• Assinantes
  • Autenticação
  • Negócios

    O RH além das massinhas e balões


    Juliana Freesz 14/03/2020

    “E se eu preparar meu funcionário e ele for embora?”, pergunta o empresário.

    - “E se o senhor não preparar e ele ficar?”, responde o departamento de Recursos Humanos (RH).   

    Muito se ouve que, em tempos de um mercado tão competitivo como atualmente, perder um funcionário pode custar caro. E pode mesmo!

    Mas, antes de pensar nesse custo, é preciso entender uma lógica: a era das “massinhas e balões” acabou. A palavra de ordem é estratégia. O RH estratégico corrobora, ativamente, para o crescimento constante da empresa. Trata-se de ser mais um departamento que fale a mesma língua do negócio.

    E é diante desse contexto que está o desafio dos profissionais de RH: serem vistos como agentes ativos na melhoria de processos, valorizando o surgimento e o crescimento de novos talentos para as organizações. Se esses profissionais forem assim vistos, o que poderia ser um custo, passa a ser um investimento. 

    Gestores de negócios, por exemplo, podem contribuir, e muito, para que o RH seja parte estratégica da empresa. Isso pode ser concretizado através da proximidade entre esses profissionais, sendo o gestor o direcionador para as ações do RH. É ele quem deve compartilhar as necessidades do seu setor e seus objetivos para que o profissional do RH trabalhe, desde a percepção das competências para a contratação de mão de obra mais indicada para suprir as necessidades da vaga de imediato ou um funcionário com plenas condições de crescer e assumir novos desafios até a criação de planos de ação de acordo com os gaps percebidos pelo gestor direto da equipe.

    Podemos, então, discorrer brevemente sobre as ações desenvolvidas pelo departamento de RH em parceria com todos os outros departamentos de maior relevância estratégica: a seleção por competência supra citada, a avaliação de desempenho que irá mensurar habilidades e competências de cada um, de modo a ter a pessoa certa no lugar certo, a comunicação interna que fará com que o funcionário se comprometa mais com os resultados do seu setor e da empresa como um todo, as ferramentas de governança corporativa que garantirão ética e transparência para que todos falem a mesma língua e, por fim, ações de capacitação profissional: treinamentos como fórmula de sucesso para o melhor desempenho do funcionário dentro da corporação.

    Conclui-se, portanto, que pode parecer pequena a diferença entre um departamento pessoal e um departamento de RH, mas se entendermos que podemos construir um time altamente produtivo e engajado, resultado da soma de uma estratégia diferenciada de contratação a ações de treinamento e capacitação, é  certo dizer que teremos, então, um ambiente inovador e aberto a novas possibilidades, gerando uma enorme vantagem competitiva.

    Juliana Freesz tem experiência de 14 anos com consultoria em Gestão de Pessoas; é fonoaudióloga, especialista em comunicação e desenvolvimento humanos e pós graduanda em Planejamento Empresarial e Gestão de Pessoas.

    Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Publicitário

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.