Juiz de Fora - MG

Manifestantes voltam às ruas contra o governo Temer em Juiz de Fora

A passeata deve seguir o mesmo trajeto de quarta, 31 de agosto, passando pelas avenidas Rio Branco e Itamar Franco até a praça do bairro São Mateus

Envie a sua foto pelo link SUA NOTÍCIA, clique aqui
1/09/2016

foto

Nova manifestação de grupos contrários à aprovação do impeachment de Dilma Rousseff (PT) acontece na noite desta quinta-feira, 1° de setembro, no Centro de Juiz de Fora. Organizado pelas mobilizações de bases e ativistas dos partidos PT e PCdoB, que integram o grupo 'Frente Brasil Popular', entre outros grupos organizados e manifestantes independentes, o evento no Facebook 'Fora Temer! Golpe Nunca Mais!'  já tem 1.300 pessoas confirmadas para o ato, que será das 18h às 22h.

Horas depois do resultado na quarta, 31 de agosto, da votação que confirmou o afastamento definitivo da ex-presidente Dilma, por 61 votos a 20, no plenário do Senado Federal, grupos se mobilizaram no Parque Halfeld, onde será o ponto inicial também nesta quinta, 1°. O protesto seguiu em passeata pela avenida Rio Branco e Itamar Franco até a praça Jarbas de Lery, no bairro São Mateus. A organização estimou participação de mil pessoas.

Nesta quinta, 1°, uma das organizadoras do ato Lais Perrut afirma que parte dos envolvidos são de grupos organizados, mas que outro número significativo de pessoas despertou para participar do movimento de forma espontânea. “Este evento foi confirmado ontem (31), depois da passeata. Mas, hoje, queremos fazer algo mais organizado, com carro de som, em passeata, provavelmente com o mesmo trajeto”, afirma, lembrando que a intenção dos grupos é marcar mais atos e manifestações para as próximas semanas, com o intuito de marcar resistência, visando “a derrubada do governo golpista do Temer”, reforça.

O presidente do Partido dos Trabalhadores (PT) em Juiz de Fora, Giliard Thenorio, também observa que a formação do primeiro protesto, após a confirmação do impeachment, foi espontânea. “A maioria dos manifestantes mobilizados eram jovens de 18 a 20 anos. Vemos que o golpe não foi aceito meramente como um afastamento, seja por crime de responsabilidade ou por condenação política. Nossa expectativa é que a história comprove que houve de fato esse golpe e que a juventude protagonize a superação disso!”.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.