De auxiliar de escritório a Destaque do Comércio Carlos Alberto da Silva está na mesma empresa há quase 17 anos e tem o reconhecimento do patrão, dos amigos e da família


Marinella Souza
*Colaboração
13/11/2008

Aos dez anos de idade, Carlos Alberto da Silva (foto ao lado) já trabalhava. Ele e seu irmão vendiam pão para ajudar no sustento a família de nove filhos e dos pais na bucólica Bom Jardim de Minas. Quem relembra essa história é a mãe do vencedor do prêmio Destaque do Comércio 2008, Cecília da Silva.

"Eu morava na zona rural e saí de lá para estudar meus filhos. Passamos muita dificuldade, nem queira saber...", declara Cecília, sem esconder o orgulho pelo progresso do filho.

Carlos começou a trabalhar na empresa que o consagrou a quase 17 anos. Começou como auxiliar de escritório, passou para gerente de crediário, gerente de vendas e, em janeiro de 2008, assumiu o posto de supervisor administrativo, comandando as duas lojas de móveis e o depósito que a empresa mantém, há décadas, em Juiz de Fora.

Técnico em Contabilidade e Processamento de Dados, Carlos Alberto conquistou quase 15 mil votos no prêmio que valorizou os trabalhadores do comércio na cidade, promovido pela Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL/JF). O segredo de tanto sucesso? "Atender bem, ser simpático, a força do nome da loja", fatores que o vencedor resume em duas palavras: "simplicidade e amizade".

A premiação

Funcionária da mesma empresa que Carlos, sua esposa, Marli Amélia Campos e Silva conta que a indicação do marido foi feita às escondidas. Carlos não sabia de nada até o momento em que teve que assinar o currículo.

Foto de Carlos
Alberto  recebendo a premiação "Quando o senhor José (o patrão) recebeu a carta falando do prêmio me chamou na sala dele e disse: 'vamos indicar o Carlos!' Eu concordei na hora. Peguei toda a documentação necessária sem que ele soubesse. Eu fiquei louca para contar, mas não podia porque o senhor José me pediu segredo", relembra.

"Eles só me contaram quando eu tive que assinar o currículo para enviar. Eu disse ao senhor José que preferia que fosse um outro funcionário da empresa, mas ele me disse que eu estava fazendo um bom trabalho, que o ajudei a reerguer a empresa. Só me restou agradecer", diz Carlos.

Foram inscritos 538 funcionários de diversas empresas da cidade e apenas nove foram escolhidos para concorrer ao prêmio. Quando soube da premiação, Carlos mobilizou toda a família. Os amigos, funcionários e clientes da loja se esmeraram na campanha e o resultado foi surpreendente: 14.531 votos. "Eu não esperava tanto", revela.

Cecília (foto abaixo, a esquerda) comenta que quando anunciaram o nome do filho como o grande vencedor ela não segurou a emoção . "O coração dispara e você não segura, não. Tudo o que a gente viveu, tudo o que sofreu para chegar até aqui passa na nossa cabeça ao mesmo tempo", diz.

foto
de d. Cecília, Carlos e Marli Enquanto a mãe se emocionava em silêncio com suas recordações, a esposa (foto ao lado, a direita) colocou para fora tudo o que estava sentindo. "Eu gritei, chorei, pulei, até no palco eu subi", confessa sorrindo.

E ela não foi a única a perder a voz no dia da festa. O grande vencedor também não poupou gritos e emoções. "Antes de anunciarem meu nome, meu pai, Geraldo José da Silva, me disse: 'se prepara para tudo, se você perder já ganhou por estar aqui.' Mas àquela altura eu queria ganhar, mas tinha uma rede de supermercados muito forte na cidade concorrendo, estava com medo. Quando me chamaram, eu gritei muito", conta.

Apaixonada e orgulhosa, Marli declara: "Não é porque é meu marido, não, mas ele merecia. Ele adora isso aqui. Eu costumo brincar que a empresa é a amante dele porque ele passa mais tempo com ela do que em casa", brinca.

História de Amor

Foto de Carlos
Alberto  recebendo a premiação A empresa pode não ser propriamente a amante de Carlos Alberto, mas não se pode negar que ela tem uma participação fundamental na história desse casal. Ele já estava há quatro anos na empresa quando Marli começou a trabalhar lá.

"Eu devo tudo a essa empresa. Se não fosse por ela, a gente não tinha se conhecido nem se casado" , comemora Marli. Juntos há oito anos, o casal planeja dar um passo a mais na relação. "Se tudo der certo, no ano que vem vamos ter um filho", comenta o sorridente Carlos.

*Marinella Souza é estudante de Comunicação Social na UFJF

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.