Quinta-feira, dia 22 de novembro de 2007, atualizada às 19h05

Procura por películas que escurecem vidro de carro deve aumentar em JF com novas normas do Contran


Thiago Werneck
Repórter

Com a nova resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que diminuiu o nível de transparência para os vidros traseiros, a procura pelo serviço deve aumentar em Juiz de Fora. Por moda, privacidade ou segurança deixar os vidros do carro escuros ficou mais fácil ainda.

Essa é a expectativa do sócio gerente de uma loja de acessórios para carros, Silvan Santos. "A procura já é grande, agora deve aumentar, com mais gente querendo escurecer ainda mais os vidros dos carros", acredita. Antes, o vidro devia permitir a passagem de 50% da luminosidade, agora esse índice caiu para 28%.

Na prática, a lei que limita a transparência pouco funciona no Brasil. "Todo mundo desrespeita os índices estabelecidos, o pessoal sempre quer o mais escuro possível. Aqui, a transparência mais pedida é de 25%, mas recomendamos que seja feita no máximo a de 50%. Esses dois tipos são os mais vendidos", conta Silvan.

Em Juiz de Fora, o serviço custa em média R$ 135, se a película for colocada em todos os vidros e pará-brisa. O nível de transparência não interfere no preço que pode variar de acordo com o tamanho do carro. Para retirar o produto do vidro a taxa média é de R$ 25.

A irregularidade é facilitada pela fragilidade da fiscalização. Os vidros são obrigados a vir com um selo que indique a percentagem da transparência, mas ele é facilmente fraudado. Para acabar com essa falha da lei, outra resolução do Contran altera a forma de descobrir o quanto o vidro permite de luminosidade. Ao invés de acreditar no selo, os fiscais vão ter opacímetros para medir esse nível de transparência.

Mas, por enquanto, todos estão tranqüilos quanto isso, já que os órgãos reguladores ainda não possuem o equipamento. "Quando eles começarem a usar esse medidor essas violações podem diminuir, mas por enquanto quase todos os carros que fazemos fica fora do que é pedido pela lei. Por inteira responsabilidade do cliente", conta Silvan.

Quem usar películas em desacordo com a lei comete infração grave no Código de Trânsito. A multa fica no valor de R$ 127,69 e o motorista ainda leva cinco pontos na carteira e tem o veículo retido. No pará-brisa a transparência mínima exigida é de 75% e nos vidros laterais de 70%.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.