BELO HORIZONTE, MG (UOL/FOLHAPRESS) - Depois de três dias desaparecida, foi encontrada morta Suzana Rocha Silva, 11. Ela havia sumido no sábado (17), em Cachoeira de Pajeú (MG). O corpo foi achado com sinais de estupro, nesta segunda (19), em uma estrada vicinal próxima à zona rural da cidade.

O principal suspeito de cometer o crime é um adolescente de 16 anos, que, segundo a Polícia Civil, confessou o estupro e homicídio de Suzana.

A criança foi vista entrando em um carro após sair de casa para ir até uma igreja. O veículo foi apreendido na investigação do caso, liderada pelos delegados Henrique Franco e Marcela Macedo, ambos de Alfenas (MG).

Segundo Franco, a investigação da polícia conseguiu chegar até o menor que, no começo, negou o envolvimento no assassinato. Ele foi apreendido.

"Entretanto, durante as entrevistas ele confessou a autoria do ato infracional e inclusive, indicou onde estaria o aparelho celular da vítima, que estaria em sua residência", disse Franco.

A vítima foi encontrada com sinais de violência sexual e esganadura.

O corpo da jovem foi encaminhado até o IML (Instituto Médico Legal) e liberado para a família. O sepultamento e o enterro da menina aconteceram ontem.

"Os policiais do município de Pedra Azul se deslocaram até o município de Cachoeira do Pajeú, para a realização da perícia no local dos fatos e no corpo da vítima", disse a delegada Marcela.

INVESTIGAÇÕES

Segundo a PCMG (Polícia Civil de Minas Gerais), os trabalhos para entender o crime ainda estão em andamento.

Em nota, a PC informou que mesmo que o suspeito tenha confessado o crime, a perícia realiza trabalhos técnicos do local onde foi encontrado o corpo da garota e a investigação procura elucidar a motivação e as circunstâncias que levaram o jovem a matar Suzana.

"Os laudos periciais seguem em elaboração para identificar a causa da morte e certificar o conteúdo nos aparelhos celulares".A polícia investiga o caso como estupro de vulnerável e homicídio.

MINISTÉRIO PÚBLICO

O MPMG (Ministério Público de Minas Gerais), apresentou um parecer favorável pela internação provisória do adolescente de 16 anos.

"Sobre a morte de uma criança de 11 anos em Cachoeira do Pajeú, o MPMG informa que, após analisar o Auto de Apreensão em Flagrante de Ato Infracional, realizou oitiva informal do adolescente em conflito com a lei, acompanhado de sua genitora", diz a nota.

A representação do MP está baseada, também, nos crimes análogos de estupro de vulnerável e homicídio. Ao final da nota, o MP disse que o caso é apurado e que devido ao sigilo, poucos detalhes serão divulgados.