Terça-feira, 20 de setembro de 2016, atualizada às 14h39

Justiça bloqueia bens da Concer, responsável pelo trecho Juiz de Fora-Rio na BR 040

Da redação

Em ação de improbidade administrativa do Ministério Público Federal (MPF) a respeito da Nova Subida da Serra (NSS) no Rio de Janeiro, a Justiça concedeu liminar deferindo o congelamento dos bens do ex-ministro dos Transportes César Borges; de servidores da diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Jorge Bastos (diretor-geral), Viviane Esse (superintendente) e Cristiano Della Giustina (gerente de engenharia); bem como da Companhia de Concessão Rodoviária Juiz de Fora-Rio (Concer).

Na ação, o MPF alega que houve autorização do início das obras apenas com base em projeto básico (o que viola o art. 6º, X, e art. 7º da Lei das Licitações), bem como para execução do projeto em desacordo com a legislação orçamentária, pois iniciaram as obras sem dotação orçamentária com o valor total da empreitada, além da celebração de termo aditivo (12ª TA ao Contrato de Concessão PG 138/95-00) em prejuízos aos cofres públicos.

Entenda as irregularidades nas obras da NSS

Em 31 de outubro de 1995, foi firmado contrato de concessão de 25 anos entre o extinto Departamento Nacional de Estrada e Rodagem (DNER) – substituído pela ANTT – e a Concer, que assumiu a obrigação de construir a nova pista de subida da serra em direção à Petrópolis. O custo de implantação da nova pista havia sido estimado, na época, em R$ 80 milhões (cerca de R$ 350 milhões nos dias atuais).

Em junho de 2011 a ANTT aprovou o projeto básico apresentado pela Concer, tratado como se fosse um projeto executivo, em violação à Lei de Licitações, bem como autorizou, em 2013, por meio de seu gerente de Engenharia Cristiano Della Giustina, o orçamento das obras da NSS, no valor total de R$ 897.446.504,71 (maio de 2012), e que o prazo de execução da obra, então dividida em cinco lotes, seria de 2 anos.

Dessa forma, com a aprovação do orçamento apresentado pela concessionária, as obras foram iniciadas sem que, no entanto, estivesse definida a origem dos recursos para a execução da totalidade das obras, visto que o valor originalmente estimado não era suficiente. Assim, em 12 de julho de 2013, o então Ministro dos Transportes César Borges comunicou ao diretor-geral da ANTT, Jorge Luiz Macedo Bastos, a necessidade de se dar início imediato à obra, com a autorização por parte da autarquia para o conjunto da obra da subida da Serra de Petrópolis. Solicitava também a adoção de providências necessárias à formalização de Termo Aditivo ao Contrato de Concessão da BR-040 Rio-Juiz de Fora, instrumento que formalizaria as condições de recomposição do equilíbrio econômico-financeiro do contrato.

“A conduta do ex-ministro dos Transportes de orientar a ANTT, no sentido de que fosse autorizado o conjunto das obras da NSS no contexto de insuficiência de recursos para execução total da obra e em franco desatendimento às normas constitucionais e da legislação orçamentário-financeiro, estava imbuída de má-fé, pois nitidamente causadora de dano ao patrimônio público e violadora de comandos constitucionais e princípios básicos da Administração Pública”, destacam as procuradoras da República Joana Barreiro Batista e Vanessa Seguezzi, autoras da ação.

Atuação do MPF na NSS

Além da presente ação de improbidade administrativa, no fim do ano passado, o MPF ajuizou ação civil pública para anular o 12º termo aditivo ao contrato de concessão da BR-040, cujos custos ultrapassam R$ 1,6 bilhão, incluindo os aportes de recursos públicos, na ordem de R$ 1,3 bilhão.

Na ação do fim do ano passado, o MPF apontou que "todo o 12º Termo Aditivo ao contrato de concessão PG nº 138/95-00 devia ser invalidado, pois teve como objetivo formalizar a ausência de previsão orçamentária para as obras da Nova Subida da Serra que foram iniciadas sem que houvessem recursos suficientes disponíveis. Dessa forma, ele emerge no mundo jurídico para suplantar a ausência de previsão no Plano Plurianual de 2012-2015; suas cláusulas violam dispositivos constitucionais, pois há previsão de aporte de recursos federais em valor superior ao previsto na lei orçamentária do ano de 2014; não houve estimativa do impacto orçamentário-financeiro conforme previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal, de forma que nenhum de seus dispositivos pode produzir efeitos no mundo jurídico".

Em 2014, o MPF obteve, liminarmente, em ação civil pública, a suspensão das obras, com a paralisação das obras dos lotes 3 e 4, incluindo o túnel de 5 Km, da Nova Subida da Serra (NSS), até que a concessionária Concer realizasse auditoria de segurança viária de todo o projeto do empreendimento. Naquela decisão, ficava suspensa, até o julgamento da ação do MPF, a ANTT e a União, a entrega da execução completa da obra da nova pista de subida à Concer e o repasse de recursos à concessionária para implantação do empreendimento. A decisão também determinou que fosse realizado processo licitatório no caso de liberação de verbas não previstas no Plano de Exploração da Rodovia.

Com informações do MPF

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.