BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Por recomendação médica, o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), não irá mais para Brasília nesta semana.

O cancelamento da agenda foi confirmado pela presidente nacional do partido, Gleisi Hoffmann.

Segundo ela, há uma preocupação com a recuperação do presidente eleito após cirurgia de retirada de uma lesão na garganta a qual foi submetido no domingo (20), em São Paulo.

A nova previsão, de acordo com Gleisi, é a de que o presidente eleito viaje para Brasília na próxima terça-feira (29).

"A recomendação foi de repouso agora, após a cirurgia. E também é melhor ser mais cauteloso com o aumento do número de casos de Covid", afirmou à reportagem a presidente do partido.

Lula esteve fora do Brasil para participar da COP-27, no Egito, e também a uma visita em Portugal.

Após essas viagens, havia expectativa de que, ao retornar ao Brasil, Lula iria entrar novamente na articulação da PEC da Transição e encontrar os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

O governo eleito enfrenta dificuldades para destravar a PEC no Congresso. A proposta tem o objetivo de abrir espaço no Orçamento para o cumprimento de promessas de campanha de Lula, como a manutenção do valor mínimo de R$ 600 para beneficiários do Bolsa Família.

Inicialmente, a previsão era de que Lula desembarcasse em Brasília nesta terça. Depois, essa data foi prorrogada para quarta (23). Mas, por precaução, o presidente eleito cancelou a agenda, afirmou Gleisi.

Segundo um dos médicos que acompanham Lula, nas 72 horas após a cirurgia, é natural que o paciente apresente agravamento da rouquidão, exigindo que poupe a garganta.

O presidente eleito deverá evitar uso excessivo da voz nas próximos 14 dias, especialmente nesta semana após cirurgia. O ideal é que só discurse dentro de uma semana.

Com essa fonocirurgia para preservação da voz, a expectativa é que Lula apresente redução da rouquidão após essas duas semanas de cicatrização da região operada.

Como antecipado pela coluna de Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, Lula chegou no domingo ao Hospital Sírio-Libanês para a realização de uma laringoscopia para retirada de leucoplasia da prega vocal esquerda. Ainda segundo boletim médico, o procedimento, que durou 40 minutos, mostrou ausência de neoplasia.

Além da orientação para que evite excessos, Lula deverá intensificar exercícios diários de fonoaudiologia.

O motivo para a cirurgia era para retirada e diagnóstico, que constatou ausência de neoplasia. Mas, segundo um médico que acompanhou o procedimento, a retirada da leucoplasia também afasta o risco de transformação da lesão em um câncer, o que pode acontecer em 10% dos casos, principalmente em pacientes com mais de 65 anos.

A microcirurgia foi recomendada após surgimento de manchas brancas, provocadas, na maioria das vezes por tabagismo, álcool e refluxo, sendo potencializado por uso excessivo da voz.

Lula teve alta às 7h45 desta segunda-feira (21) e está em sua casa em São Paulo.