Eminência Parda Banda vai finalizar seu terceiro CD ainda esse ano
com músicas consagradas do rock dos anos 70

Thiago Werneck
Colaboração*
30/04/2007

Músicas que marcaram o rock e a MPB nos anos 70 e um repertório próprio da banda. São com essas canções que o grupo Eminência Parda se destaca há 21 anos no cenário da música de Juiz de Fora. E para quem estava sentindo falta de um novo CD, ele está vindo aí. Um álbum com releitura de rocks antigos vai ser lançado no segundo semestre desse ano. No momento, falta apenas a finalização do disco.

A opção por gravar músicas antigas veio para registrar os arranjos feitos pela banda para músicas que marcaram toda uma geração.

"Fazer um CD com músicas próprias requer um ideal, uma proposta central. Composições em gaveta temos um monte, mas preferimos esperar e, hoje, dar oportunidade ao público de ter todas as nossas releituras que são destaque em nossos shows. E todas essas músicas têm a nossa cara", destaca o vocalista da banda Edson Leão, mais conhecido como Edinho (foto abaixo).

Músicas de Secos e Molhados, Mutantes, Clube da Esquina, Beto Guedes e Milton Nascimento influenciam a banda, que não tem repertório fechado em seus shows.

"Nós tocamos músicas nossas, releituras de sucessos antigos e também quando dá na cabeça bandas que têm influências iguais as nossas. Como exemplo, Pato Fu e Zeca Baleiro. A gente não pega pesado só em música nossa porque o público quer sempre acompanhar músicas que já conhecem. As músicas tocadas variam em cada show, de acordo com nossa vontade e pedidos de quem acompanha a apresentação", explica Edinho.

Segundo o vocalista, quando o público conhecer as músicas da banda, o maior objetivo deles estará cumprido. "Queremos fazer um show tocando todas nossas canções e com a galera cantando junto e reconhecendo nosso trabalho. Mas em Juiz de Fora quase não há acesso ao nosso trabalho. São raras as rádios que tocam música do Eminência Parda e de bandas da cidade. Assim não tem como o público conhecer nosso trabalho. É muito difícil conseguir emplacar músicas inéditas hoje", observa.

A maior dificuldade da banda, reforçam os integrantes, é a falta de apoio de alguns meios de comunicação, principalmente das rádios da cidade. "Aos poucos têm surgido algumas iniciativas da mídia, mas o meio radiofônico, que é o principal propagador de músicas e bandas, não nos dá apoio. Falta os donos das emissoras dialogarem com representantes das bandas de Juiz de Fora e negociar nosso espaço. Assim mais bandas daqui vão ter reconhecimento do público", avalia Edinho.

O show do Eminência Parda

O número de apresentações da banda diminuiu nos últimos anos. O compromisso de alguns integrantes com outros projetos restringe um pouco a agenda do grupo. Mas em duas décadas de estrada o Eminência Parda já viajou por diversas cidades de Minas Gerais e também já fez algumas apresentações no Rio de Janeiro.

A expectativa de Edinho é que com o lançamento do terceiro CD o grupo volte a sair mais de Juiz de Fora. "Vamos finalizar esse projeto primeiro. Vamos expandir nosso trabalho pela região. Temos ainda uma música inédita saindo em um CD de coletânea de uma casa noturna da cidade e duas canções novas de rock que devem ficar disponíveis em acervo virtual só de bandas de Juiz de Fora. O projeto está sendo comandado pela banda Martiataka", acrescenta.

A banda tem dois CD's: o Eminência Parda lançado em 1994 e Cidade sob Chuva que foi para o mercado em 2003, mas o grupo tem muitas músicas "perdidas" por aí. Alguns demos ficaram somente entre os amigos, outras canções estiveram presentes na primeira formação da banda e tantas outras em gaveta.

"Hoje falta um espaço para você passar a idéia de sua música ao público. No teatro, por exemplo, é um local onde as pessoas prestam atenção no que você fala e toca. Hoje, há espaço em Juiz de Fora apenas em festas e o pessoal não presta atenção na idéia. Para lançar um CD temos que ter uma proposta central uma idéia para passar. Hoje, falta isso em nossa cidade. Quem sabe se abrissem mais os anfiteatros de faculdades e teatros para nós...", acredita Edinho.

A Banda

Atualmente, o Eminência Parda tem a formação com Edson Leão(vocalista), Wesley Carvalho (guitarra), Guiley (contra-baixo), Marcelo Panisset(bateria), Daniel Goulart (guitarra e vocal) e Luiz Lima (percussão e vocais). Edinho conta que há 12 anos essa é a formação da banda.

"Eu e Wesley estamos desde a primeira formação em 1986. Mesmo com as mudanças, comuns no meio, nós nunca perdemos nosso foco. Em todos os 21 anos de carreira a influência do rock e MPB dos anos 70 marcou o estilo de nossas músicas e apresentações", relata.

Essa é marca da banda que hoje tem público cativo em Juiz de Fora. Edinho conta que existem aqueles que vão em todos os shows e outros que acompanham o trabalho e sempre que aparecem a apresentação fazem algum critica ou elogio.

"Acho isso muito bacana, criamos a nossa marca. Nossa grande onda é fazermos do nosso jeito todas as músicas. Tocamos o que tivermos vontade, sempre dentro de nosso estilo rock n'roll", completa Edinho.



Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.