Terça-feira, 14 de fevereiro de 2017, atualizada às 18h25

Vereadores requisitam audiência pública para debater a situação da Apae

Da redação
foto

Durante a 2ª reunião ordinária do 2º período legislativo da Câmara, realizada na última segunda-feira, 13, foram apresentados Requerimentos de autoria da vereadora Delegada Sheila (PTC) e do vereador Charlles Evangelista (PP) solicitando a realização de uma audiência pública que trate sobre a situação da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Juiz de Fora.

A instituição já está fechada há uma semana por falta de recursos para pagar parte dos funcionários. Por problemas de atrasos no repasse do convênio com a PJF, a Justiça congelou o dinheiro dos pagamentos a pedido do Sindicato dos Trabalhadores (Senalba-MG). Com isso, 580 assistidos estão sem receber tratamento psicológico e fonoaudiólogo, terapia ocupacional, fisioterapia, hidroterapia, aulas de dança, música e artes culinárias.

Delegada Sheila afirmou que a Apae de Juiz de Fora está em funcionamento há mais de 50 anos, no Bairro Santa Terezinha, desempenhando um trabalho de grande importância para o município, atendendo quase 600 crianças e adultos com necessidades especiais, ajudando-os a desenvolver capacidades físicas, sociais e intelectuais.

A vereadora afirmou que acompanha de perto o trabalho da associação, que está passando por grandes dificuldades financeiras, pois, há bastante tempo, seus gastos mensais estão sendo maiores que os recursos arrecadados através dos convênios. Relatou que a presidente da Apae de Juiz de Fora lhe entregou os documentos contendo os balancetes com as receitas e despesas da associação e considerou que os valores são razoáveis, considerando todo o atendimento e o trabalho desempenhado pela equipe de profissionais.

Foi feita a leitura do relatório passado pela presidente da Apae, no qual se discriminam os serviços prestados pela instituição, que possui equipes especializadas nas áreas social, de saúde, de educação e de esporte e lazer, buscando promover qualidade de vida para as famílias dos 593 usuários com necessidades especiais. São promovidas aulas de ensino infantil, fundamental e de jovens e adultos, com oficinas de inclusão produtiva e educação especial com aulas de música, dança, capoeira e natação. Além dos 21 pedagogos especiais, a instituição ainda conta com a ajuda de 34 colaboradores, dentre psicólogos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, nutricionistas, assistentes sociais e cuidadores.

Para a audiência, serão convidados representantes do Ministério Público do Trabalho, devido aos problemas com o pagamento dos funcionários e o consequente bloqueio dos valores das contas da Apae, além de representantes da Promotoria da Pessoa com Deficiência, Secretaria de Desenvolvimento Social, Secretaria de Governo, dentre outras. Audiência contará ainda com a participação da Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência, presidida pelo Vereador João Coteca (PR).

Os vereadores Pardal (PTC), Charlles Evangelista (PP), Ana Rossignoli (PMDB), Sargento Mello (PTB), Dr. Adriano Miranda (PHS) e Zé Márcio (PV) também fizeram suas contribuições durante a reunião, manifestando apoio à Apae e desejando que a situação possa ser resolvida através da Audiência Pública.


Com informações da Câmara Municipal

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.