• Assinantes
  • Autenticação
  • Política
    Quarta-feira, 2 de janeiro de 2019, atualizada às 7h40

    Romeu Zema toma posse e propõe "Pacto por Minas”

    Da redação

    O governador Romeu Zema e o vice-governador Paulo Brant tomaram posse nesta terça-feira, 1º de janeiro em cerimônia realizada na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, em Belo Horizonte. Em seu primeiro discurso oficial como chefe do Executivo do Estado, Zema destacou que a prioridade da atual gestão será a austeridade.

    Diante do grave quadro de crise financeira, ele convocou todos os mineiros a firmar um “Pacto por Minas” para que seja possível, com um modelo de gestão diferente e mais eficiente, atender às demandas da sociedade, regularizar repasses aos municípios e garantir os direitos dos servidores.

    “Estamos em um ponto de virada, em que Minas e os mineiros carecem de respeito e responsabilidade. E será respeitando as leis, a liberdade, os recursos públicos e as pessoas que nosso Estado poderá ser novamente respeitado. Precisaremos de paciência, persistência e, principalmente, união. União em torno de um mesmo projeto. União de todas as forças, poderes e pessoas pelo futuro de nós, mineiros. Este deve ser o ideal que nos unirá nos próximos anos”, afirmou.

    “Deixo aqui o convite de assinarmos, juntos, um acordo tácito pelo bem de Minas Gerais, pelo espírito público que nos une, pela forma republicana de se fazer política. Um “Pacto por Minas Gerais”, com a união de todos os Poderes: Legislativo, Judiciário, Ministério Público, Executivo, imprensa, federações, entidades representativas de classes e da sociedade mineira”, enfatizou.

    O governador disse, ainda, que será preciso um esforço conjunto, independentemente de ideologias, para superar os desafios. “O espírito público deve ser exaltado. É esse espírito, independentemente de partido ou posição ideológica, que deve guiar os representantes do povo mineiro. É esse espírito público, da coletividade, que nos trouxe até aqui. E é com ele que os mineiros contam para sairmos do grave momento de crise que vivenciamos”, afirmou Romeu Zema, lembrando que foi com esse sentimento que deixou a direção do Grupo Zema para aceitar o desafio de gerir o Estado.

    “Nunca havia concorrido a um cargo público. Passar por uma campanha eleitoral nunca esteve nos meus planos de vida. Mas, após muita reflexão, aceitei o convite do Partido Novo para ser candidato ao governo de Minas Gerais, por entender que as pessoas de bem não podem se eximir da responsabilidade perante a sociedade em que se vive”, pontuou.

    O governador também avaliou que sua posse representa o desejo de mudança no modelo de administração do Estado. “O resultado das últimas eleições significou para alguns uma surpresa, mas quero afirmar aqui que o eleitor não dá recados. Ele decide. E decidiu, nas urnas, realizar uma reforma política que há tempos as ruas pedem, mas que até então não havia sido colocado em prática. E demonstrou que deixará para trás aqueles que insistem nas práticas do passado. Esse voto significa uma escolha por um novo modelo de exercício da política”. O governador deixou claro que a “primeira e mais fundamental atitude a ser tomada é a de reduzir despesas, cortando na carne”.

    Transparência

    Em seu pronunciamento, o governador Romeu Zema disse ainda que irá dialogar com todas as regiões do Estado, cada uma com demandas históricas e urgentes, com o objetivo de avançar promovendo “maior prosperidade e um melhor ambiente para quem trabalha e quer trabalhar”.

    Zema assume o Estado diante de um quadro de dificuldades, com previsão de déficit nas contas correntes que pode chegar a R$ 30 bilhões em 2019 e superar os R$ 100 bilhões se nada for feito nos próximos anos.

    “Passaremos por tempos difíceis, em que reformas administrativas e fiscais terão de ser levadas adiante, para que os servidores possam receber os seus salários conforme determina a lei, o mais tardar até o 5º dia útil do mês seguinte. Para que as prefeituras possam voltar a receber os valores que têm por direito, e para que possamos ter condições de investir no que deve ser as prioridades do Estado, que são: segurança, saúde, educação e infraestrutura”, concluiu.

    Depois de ouvir a proposta de gestão do Estado, o presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, deputado estadual Adalclever Lopes, garantiu que a nova administração pode contar com os trabalhos dos parlamentares para aprovar medidas de austeridade.

    “Este Parlamento está pronto para continuar exercendo suas responsabilidades, atuando como interlocutor da sociedade. Pode ter certeza, senhor governador, que aqui Vossa Excelência encontrará uma Assembleia Legislativa parceira. Aqui convivem, histórica e democraticamente, membros dos mais diversos partidos, expressando as mais variadas posições ideológicas. Confiamos que teremos um futuro melhor, com Minas Gerais sob um comando novo, eleito pela maioria da população do estado”, afirmou.

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.