Banda Diáfano
Música negra e protesto social

Deborah Moratori
31/01/03

"...sou negro, sou do Brasil
e quero ser um homem em paz
não nego minha raiz
quero liberdade para ser feliz..."

Há quase dois anos na estrada, Kleber Oliveira (vocal), Paulo Ricardo (guitarra), Francis Leonardo (batera), Jorge Gomes (percussão) e Elton Gomes (baixo) quando sobem ao palco são promessa de muita música, mas também não deixam de lado o tom de protesto.

Entre uma e outra batida do mais puro reggae de raiz, curiosidades sobre os artistas que a banda interpreta e mensagens contra o preconceito. "A gente sempre procura estar conscientizando o público sobre os problemas que enfrentamos", diz o guitarrista da banda, Paulo Ricardo. O culto à religião também é assunto constante nas apresentações da banda. "A religião é importante, independente de qual seja a crença", completa.

Identidade
A banda foi criada no final de 1999 pelo vocalista e guitarrista Kleber Oliveira juntamente com o guitarrista Paulo Ricardo, fãs dos ritmos jamaicanos. O desejo familiar - todos os integrantes são primos - de formar um grupo acabou fazendo com que o baixista, Elton Gomes, e Kleber Oliveira e Francis Leonardo, que até então moravam em Petrópolis, viessem a se juntar com os idealizadores da banda.

Reunido o grupo, faltava um nome para a banda. A idéia era escolher um que representasse perfeitamente a essência da banda, daí veio o nome Diáfano. Transparência e translucidez: adjetivos com os quais os integrantes do grupo se identificam.

Paulo RicardoJorge GomesElton GomesKleber Oliveira
*Passe o mouse na foto para ver quem é quem.

Rastafari vibration
O repertório do grupo mostra sucessos de grandes nomes do reggae como Bob Marley, Peter Tosh, Israel Vibration e também de bandas nacionais como Tribo de Jah e Natiruts. Gil e Djavan também estão presentes.

Nas apresentações, não faltam consagrados sucessos como Is this love (Bob Marley), Get up and dance (The Mellodians), Umbush (Culture), Palmares (Natiruts), Rigueiros Guerreiros (Tribo de Jah), além das composições próprias do grupo: Curumba e Sou Negro.

A canção Curumba, composta pelo vocalista da Diáfano, conta a história do dia-a-dia dos integrantes da banda e suas dificuldades, numa época em que 80% do grupo estavam sem emprego. Em tom de protesto, Sou negro de Paulo Ricardo, cultua a raiz negra e brasileira da música e da própria banda. Para ver a letra de Curumba, clique aqui.

O que será do amanhã...
Para este ano, a banda promete não decepcionar seu fiel público. Além da finalização do cd e aperfeiçoamento das composições próprias, os componentes do grupo estão com um projeto de reunir em um espaço diferentes bandas da cidade com objetivo assistencial de arrecadação de alimentos para famílias carentes.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.