito, podendo estar consumindo energia em excesso. Comece desligando a chave geral no quadro de luz. Em seguida, tire da tomada todos os aparelhos. Se o relógio de medição continuar rodando, é porque existe algum problema. Nesse caso, chame um eletricista ou um técnico da fornecedora de energia para sanar os possíveis defeitos.

Economia em casa

O consumidor pode conseguir uma redução de energia prestando atenção em pequenos detalhes dentro de casa. A economia pode começar, trocando as lâmpadas da casa ou dos cômodos mais utilizados. A redução, em casos de troca das lâmpadas comuns (incandescentes) pelas fluorescentes, pode chegar a 80% e estas duram dez vezes mais. O único problema é que as lâmpadas fluorescentes costumam ser mais caras que as normais. Confira a tabela com a comparação das duas:

Comum Equivale a Fluorescente
40 W: R$ 0,90 11 W: R$ 11
60 W: R$ 1,30 15 W: R$ 15
100W: R$ 1,80 22W: R$ 17
            Fonte: Indelpa.

Economizando no uso dos eletrodomésticos

  • Geladeira e Freezer: Abra a geladeira o menor número possível. Procure tirar todos as alimentos de uma só vez. Mantenha as borrachas de vedação em bom estado. Não coloque alimentos quentes ou mornos na geladeira. Isso faz com que a temperatura aumente e a geladeira vai gastar mais energia para resfriar. Não forre as prateleiras com plásticos, pois isso dificulta a circulação do ar. Não use a parte traseira para secar roupas.

  • Ferro Elétrico: Evite ligar o ferro elétrico nos horários em que muitos outros aparelhos estejam ligados. Ele sobrecarrega a rede elétrica. Habitue-se a juntar a maior quantidade possível de roupas e passá-las todas de uma só vez. Regule a temperatura, no caso dos ferros automáticos. Passe primeiro as roupas delicadas, que precisam de menos calor. No final, depois de desligar o ferro, aproveite ainda o seu calor para passar algumas roupas leves.

  • Televisão: Desligue o aparelho quando ninguém estiver assistindo. Evite dormir com a televisão ligada. Se ela tiver recursos de programação, use o timer. Os aparelhos mais modernos consomem menos energia

  • Chuveiro elétrico: Este é um dos aparelhos que mais consomem energia. Por isso, o ideal é evitar o seu uso nos horários de maior consumo de energia (18h às 21h). Deixe a chave na posição ‘verão’, que consome 30% menos energia. Feche a torneira quando se ensaboar.

  • Máquina de lavar roupa e louça: Procure juntar bastante roupa para lavá-las de uma só vez. Limpe com frequência o filtro das lavadoras Utilize a quantidade correta de sabão, a fim de evitar outro enxágue.

  • Iluminação: Evite acender lâmpadas durante o dia e apague quando sair dos cômodos. Dê preferência para lâmpadas que consomem menos energia, em locais que as luzes fiquem acesas por mais de quatro horas por dia.

  • Outras dicas importantes: Regule o termostato do ar-condicionado. Nem sempre é necessário utilizá-lo com a carga máxima. Tire da tomada os aparelhos que têm relógio digital, como videocassete, DVD e aparelho de som, quando não estiverem em uso. Evite usar aparelhos elétricos no horário de pico do consumo. Dê preferência a eletrodomésticos com o selo Procel de Economia de Energia.

Cálculos

O consumidor pode calcular por conta própria qual é o consumo mensal de cada aparelho. A fórmula para os cálculos é bem simples: basta multiplicar a potencia (em watt) pelo número de horas que ele fica ligado durante o mês. Como o resultado obtido será em watt-hora e a conta vem em quilowatt-hora (Kwh), é necessário dividir o resultado por 1.000.
Exemplo: O ferro de passar consome 1.000 W e é usado 12 horas por mês. O resultado será 12.000 Wh. Dividindo este valor por 1.000, o resultado final será 12 Kwh. Todo aparelho eletro-eletrônico traz a informação do consumo, geralmente, encontrada no verso.

Fonte: Procel - Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica www.eletrobras.gov.br/procel.

Conteúdo Recomendado