Não existe idade para começar a malhar Os exercícios físicos fazem bem para o corpo e para a mente

Priscila Magalhães
Repórter
20/10/07

No primeiro dia em que colocou os pés em uma academia de ginástica, Ivete Ferreira ficou assustada. Mas não é para menos. Quando ela começou a fazer exercícios físicos tinha 55 anos de idade. "Achei muito estranho ir para a academia, afinal eu não era acostumada com isso. Na minha época não era comum. Comecei por insistência da minha filha, que sempre gostou e me convidava, então resolvi experimentar por uma semana. Se gostasse, continuaria. Estou aqui até hoje", diz.

O segundo dia já não foi tão assustador, no terceiro decidiu não parar mais e no quarto levou o marido junto com ela. Hoje, sete anos depois, Ivete (62) e Franklin Ferreira (69) ainda passam cerca de três horas por dia em uma academia de ginástica. "Agradeço à minha filha pela insistência. Se não fossem os exercícios nós já teríamos tido alguma doença mais séria e até depressão. Eu não trabalhava e Franklin já estava aposentado. Minha filha notou que eu estava muito triste", lembra Ivete.

Quando chegou pela primeira vez à academia, Franklin não se assustou, mas percebeu que seu preparo físico era zero. "No dia que comecei quase caía para andar quatro quilômetros na esteira e hoje é muito tranqüilo. Quando se é sedentário, não temos noção do nosso preparo físico. Exercício faz bem em qualquer idade", diz Franklin. E Ivete completa. "Aconselharia todas as pessoas a fazerem".

Foto do casal Ivete e Franklim O casal utiliza todos os aparelhos da academia alternadamente. O que eles mais gostam de fazer é a musculação. Ela também faz os exercícios aeróbicos, mas ele não. "Eu caminho todas as manhãs na rua. Não gosto da esteira, acho muito monótono, mas sem a musculação não consigo ficar", diz Franklin.

"É um verdadeiro vício. Adoro levantar peso. A musculação me dá muito prazer e me faz um bem enorme, sem contar a energia boa que tem aqui. É um lugar onde não tem doença, remédio, só alimentação saudável", ressalta Ivete. Depois de anos de treinamento, ela levanta 200 quilos nas pernas e 25 em cada braço. Ele também levanta 200 quilos nas pernas e cerca de 35 em cada braço.

O que melhorou com a malhação

Foto do casal Ivete e Franklim Hoje Ivete pesa 58 quilos. Depois que começou malhar sentiu os braços mais fortes e uma melhoria incrível na postura. "Adoro salto alto, mas sempre tive muito medo de usar. Agora tenho uma facilidade incrível e ando com mais facilidade do que quando tinha 18 anos. Isso, porque a musculatura da minha perna está muito mais forte".

Ela ainda diz que é muito vaidosa e não decidiu ficar na academia só por causa da saúde. "Também quis ficar por causa da minha vaidade. Adoro colocar uma roupa, me olhar no espelho e me sentir bem com ela. Quando fico sem malhar sinto dores no corpo e fico triste também. Faço alongamentos, aquecimento, musculação, aeróbica e alongamento de novo todos os dias", diz.

Já Franklin, que pesa 78 quilos, sentiu que a postura foi a melhora mais significativa após o início dos treinos. "As dores que eu tinha na coluna desapareceram. E por eu estar me sentindo fisicamente bem, minha mente também fica. O corpo reflete na mente. Sinto muita falta da academia quando preciso passar alguns dias fora, mas tento continuar com as caminhadas quando vou para à praia", diz.

Cuidados com a alimentação

Para o casal, não basta somente ir à academia e fazer ginástica. Eles também têm um cuidado especial com a alimentação. Franklin é um pouco menos cuidadoso que Ivete, mas depois passou a levar a atividade física a sério, também passou a se alimentar melhor.

"Minha alimentação deixava a desejar. Comia muita gordura e muito doce até que passei a comer mais frutas e legumes. Mas não dispenso um doce de vez em quando e nem a carne todos os dias. A Ivete, não. Ela sempre comeu verduras, legumes e muita fruta. Além disso, não usa açúcar nenhum e nem frituras. Come pouca carne, mas não dispensa uma picanha, mas só quando tem churrasco", entrega o marido.

O professor de Educação Física, Creso Arruda, diz que não existe idade para começar a fazer exercícios. "Quanto mais idade, mais é importante ter algum tipo de atividade física. O que existe são as limitações de cada pessoa, como problemas cardíacos e pressão alta. Mas estas são limitações que qualquer pessoa pode ter, independente da idade. Nestes casos, temos que dosar os exercícios para não fazer mal", explica.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.