Negócio virtual, lucro real Empresas investem na criação de websites como forma de atrair mais
clientes. Especialista dá dicas de como obter sucesso


Ricardo Corrêa
Repórter
29/11/05

Só no mês de outubro deste ano, segundo o Ibope, 11,7 milhões de brasileiros usaram a internet em casa. No total, são 32,1 milhões de conectados em todo o país.

Números que devem crescer ainda mais nos próximos meses já que as vendas de computadores pessoais subiram incríveis 78,5% no terceiro trimestre do ano.

O ano de 2005 termina e o 2006 começa com um contingente de mais 5,2 milhões de computadores nas casas dos brasileiros, 30% a mais do que na virada do ano passado. Além disso, no último mês, os brasileiros ficaram 18 horas e 42 minutos na internet, superando os países desenvolvidos.

Números fortes, que indicam que o processo de massificação da internet está a pleno vapor. E é por isso que empresas que nunca pensaram na idéia estão agora apostando e investindo em sites e publicidade online. Estão fazendo um movimento que há alguns anos já se vê com força nos Estados Unidos, onde o faturamento em publicidade na grande rede foi de 3,1 bilhões de dólares entre julho e setembro.

Os brasileiros já começam a descobrir que a web pode ser sim um bom negócio, o que explica o fato de que 467 mil empresas e individuos já registraram mais de 840 mil nomes de dominios, sendo 140 mil nos últimos 12 meses.

E, em Juiz de Fora?
Em Juiz de Fora não é diferente e muitas empresas estão apostando na criação de um site na internet como mais uma porta para se comunicar e interagir com os clientes. Caso de uma loja especializada em produtos para festas que acabou de criar o seu domínio na internet. A empresa, que é uma referência na venda deste tipo de produto, aproveitou uma demanda dos próprios consumidores para definir o que teria na fase inicial de seu site.

O gerente comercial, José Carlos Vieira de Aguiar (foto ao lado), explica que o projeto na internet está apenas começando e vai ajudar os clientes em coisas que a loja não teria capacidade de atender.

"Nossa principal busca é por um contato de relacionamento com o cliente. Muitas vezes nós não conseguimos atender perguntas feitas pelo cliente na loja e o site ajuda nisso. Nós também temos um salão de festas para locação e o site serve para que a gente mostre as fotos, por exemplo", explica ele, ressaltando outras funcionalidades do site.

"Temos uma sala de cursos, como o de confeitaria de bolos e as pessoas estão sempre querendo saber quando vai acontecer a próxima turma. O site também tem isso, assim como receitas, mas é só o início. É um canal aberto 24 horas, sete dias por semana", ressalta, dizendo, no entanto, que as vendas na internet não estão descartadas.

"Claro que nós pensamos, mas nós temos 12 mil produtos. Para colocar tudo isso nós seríamos um mini 'submarino', diz ele, lembrando do famoso site de compras na internet. Mas ele vê com bons olhos a possibilidade.

"Dentro do site nós podemos colocar também produtos de outras pessoas. Tem sempre alguém ligando para saber de produtos que nós não fazemos, mas que estão dentro dessa área de festas. Nós podemos "sub-alugar" um espaço para essas pessoas dentro de nosso site", diz o empresário, que no entanto está satisfeito com o resultado inicial.

"Sem divulgação nenhuma nós já tivemos 350 visitas no primeiro mês. Para um site que ainda não estava nem nos sistemas de busca e sem divulgação nenhuma, o resultado foi muito bom".

Há três anos atrás, Leonardo Carneiro (foto ao lado) não pensava em investir na internet. O gerente de vendas de uma concessionária de Juiz de Fora, no entanto, repensou sua posição. Os tempos evoluíram rapidamente e o empresário resolveu apostar nesses novos tipos de publicidade. Criou o site nos moldes das outras concessionárias da mesma fabricante e já pensa em novas formas de prender a atenção dos consumidores.

"Nossa idéia é trabalhar o site para que ele seja institucional e comercial. Que tenha algo diferente com tudo o que um site sobre automóvel proporciona".

A empresa quer aproveitar o espaço para disponibilizar o estoque para consulta, simulação de financiamento, cores e serviços. Antes de fazer isso, no entanto, só com um link que é disponibilizado diretamente para o site do fabricante, em que o consumidor escolhe a concessionária onde quer comprar, os resultados já estão aparecendo. Dos últimos 63 carros que ele vendeu, 23 foram pela internet; ou seja, 36% do total.

Além do site, Leonardo Carneiro também apostou em publicidade nos veículos. Ele anunciou três vezes no Caderno Mulher da ACESSA.com. O que pesou para essa escolha, segundo ele foi que 48% das compras são decididas por mulheres e 82% têm participação delas de alguma forma. Agora ele quer buscar novos públicos com essa publicidade e diz que investir na internet é hoje quase uma obrigação das empresas.

"Eu antes achava que era cedo, mas hoje é entendo que é como fazer um anúncio no jornal. Você tem que estar na internet como está nas outras mídias. São mais algumas pessoas que você está atingindo. Temos os adolescentes que influenciam também na escolha e essas coisas", diz ele, ressaltando, no entanto, que o empresário deve ter cuidado na hora de escolher onde anunciar. "Temos que filtrar bem e escolher bem os sites".

Leia mais:

  • Dicas de um especialista para ter sucesso no e-business
  • Saiba como anunciar no Portal ACESSA.com

    Conteúdo Recomendado

  • Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.