Quarta-feira, dia 13 de fevereiro de 2008, atualizada ?s 11h

Mesmo com a isen??o da tarifa de importa??o de trigo, o pre?o do p?o franc?s deve permanecer em alta


Renata Solano
*Colabora??o

S? nos ?ltimos quatro meses, o brasileiro pagou quase 5% a mais pelo quilo do p?ozinho franc?s - ? o que aponta uma pesquisa ?ndice de Pre?os ao Consumidor da Fipe (IPC), em S?o Paulo.

A boa not?cia seria que o fim da tarifa de importa??o de trigo dos pa?ses n?o participantes do Mercosul, poderia baratear o pre?o dos produtos feitos com trigo como o macarr?o, a farinha e o p?o.

Segundo o presidente do Sindicato dos Panificadores de Juiz de Fora, Heveraldo Lima de Castro, o desconto na taxa de importa??o do trigo oferecido pelo governo ? indiferente.

"Quando compr?vamos dos pa?ses do Mercosul j? n?o pag?vamos este imposto. Com a crise de produ??o, o governo tomou essa medida, mas o valor do frete de pa?ses de fora do Mercosul ? tamb?m mais caro, por isso, temos outros gastos", explica.


O mercado

Como o Brasil produz apenas 37% do trigo que consume, para facilitar a entrada do produto no Brasil com pre?os mais baixos, o governo zerou na quarta-feira, dia 06 de fevereiro, o imposto de importa??o para o produto que vem de fora do Mercosul, a tarifa vigente era de 10%.

A medida vale at? 30 de junho e ? limitada ? compra de um milh?o de toneladas, por isso a expectativa ? de que o pre?o do alimento mais comum no caf? da manh? dos brasileiros tenha uma queda.

Heveraldo comenta, ainda, que o fato do mercado chin?s ter introduzido o consumo de p?o, faz com que haja ainda mais procura que oferta. "Um pequeno interesse da China j? influencia na quantidade de produto consumido e vendido, portanto o trigo ? um produto que est? em alta no mercado internacional. A Argentina ? nosso principal vendedor, mas o interesse deles ? vender a farinha e n?o o trigo, assim eles t?m um pre?o do servi?o embutido", afirma.

*Renata Solano ? estudante de Comunica??o Social da UFJF